Notícias
 
Se o Brasil não tivesse perdido vacinas, mais pessoas já estariam imunizadas
Na contramão do mundo, governo do Brasil rejeita vacinas
10/03/2021




Cerca de 8,5 milhões de brasileiros já foram vacinados contra a covid-19 até esta segunda-feira (08/03). De acordo com os dados do consórcio de veículos de imprensa, ao menos uma dose de vacina foi aplicada em 8.497.929 de pessoas, o que significa apenas 4,01% da população do país. Com um número tão irrisório na imunização, é impossível não se perguntar por que o Brasil não tem vacinas. Em qualquer pesquisa rápida nos sites de buscas, serão encontradas notícias referentes a negligência do governo federal na vacinação contra o covid-19.

Em fevereiro, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas afirmou que o Ministério da Saúde ignorou uma oferta, feita em julho do ano passado, para o fornecimento de 160 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac. Recentemente, no começo de março, foi publicado pelo jornal Folha de São Paulo, que governo federal rejeitou em 2020 uma proposta da farmacêutica Pfizer que previa 70 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 até junho deste ano. A Pfizer fez a primeira oferta em 14 de agosto de 2020, e a proposta previa a entrega de 500 mil doses já em dezembro de 2020, e o restante dos 70 milhões até junho de 2021.

Somadas, são 230 milhões de doses da vacina que poderiam ter vindo para o povo brasileiro e isso não aconteceu por conta do descaso do governo federal, que desde o início da pandemia adotou uma postura negacionista, criticando a ciência e fazendo pouco caso dos números de doentes e de mortes, que está próximo dos 300 mil. Outro aspecto pertinente é a demora das entregas de vacinas, quando tem, e a morosidade na validação das imunizações.

O governador do RS, Eduardo Leite (PSDB) afirmou em entrevista ao RBS Notícias de segunda-feira (8), que a vacinação é prioridade, porém é necessário que o governo federal agilize as entregas das vacinas para os estados e municípios. De acordo com Leite, há editais que mostram a compra de 400 milhões de doses e mais 200 milhões que estariam em fase de negociação. Portanto, vacina teria, falta agilidade do governo federal.

Diante deste cenário, cheio de questionamentos: por que não tem vacina? Por que o governo recusou vacinas? Por que a demora na entrega das doses? Por que o processo de validação não é mais ágil? Por isso, a Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do RS (FTM-RS) e os sindicatos filiados, acreditam que é necessário e urgente ampliar o número de vacinas. A entidade segue atuando fortemente na defesa dos metalúrgicos gaúchos exigindo vacinação para todos e de forma gratuita. Por isso, a FTM-RS buscará dialogar com as entidades patronais para juntos, pressionar o governo estadual e os prefeitos para comprarem as vacinas ou insumos para produzir as mesmas.

 

Fonte: FTM-RS com informações da RBS Notícias, Isto é e UOL Notícias

 
Veja também
 
 
 
 
 
 
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Saúde
  Catálogo de Convênios e Parcerias
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos da Grande Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
De segunda à sexta, das 8h às 17h.
 
Omega Tecnologia