Notícias
 
Brasil vai questionar EUA e empresas sobre espionagem
A presidente Dilma reagiu com dureza à informação de que os EUA monitoraram milhões de telefonemas e mensagens eletrônicas no Brasil
08/07/2013


A presidente Dilma Rousseff reagiu com dureza à informação de que os Estados Unidos monitoraram milhões de telefonemas e mensagens eletrônicas no Brasil. Ela convocou uma reunião na manhã de ontem com um grupo de ministros, no Palácio da Alvorada, e deu a ordem de "bater pesado" na resposta à denúncia de que a Agência Nacional de Segurança (NSA), órgão do governo americano responsável por operações de vigilância nas redes de telefonia e de internet, espionou empresas e cidadãos brasileiros, divulgada na edição de ontem do "O Globo".

No plano internacional, a ação determinada por Dilma passa por duas frentes. Uma é cobrar explicações do embaixador americano em Brasília, Thomas Shannon, enquanto a embaixada do Brasil adota a mesma postura em Washington. Outra ação é levar às Nações Unidas a discussão sobre o aperfeiçoamento da segurança cibernética e a privacidade no uso da rede. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, sublinhou que é preciso tratar "imediatamente" questões como a governança da internet - hoje seu controle técnico é feito por um órgão vinculado à Casa Branca.

Além disso, o ministro considera necessário discutir o armazenamento de mensagens por empresas como Google e Facebook, por temer que os dados acabem sendo repassados ao governo americano. "A situação mudou de gravidade", afirmou Bernardo, referindo-se à espionagem eletrônica divulgada pelo técnico em computação Edward Snowden, que agora mostrou a suposta interferência no Brasil.

No plano doméstico, a intenção do governo é acelerar a tramitação de projetos que aumentam a proteção legal dos usuários. "Vamos dar prioridade à aprovação do Marco Civil da Internet", disse o ministro. O texto, que aguarda votação na Câmara dos Deputados, lida com questões polêmicas, incluindo a guarda dos registros de conexão. Também pode sair do Ministério da Justiça, segundo Bernardo, o Projeto de Lei de Proteção dos Dados Individuais. "Nós temos uma legislação aperfeiçoada para proteger o sigilo postal e o sigilo telefônico, mas não o de internet."

O governo pretende ainda interpelar empresas sediadas no Brasil para saber se elas têm parcerias, diretas ou indiretas, que permitem a obtenção de dados pela agência americana. "Se há empresas brasileiras envolvidas de qualquer forma, isso configura crime, infringe a lei e a Constituição", ressaltou Bernardo. Ele não descartou o uso da Polícia Federal para averiguações nas companhias. "É muito grave o que está acontecendo. A internet sempre foi entendida como um ambiente de liberdade. De repente ela se torna um instrumento de controle do Estado sobre o cidadão. Evidentemente não podemos aceitar isso", concluiu.

 



Fonte: Valor Econômico

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia