Notícias
 
Contraf-CUT considera “desastre econômico e social” aumentar Selic e condena terrorismo dos bancos
Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro entende que o Copom mais uma vez cedeu à chantagem dos rentistas e especuladores do mercado financeiro
31/05/2013




A Contraf-CUT considera um grande equívoco a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de elevar a taxa básica de juros em mais 0,5%, tomada no mesmo dia do anúncio do crescimento pífio de 0,6% do PIB no primeiro trimestre, e condena com veemência o verdadeiro terrorismo que o mercado financeiro vem exercendo sobre o Banco Central para que encampe seus interesses.

"A elevação da Selic pela segunda vez consecutiva no ano é um desastre do ponto de vista econômico e social. Não existe a ameaça de descontrole inflacionário e vai frear ainda mais o ritmo do crescimento econômico, a expansão do crédito, o fortalecimento da produção e do consumo e a geração de empregos", critica Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT. "O Copom mais uma vez cedeu à chantagem dos rentistas e especuladores do mercado financeiro, os únicos que ganham com essa decisão."

Na avaliação de Cordeiro, "ao contrário do que induz a campanha terrorista do mercado financeiro, a inflação não está fora de controle. Desde 2004 as taxas inflacionárias vêm se mantendo dentro do sistema de metas e não há agora nenhum excesso de demanda. Ao contrário, todos os indicadores apontam para a redução do consumo das famílias".

A inflação brasileira continua acima do centro da meta, segundo o presidente da Contraf-CUT, em razão de uma série de outros fatores, entre eles a alta dos preços de produtos agrícolas no mercado internacional, a indexação dos contratos administrados como aluguéis e energia e as tarifas públicas.

"Como não há excesso de demanda, aumentar os juros não resolve o problema da inflação. Só vai contribuir para o Brasil crescer menos, gerar menos emprego, aumentar o ganho dos rentistas e aprofundar a concentração de renda no país, que já é um dos 12 mais desiguais do planeta, apesar de ser a sexta maior economia mundial. O Brasil precisa de juros menores para transformar crescimento em desenvolvimento econômico", afirma Carlos Cordeiro.

A Contraf-CUT defende alteração na missão do Banco Central, que deve, além das metas de inflação, definir também metas sociais como a geração de emprego e renda e a redução das desigualdades sociais.

 

Fonte: Contraf-CUT

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia