Notícias
 
Doenças de pele afetam mais os trabalhadores na construção, limpeza e metalurgia
Conforme pesquisa da Fiocruz, trabalhador é penalizado pelo desconhecimento das doenças ocupacionais pelos serviços de saúde
17/07/2013


Os profissionais que atuam nas áreas de limpeza, construção civil, mecânica e metalurgia são os mais afetados pela dermatite de contato ocupacional, uma espécie de alergia de pele causada por agentes físicos, químicos e biológicos presentes no ambiente de trabalho, que causa desconforto, dor, prurido (coceira), queimação e reações psicossomáticas que podem comprometer a saúde como um todo.

Dos 1.735 pacientes atendidos entre 2000 e 2011 no Serviço de Dermatologia Ocupacional da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, vinculada à Fiocruz, 218 adquiriram a doença no ambiente de trabalho.

Segundo a coordenadora do serviço, Maria das Graças Mota Melo, as ocorrências ocupacionais são subnotificadas devido ao desconhecimento sobre a legislação das doenças ocupacionais pelos profissionais de saúde da rede pública e privada, a falta de integração nos diversos níveis de assistência e o déficit de serviços de dermatologia ocupacional. "Quem acaba sendo penalizado é o trabalhador, que não tem seus direitos reconhecidos”, disse a pesquisadora.

De acordo com a coordenadora, os profissionais chegam com suspeita de dermatose ocupacional, que é investigada. "Nos casos suspeitos aplicamos teste de contato para detectar a causa da alergia. A partir daí, o trabalho consiste em desvendar se essa alergia foi desenvolvida no exercício da atividade, e se estabelecer um nexo causal entre a doença e sua obtenção durante esse período."

De acordo com a especialista, que também coordena o Departamento de Alergia/Imunologia da regional Rio de Janeiro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, os casos são mais comuns entre os homens, a partir dos 41 anos de idade. As partes do corpo mais acometidas são as mãos, antebraços, braços e punhos, pernas e coxas e os pés.

“Encontramos variações nos grupos profissionais de acordo com gênero. Nos homens, por exemplo, o grupo mais afetado está relacionado à construção civil e mecânica/metalurgia, enquanto, nas mulheres, a maioria dos casos foi observada nas profissionais de limpeza. As seis profissões mais frequentes estavam relacionadas a trabalho em ambiente úmido", afirmou a pesquisadora.

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia