Notícias
 
Votação sobre fim do Fator Previdenciário será em outubro, afirma Marco Maia
Promessa foi feita após deputado receber documento da CUT com várias reivindicações da classe trabalhadora
06/09/2012


Promessa foi feita após deputado receber documento da CUT com várias reivindicações da classe trabalhadora


Durante a audiência com dirigentes da CUT, realizada nesta quarta-feira, 5 de setembro, na Câmara Federal, após a grande marcha do Dia Nacional de Mobilização, o ex-dirigente sindical metalúrgico gaúcho e atual presidente da Câmara Federal, deputado federal Marco Maia (PT-RS), anunciou que o fim do Fator Previdenciário, mecanismo de arrocho das aposentadorias instituído pelo (des)governo FHC, será finalmente colocado em votação no mês de outubro. O parlamentar disse que o Legislativo está atento, colocando em votação importantes projetos da classe trabalhadora, como, por exemplo, a recente aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Trabalho Escravo, que contou com forte oposição da bancada ruralista. “A atuação dos movimentos sociais foi fundamental para garantir a efetivação da proposta”, disse.

Além do famigerado fator, a comissão formada entre outros pelos dirigentes sindicais metalúrgicos de Porto Alegre, Claudir Nespolo, atual presidente da CUT-RS, e Marcelo Jurandir da Silva, diretor de Comunicação do Stimepa, reivindicou o urgente destravamento de pontos essenciais que hoje tramitam no Legislativo. “Não aceitamos o aumento da idade mínima para a aposentadoria e questionamos a política de desoneração da contribuição patronal na folha de pagamentos, por não garantir o equilíbrio da Previdência Pública e Solidária e não exigir contrapartidas, metas de geração de emprego e não demissão dos trabalhadores”, explicou Vagner Freitas, presidente nacional da CUT. Freitas também reforçou outras reivindicações contidas no documento entregue ao presidente da Câmara, como a destinação de 10% do PIB para a educação, a regulamentação da negociação coletiva no serviço público, o combate à precarização e a defesa da reforma agrária e do trabalho decente.

O documento apresentado pela CUT ao presidente da Câmara e a várias lideranças partidárias apresenta as seguintes reivindicações:

Educação
A CUT reivindica que 10% do PIB sejam destinados à educação e a aprovação do Plano Nacional da Educação, bem como a aplicação imediata, no âmbito de Estados e Municípios, da Lei de Piso do Magistério.

Previdência
A CUT exige o fim do fator previdenciário e não aceita o aumento da idade mínima para a aposentadoria. Questiona a política de desoneração da contribuição patronal na folha de pagamentos, por não garantir o equilíbrio da Previdência Pública e Solidária e não exigir contrapartidas, metas de geração de emprego e não demissão dos trabalhadores.

Serviço público
A CUT considera o Decreto 7.777 um atentado ao direito de greve e sua aplicação por parte do governo uma flagrante conduta antissindical. Exige sua imediata revogação. Reivindica a regulamentação da negociação coletiva no serviço público e da Convenção 151 da OIT.

Valorização do trabalho
A CUT quer a inclusão da Agenda do Trabalho Decente na pauta de debates. Reivindica a aprovação, em regime de urgência, da convenção 158 da OIT; reivindica ainda medidas para inibir a precarização das relações de trabalho, a aprovação da PEC 57/99, da PEC 231/95, que reduz a jornada de trabalho para 40 horas, a isenção do imposto de renda sobre a PLR, a aprovação do PL de Igualdade entre homens e mulheres no trabalho (PL 4857/2009) e a equiparação dos trabalhadores(as) domésticos(as) aos demais trabalhadores(as).

Terceirização
A CUT se posiciona contra a aprovação do substitutivo ao PL 4330, de autoria do Deputado Roberto Santiago e em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça. Cobra a sua rejeição por parte dos parlamentares. Ao mesmo tempo, aguarda um posicionamento firme do Governo Federal em defesa da valorização do trabalho, colocando em tramitação o Projeto de Lei construído pelas Centrais Sindicais junto com o Ministério do Trabalho e Emprego.

Reforma agrária
A CUT demanda do governo brasileiro uma ação mais consequente em relação à Reforma Agrária. Exige a punição severa daqueles que praticam a violência contra os trabalhadores, o fim do trabalho escravo e do trabalho infantil, o limite do tamanho da propriedade fundiária, maior agilidade nos processos de desapropriação de grandes propriedades improdutivas e o avanço de políticas públicas para fortalecer a agricultura familiar.

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia