Notícias
 
Justiça acaba com "jornada móvel" no McDonalds e aplica multa de R$ 7,5 milhões
Medida beneficia 42 mil trabalhadores da rede que não tinham horários fixos de entrada e saída
22/03/2013


A empresa Arcos Dourados, que administra 640 restaurantes da rede McDonald’s no Brasil (75% do total), será obrigada a acabar com a jornada móvel variável em todos os restaurantes do país até o final do ano, acatando acordo firmado ontem (21), entre a empresa e o Ministério Público do Trabalho, em audiência judicial na 11ª Vara do Trabalho de Recife. O acordo também estipula pagamento de indenização por dano moral coletivo, de R$ 7,5 milhões.

A medida deve beneficiar 42 mil trabalhadores da rede. De acordo com cronograma definido na reunião, 90% das franquias devem estar regularizadas até o final do ano. Com a sentença, a empresa deverá acabar com a jornada móvel variável em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, onde outras sentenças judiciais já tinham permitido que a rede implantasse esse esquema de trabalho.

Em nota, a Arcos Dourados informou que “adota jornadas de trabalho legais, sem qualquer violação ao direito trabalhista de seus funcionários, com pagamento de pisos salariais estabelecidos pelos sindicatos de cada cidade” e disse que “aceita modificar esse procedimento em prazos tecnicamente viáveis”.

Além do fim da jornada móvel variável – que não estipula um horário fixo de entrada e saída – os trabalhadores terão autorização para se ausentarem do restaurante no intervalo para o almoço, receberão adicional noturno e terão direito a descanso de no mínimo onze horas entre o fim de uma jornada e o começo de outra.

Refeição

A permissão para que os funcionários possam levar de casa comida para os restaurantes, garantida em liminar no último dia 18, ficará suspensa por 60 dias. Isso porque a empresa alegou que mudou o cardápio, deixando de oferecer apenas os lanches vendidos nos restaurantes e que, segundo laudo técnico, existe chance de contaminação dos produtos da loja por alimentos levados de fora. Nesse período, o MPT vai analisar os documentos apresentados pela empresa.

De acordo com a assessoria de imprensa da Arcos Dourados, o cardápio das refeições oferecidas aos funcionários foi alterado, “com opções diversas de pratos balanceados e desenvolvidos por nutricionistas. Os funcionários da companhia, através de pesquisas de satisfação, participaram do processo de escolha dessas novas refeições”.

Indenização e salário mínimo

O valor da indenização a ser paga por danos morais, fixada pelo ministério em R$ 50 milhões, acabou negociada em R$ 7,5 milhões. Do montante, R$ 1,5 milhão serão divididos em três partes iguais e cada parcela de R$ 500 mil será destinada a projetos socioassistenciais de Pernambuco, Rio de Janeiro e Paraná, que possuem processos por irregularidades trabalhistas.

Os outros R$ 6 milhões serão destinados para um projeto nacional que visa promover respeito aos direitos trabalhistas. A multa por descumprimento do acordo será de R$ 2 mil por mês por trabalhador.

“Conseguimos acabar com essa prática danosa no Brasil, que a empresa pratica no mundo inteiro. A empresa precisa entender que tem de respeitar as leis brasileiras e isso foi garantido para os trabalhadores”, afirmou ao site do MPT o coordenador nacional de Combate às Fraudes nas Relações de Trabalho (Conafret), procurador José de Lima Ramos Pereira.

A Arcos Dourados e o MPT não chegaram a um acordo sobre o pagamento de salário-mínimo aos trabalhadores, que era pleiteada pelo órgão. A empresa, baseada em entendimento do Tribunal Superior do Trabalho (TST), não abriu mão do pagamento do salário por hora. O caso será encaminhado para a Justiça do Trabalho.

“Não podemos ter um trabalhador recebendo menos que isso [um salário mínimo]. Vamos recorrer a todas as instâncias possíveis”, disse o procurador do Trabalho Leonardo Mendonça, autor da ação civil pública contra a empresa, também ao site do MPT.

A empresa informou, em nota, que cumpre “rigorosamente” as leis trabalhistas e “realiza o pagamento de todas as horas em que o funcionário está à disposição no restaurante”. Segundo o texto, a Arcos Dourados foi uma das primeiras a adotar o ponto eletrônico biométrico no Brasil, que registra todo o período de trabalho dos funcionários.

 


Por: Sarah Fernandes, da Rede Brasil Atual

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia