Notícias
 
Dilma inaugura plataforma e garante que "não haverá desemprego na indústria naval"
A P-58, que será instalada na Bacia de Campos, vai produzir 180 mil barris/dia de petróleo e 6 milhões de metros cúbicos de gás
08/11/2013


Em Rio Grande (RS), durante cerimônia de conclusão da plataforma P-58, presidente afirmou que a demanda na indústria naval será enorme nos próximos anos e que a inauguração marca a retomada do setor; "É impossível que haja algum risco de não haver contratos para produção de equipamentos e navios. A dificuldade vai ser outra, é que nós temos de ser capazes de produzir", disse Dilma aos trabalhadores.


A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (8), em Rio Grande (RS), durante cerimônia de conclusão da plataforma P-58, que a demanda por plataformas será enorme nos próximos anos e que a indústria naval brasileira precisa se preparar para atender os novos contratos de produção de equipamentos.

"É impossível que haja algum risco de não haver contratos para produção de equipamentos e navios. A dificuldade vai ser outra, é que nós temos de ser capazes de produzir com prazo e qualidade esses navios, plataformas. Vamos ter de dar conta. Nesse Campo de Libra, só para terem uma ideia, de plataforma está entre 12 a 16 plataformas. Isso significa que teremos demandas extras (...) Não há a menor, mas a menor possibilidade de não haver empregos na indústria naval do Brasil. Quero dizer para vocês, é o meu compromisso com vocês, eu vou zelar por isso, eu vou cuidar para que isso ocorra, vou brigar para que isso ocorra", disse.

Dilma Rousseff lembrou da luta para reerguer a indústria naval e afirmou que se hoje o Brasil tem uma das menores taxas de desemprego no mundo, com situação de quase pleno emprego, é porque várias indústrias foram retomadas, inclusive a indústria naval.

"A gente fica muito feliz quando vê uma coisa pela qual se lutou, que diziam que não era possível, que falavam que eu e a Graça Foster estavam doidas. Quando começamos um processo de discussão sobre produzir no Brasil aquilo que fosse possível, principalmente sobre a indústria naval. Era 2003, nunca canso de contar isso. Era ministra de Minas e Energia do Lula. A Graça era secretária de Gás e Petróleo. A nós duas foi dada a tarefa de que tinha que construir plataforma no Brasil. É bom lembrar que naquele momento não tinha plataforma construída no Brasil. A indústria naval, que tinha sido uma indústria forte no Brasil, praticamente tinha desaparecido. Achávamos absurdo que não fosse possível construir plataforma e navio no Brasil".

Aos trabalhadores da P-58, a presidente citou a lei que garante recursos do petróleo para a educação e saúde e disse que eles, ao ajudar a tirar o petróleo do mar, também estão contribuindo para tornar a educação uma alavanca para o desenvolvimento do país.

"Educação é algo que pode transformar o nosso país. Isso vocês são responsáveis, porque são vocês que estão viabilizando que esse país possa usar essa imensa riqueza que é Libra para investir em educação. Digo isso porque acho que tá tudo ligado. O petróleo tem que ter conteúdo nacional. O petróleo tem de virar a maior força e crescimento para o Brasil, melhorar nossa balança comercial. Pode também transformar esse país em desenvolvido e que as pessoas tenham acesso ao conhecimento".

"Conclusão da P-58 mostra retomada da indústria naval brasileira"

Em entrevista para as rádios Bandeirantes AM e Cultura Riograndina, pela manhã, Dilma afirmou que a conclusão da plataforma P-58 é um exemplo do ressurgimento da indústria naval brasileira. A presidente lembrou que a indústria naval chegou a ter apenas dois mil trabalhadores em 2003 e que hoje o setor emprega 73 mil pessoas.

"A P-58 faz parte desse esforço que nós fizemos para mudar a questão do estaleiro. Essa é outra coisa que eu também sou apaixonada, estaleiro. Fomos player em 1982, aí acabou a indústria naval, ela foi praticamente destruída. Em 2003 tinham dois mil trabalhadores, hoje tem 73 mil trabalhadores, cada plataforma emprega em torno de cinco mil trabalhadores", disse.

Dilma foi a Rio Grande (RS) para visitar as obras de construção dos cascos das plataformas P-66 e P-67 e para participar da cerimônia de conclusão da P-58. A plataforma vai produzir diariamente 180 mil barris de petróleo e 6 milhões de metros cúbicos de gás. A P-58 será instalada no Campo de Baleia Azul, na Bacia de Campos, a cerca de 85 quilômetros da costa do Espírito Santo, em águas com profundidade de 1.400 metros. Ela será ligada a 9 poços injetores de água e a 15 poços produtores por meio de 250 quilômetros de dutos flexíveis, que conduzirão o óleo até a plataforma.

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
 
Omega Tecnologia