Notícias
 
Elevado superávit primário e ajuste fiscal vão na contramão do fortalecimento do mercado interno
Agravamento da crise exige ações mais ousadas, defende nova direção
09/08/2012


A nova Executiva Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT) reuniu-se pela primeira vez nesta terça-feira (7), em São Paulo, afirmando em alto e bom som que o agravamento da crise econômica nos países capitalistas centrais “exige ações mais ousadas para o fortalecimento do mercado interno e para os investimentos produtivos”.

Na avaliação da Central, se as medidas anti-crise que o governo Dilma vem implementando têm contribuído para que o Brasil não tenha o mesmo trágico destino dos países europeus e dos Estados Unidos, elas “são insuficientes para a sustentabilidade do desenvolvimento”. Ainda mais, “se forem mantidos os elevados níveis de superávit primário combinado com o ajuste fiscal, medidas que vão na contramão do crescimento”. A CUT também reitera “a necessidade de que todos os financiamentos públicos sejam acompanhados por contrapartidas sociais, garantindo empregos, salários e direitos”, uma vez que parcela considerável dos empreendimentos bancados pelo BNDES, a exemplo da construção da maior fábrica do mundo de celulose, em Três Lagoas-MS, estão marcados pelo desrespeito aos direitos mais elementares dos trabalhadores.

VALORIZAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO

Presidente da CUT, o bancário Vagner Freitas, reafirmou que a entidade está mobilizada ao lado dos professores e servidores federais na luta por aumentos reais de salário e valorização das carreiras, enfatizando que o protagonismo do Estado é chave para fomentar o crescimento econômico e a justiça social. De acordo com Vagner, na Conferência Nacional do Emprego e Trabalho Decente, que será realizada de 8 a 11 de agosto, em Brasília, os cutistas voltarão a pautar a necessidade dos governos atenderem as reivindicações de categorias que buscam melhorias concretas, que vão impactar positivamente não só na melhoria da qualidade dos serviços, mas da própria economia, à medida que aquecerão o mercado interno com o aumento do consumo.
Secretário geral da CUT, o metalúrgico Sérgio Nobre, conclamou a todos e todas para que se empenhem ainda mais neste momento eleitoral, de intensa disputa de projetos com a reação conservadora, para que a CUT cumpra o seu papel na defesa dos interesses imediatos e históricos da classe trabalhadora na luta pela transformação da sociedade brasileira rumo à democracia e ao socialismo.
A Executiva Nacional também convocou as CUTs estaduais e Ramos para que redobrem o apoio às mobilizações dos servidores federais que serão realizadas entre 13 e 17 de agosto. “Reafirmamos nosso repúdio ao Decreto Federal 7777, que prevê a substituição dos servidores públicos federais em greve por servidores estaduais e municipais, e reivindicamos sua revogação”, declarou Vagner, alertando que a medida atropela a construção do diálogo e a própria Convenção 151 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), aprovada pelo Congresso Nacional. A Central entrará com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a absurda medida. “A paralisação dos servidores federais, em um processo que se agrava após mais de um mês de paralisação, se mantém pela não existência de diálogo e de negociação por parte do governo federal. Reiteramos a importância da implantação de uma política salarial e valorização das carreiras para a melhoria crescente da qualidade do serviço público prestado à população e para o próprio desenvolvimento nacional, com distribuição de renda e garantia de direitos”, ressaltou o presidente cutista.
Responsável pelo setor público e secretário adjunto de Relações do Trabalho da CUT Nacional, Pedro Armengol lembrou que a proposta do governo federal está “muito abaixo da reposição das perdas inflacionárias, representando um arrocho salarial”. “Como tivemos o último reajuste em 2009, os cálculos é para repor as perdas e projetar uma negociação para os próximos três anos, precisamos um mínimo de 25,71%”, acrescentou Armengol, que fez um minucioso relato sobre a situação do conjunto do funcionalismo.
O fato, frisou João Felício, secretário de Relações Internacionais da CUT, é que “falta agilidade e jogo de cintura do governo”. Sem reajuste, lembrou, “o que teve de aumento real durante o governo Lula vira pó. Está faltando sensibilidade social”. “Infelizmente o governo está fazendo cara de paisagem. Com essa política, o governo retomou a pauta da crise. O governo está interiorizando a crise”, acrescentou Expedito Solaney, secretário de Políticas Sociais da CUT.

DEMOCRATIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

Na avaliação da Executiva Nacional da CUT, o momento é de oxigenar o debate sobre a democracia na sociedade, elevando o tom em defesa da verdadeira liberdade de expressão. Para a Central, “a luta pela democratização da comunicação tem caráter estratégico na atual conjuntura, na disputa de hegemonia e na afirmação da pauta da classe trabalhadora, em contraposição aos grandes conglomerados de mídia”.
Para Rosane Bertotti, secretária nacional de Comunicação da CUT e coordenadora geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), o envolvimento das CUTs estaduais e dos Ramos será fundamental para potencializar o debate, construindo e fortalecendo instrumentos próprios, articulando com os demais movimentos sociais. “Vamos ampliar a pressão para garantir que o governo envie a consulta pública sobre o novo marco regulatório das comunicações. Precisamos envolver e mobilizar a sociedade, a fim de garantir que todos tenham voz”, frisou Rosane.

REFORMA AGRÁRIA E AGRICULTURA FAMILIAR
Cumprindo as deliberações do Plano de lutas aprovado no 11º CONCUT, a Central desenvolverá uma ampla agenda de mobilizações em conjunto com os movimentos sociais neste segundo semestre, apoiando a Marcha pela Reforma Agrária - de 20 a 22 de agosto – que defenderá políticas públicas para o fortalecimento da agricultura familiar. “Contag, Fetraf, Via Campesina, os movimentos do campo estão unidos para ampliar a pressão política por mais recursos para a agricultura familiar”, asseverou Jasseir Fernandes, secretário de Meio Ambiente da CUT.

TOD@S À BRASÍLIA NO 5 DE SETEMBRO
A Executiva Nacional decidiu convocar o conjunto dos trabalhadores/as urbanos e rurais para ir a Brasília somar-se à Marcha da Educação, em defesa dos 10% do PIB para a educação, e ocupar o Congresso Nacional em defesa da Previdência pública e solidária, pelo fim do fator previdenciário e contra a idade mínima. Entre outros pontos, a Central vai exigir o fim da rotatividade no trabalho, a ratificação da Convenção 158 da OIT e a regulamentação da Convenção 151. “Estaremos mobilizados na capital federal contra a precarização, combatendo a terceirização, lutando pela igualdade de direitos, pela redução da jornada de trabalho sem redução dos salários, demonstrando que o caminho para o crescimento se faz com mobilização e luta por mais empregos e melhores salários, por mais investimentos em políticas públicas”, acrescentou Vagner.

PARTICIPAÇÃO DE RUI FALCÃO
A reunião contou com a análise de conjuntura feita pelo presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Rui Falcão, que destacou o papel do Brasil no cenário mundial, onde o governo se sobressai por fazer um contraponto ao receituário neoliberal ditado pelos interesses do sistema financeiro. “O governo entende que é preciso reforçar os investimentos para fazer a economia girar. A cobrança feita pela CUT ajuda na afirmação deste caminho”, acrescentou.
Citando a relevância política e econômica para a integração latino-americana do recente ingresso da Venezuela no Mercosul, o dirigente petista denunciou como determinados setores da mídia agem para desinformar sobre algo que é um avanço para o Continente e para o país. “Entre outras conquistas, temos um saldo favorável de quase US$ 3 bilhões com a Venezuela, decuplicamos as relações comerciais com o país vizinho nos últimos anos”, declarou Rui Falcão, citando uma visão comum de desenvolvimento sustentável e de que a centralidade de um sistema social justo deve estar no ser humano.
Em contraposição a este avanço, Rui Falcão denunciou o golpe ocorrido no Paraguai com a deposição do presidente Fernando Lugo, alertando para a necessidade das forças progressistas se manterem unidas, mobilizadas e vigilantes. “O que deu a justificativa para o golpe foi um confronto no interior do país onde morreram vários militares e camponeses. As evidências apontam que houve intervenção externa, intervenção da CIA. As balas que perfuraram os coletes à prova de bala dos soldados eram de armas que não podiam ser dos camponeses”, relatou.
A mesma intervenção externa, disse, por trás das agressões à Líbia e à Síria, “esta é a dominação que o imperialismo exerce”.
“A vinda do Rui Falcão para fazer a análise de conjuntura da reunião, em meio de uma agenda tão concorrida diante da disputa eleitoral, demonstra que a CUT é um ator ativo decisivo no debate sobre o projeto nacional de desenvolvimento”, declarou o presidente Vagner Freitas. Segundo o dirigente, “a disposição dos cutistas é contribuir para que o governo Dilma caminhe cada vez mais no rumo do desenvolvimento, em direção aos interesses dos trabalhadores”. “Sabemos que o partido tem um papel, assim como o governo e a Central. Queremos fortalecer a interlocução com os distintos atores para que possamos influenciar na tomada de decisões e ajudar na melhoria do país”, concluiu Vagner.

 

 

Fonte: CUT

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia