Notícias
 
Manifestações fracassam e Brasília tem 7 de Setembro esvaziado
O tradicional Grito dos Excluídos, que convive há quase duas décadas com os desfiles cívicos, ficou prejudicado
09/09/2013




As manifestações convocadas pela oposição e por grupos de extrema direita para o 7 de Setembro na capital federal, com amplo apoio da imprensa, fracassaram ao não conseguir reunir um público nem dez vezes menor do que o esperado. E o forte aparato policial reprimiu os cerca de dois mil manifestantes que foram à Esplanada dos Ministérios. Fora dali, duas ações isoladas conseguiram passar seu recado: o protesto dos jovens socialistas contra a guerra à Síria, e a manifestação de grupos ‘black blocs’ contra a TV Globo. 

As manifestações convocadas pela oposição e por grupos de extrema direita para o 7 de Setembro na capital federal, com amplo apoio da imprensa, fracassaram ao não conseguir reunir um público nem dez vezes menor do que o esperado pelos organizadores e alardeado pela mídia. O desfile cívico, que historicamente reúne cerca de 30 mil expectadores, não contou com mais de 5 mil, conforme cálculos da Polícia Militar. Os manifestantes foram cerca de 2 mil, contra os 50 mil anunciados.

Até mesmo o tradicional Grito dos Excluídos, que convive há quase duas décadas com os desfiles cívicos, ficou prejudicado pela pulverização dos novos atores na Esplanada dos Ministérios. Parte se concentrou pela manhã, na Catedral, com o objetivo de acessar a área do desfile. Outra parte se reuniu na rodoviária, à tarde, com o propósito de chegar ao estádio Mané Garrincha, onde as seleções de Brasil e Austrália realizavam um amistoso. Mas a forte repressão policial impediu a ambos de se deslocarem para essas áreas.

Mesmo em número muito superior, os 6 mil policiais destacados para conter as manifestações não economizaram em bombas de efeito moral, gás de pimenta, gás lacrimogênio e balas de borracha para impedir o acesso dos manifestantes ao estádio e, depois, ao congresso, os dois principal alvos dos protestos, que pediam, principalmente, o fim da corrupção e auditoria nos gastos da copa. No final da tarde, a Polícia registrou um saldo de 39 presos, principalmente por desacato à autoridade, todos eles liberados em seguida.

Segundo a Polícia, apenas um uma pessoa ficou ferida, o fotógrafo da agência Reuters que tropeçou durante a cobertura e torceu o tornozelo. Jornalistas de diversos veículos de comunicação, porém, denunciaram o abuso policial na utilização das chamadas “armas não letais”: foram vários episódios de profissionais intoxicados com gás. As imagens de confronto também deixam claro que o número deve ser bem maior.

As duas ações pontuais que conseguiram acessar os alvos a que se propunham foram realizadas fora da Esplanada dos Ministérios. Em frente à embaixada dos Estados Unidos, a União da Juventude Socialista promoveu um protesto contra a guerra à Síria e contra a espionagem norte-americana. Na Asa Norte, grupos black blocs protestaram contra a TV Globo, arremessando pedras e tinta preta contra a sede da emissora. As pedras também foram direcionadas a três concessionárias de automóveis e dois shoppings da região.

Ausências ilustres

Além do público tradicional e dos manifestantes esperados, também não apareceram aos desfiles os presidentes da Câmara, Henrique Alves, e do Congresso, Renan Calheiros. A presidenta Dilma Rousseff circulou em carro aberto, sem o registro de nenhuma intercorrência, nem mesmo vaias. Assistiu a parada ao lado do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, na arquibancada que impressionava pela ausência de público.

 

Fonte: Carta Maior - Por Najla Passos, de Brasília

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia