Notícias
 
"Não acreditem nos boatos", pede Dilma sobre o Bolsa Família
A presidenta classificou como ‘desumana’ e ‘criminosa’ a falsa notícia sobre o fim do programa, espalhada no último sábado (18), e informou que a Polícia Federal vai investigar o caso
21/05/2013


A presidenta Dilma Rousseff pediu hoje (20), na cerimônia que marcou o início da operação do navio petroleiro Zumbi dos Palmares, em Ipojuca (PE), que os brasileiros não acreditem nos pessimistas. "Não acreditem nos boatos.” O apelo remete à falsa notícia espalhada no último sábado (18), dando conta que o governo federal deixaria de pagar o benefício do Bolsa Família. O boato levou milhares de pessoas às agências da Caixa Econômica Federal, principalmente no Nordeste. 

“O compromisso do governo com o Bolsa Família é forte, profundo e definitivo. Nós não abriremos mão”, disse a presidenta. “Nós temos muito orgulho de ter conseguido que todos esses 36 milhões de brasileiros recebam o mínimo de renda e quero dizer para vocês que esse dinheiro do governo é sagrado. Nós iremos garantir sempre esse recurso, enquanto for necessário e enquanto tiver algum brasileiro vivendo abaixo da linha da pobreza.”

Dilma classificou o boato como “criminoso” e “desumano”. “Por isso, colocamos a Polícia Federal para descobrir a origem de um boato que tinha por objetivo levar a intranquilidade para milhões de brasileiros que nos últimos dez anos estão saindo da pobreza”, disse, durante inauguração do petroleiro Zumbi dos Palmares, no estaleiro Atlântico Sul.

Indústria naval

A presidenta afirmou que a indústria naval vai crescer no Brasil nos próximos anos, assim como a extração de petróleo. “Não queremos só ser um produtor de petróleo e gás, mas de plataformas, navios e equipamentos”, disse. “Essa indústria é uma indústria em crescimento acelerado. Hoje soma quase 400 obras. Temos a terceira maior carteira de encomenda de petroleiros do mundo. Tem a vontade política do governo brasileiro de transformar o nosso país em uma grande nação.”

Segundo Dilma, o Brasil chegou a ser a segunda potência naval do mundo nos anos 1980, mas foi achatada pelas políticas neoliberais da década seguinte, “que tinha destruído a indústria naval e reduzido seu número de trabalhadores a 2 mil (hoje são 54 mil), que basicamente faziam a manutenção e não construíam mais.”

“Naquela época, em 2003 (quando o ex-presidente Lula assumiu seu primeiro mandato), diziam para nós que o Brasil não conseguiria construir navios. Insistiam sistematicamente na nossa incapacidade”, disse. “Nós sabíamos que era fundamental a capacidade de construir navios como este, de porte grande. Por isso, a preocupação do governo é produzir aqui, senão íamos importar navios e exportar empregos. Muito felizes ficariam os países da indústria naval que, ao contrário de nós, sobreviveram aos anos 1980 e 1990.”

Dilma afirmou que a indústria naval está crescendo de forma descentralizada, para além do pólo de Pernambuco. “Temos outro pólo na Bahia e um pólo no Espírito Santo. Hoje a indústria naval brasileira perpassa todos esses estados e regiões e leva desenvolvimento para todos eles.”

 

Fonte: Rede Brasil Atual

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia