Notícias
 
Ato da CUT-RS e centrais em frente ao Piratini defende lockdown pela vida
O protesto fez parte do “Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida, da Vacina, do Emprego e do Auxílio emergencial de R$ 600"
25/03/2021




A defesa de um lockdown pela vida marcou o ato simbólico da CUT-RS, centrais sindicais, CPERS e movimentos sociais, no final da manhã desta quarta-feira (24/03), em frente ao Palácio Piratini, no centro de Porto Alegre.

Usando máscaras de proteção, passando álcool em gel e respeitando o distanciamento sanitário, dirigentes sindicais e ativistas sociais denunciaram a política de morte do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL), as 300 mil mortes de brasileiros e brasileiras na pandemia do coronavírus, o colapso da saúde, a falta de vacinas para imunizar a população e a irresponsabilidade do governador Eduardo Leite (PSDB) e de vários prefeitos, como o de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB), que flexibilizaram as restrições da bandeira preta para vermelha, aumentando o risco de contaminação.

O protesto fez parte do “Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida, da Vacina, do Emprego e do Auxílio emergencial de R$ 600”, e ocorreu após manifestações em passarelas e viadutos na Capital e no Interior nas primeiras horas da manhã. Várias faixas e cartazes foram estendidos com dizeres de “vacina já para todos e todas”, “auxílio emergencial”, “lockdown já” e “Fora Bolsonaro”.

Governo genocida

Para o presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci, infelizmente estamos diante de um governo genocida que não está preocupado com a vida do trabalhador brasileiro. “Estamos aqui para afirmar o nosso posicionamento em defesa da vida e de vacina já para todos e todas”, afirmou.

Ele defendeu que somente com saúde será possível melhorar a situação econômica que estamos passando. “Não tem economia sem pessoas protegidas. Só com saúde e vida garantida. Teremos essa realidade com vacina, com auxílio emergencial de R$ 600, com serviço público valorizado e com emprego e renda”, disse.

Não queremos mais mortes

Também participaram entidades que representam os trabalhadores e as trabalhadoras da educação, que conseguiram uma liminar que suspendeu as aulas presenciais na pandemia.

“Estamos aqui para dizer ao governador que é necessário fazer lockdown de 14 dias no estado. Todos os cientistas têm dito que para conter o vírus é preciso diminuir a circulação de pessoas”, enfatizou a presidente do CPERS Sindicato, Helenir Aguiar Schürer.

A professora ressaltou que o governo estadual precisa ouvir a voz dos trabalhadores e dos cientistas. “Pedimos para que Eduardo Leite escute a ciência e não os empresários”, disse. “Para os empresários, se um trabalhador morre, eles contratam outro. Nós não queremos mais mortes. Não é hora de abrir o comércio, é hora de parar o estado”, completou Helenir, preocupada com mais de 800 mil infectados e quase 18 mil mortes no RS em função da Covid-19.

“O governador precisa se mexer. Não é possível que continue confiando no calendário de imunização ao governo Bolsonaro. Ele também tem autorização para comprar vacinas e conter essa tragédia que se abate sobre os gaúchos”, cobrou Helenir.

O diretor da CUT-RS e do Sintrajufe-RS, Marcelo Carlini, criticou o descaso dos governos com os serviços públicos e a política nefasta de privatizações no auge da pandemia. Ele repudiou a aprovação da PEC 280, com os votos da bancada governista, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, que acaba com o plebiscito para vender a Corsan, o Banrisul e a Procergs.

“Quem quer privatizar a água e a energia do povo também é genocida. E é essa a proposta do governador para a Corsan e a CEEE”, comparou o dirigente sindical.

 

Fonte: CUT RS

 

 
Veja também
 
 
 
 
 
 
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Saúde
  Catálogo de Convênios e Parcerias
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos da Grande Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
De segunda à sexta, das 8h às 17h.
 
Omega Tecnologia