Notícias
 
CUT e centrais defendem auxílio de R$ 600, mas governo oferece só R$ 250
Sem proposta concreta para ajudar a aplacar a fome dos milhões de brasileiros na pobreza e extrema pobreza, Bolsonaro diz, em mais um capítulo da novela sem fim, que pode pagar auxílio de R$ 200 a R$ 250
15/02/2021


Marcelo Camargo/Agência Brasil


Cerca de dois milhões de brasileiros foram levados para a pobreza somente no último mês de janeiro, com o fim do auxílio emergencial , pago de abril a dezembro de 2020, em valores que variaram de R$ 600,00 a R$ 300,00 , chegando a R$ 1.200,00 para mães que sustentavam seus filhos sozinhas. Ao todo, 13% da população do país, ou 26 milhões de pessoas, estão sobrevivendo com uma renda per capita de apenas R$ 250,00 por mês.

Enquanto a fome bate à porta de milhões de famílias, o governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) bate cabeça e não consegue colocar de pé uma proposta para ajudar os desempregados e os desalentados e também contribuir para o país atravessar a crise econômica, agravada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O ministro da Economia, o banqueiro, Paulo Guedes, acenou com o pagamento de apenas três parcelas de R$ 200,00, para um novo benefício em troca de um ajuste fiscal, contido na Proposta de Emenda à Constituição (PEC), nº 32.

Agora num novo capítulo, como uma novela ruim e sem fim, Bolsonaro diz que talvez sejam pagos a partir de março deste ano, de três a quatro parcelas de R$ 250,00, para cerca de 32 milhões de pessoas, metade do público atingido com o último auxílio emergencial. Também devem ficar de fora os beneficiários do Programa Bolsa Família.

No entanto, a equipe econômica defende um valor decrescente, que comece com R$ 250,00 e depois passe para R$ 200, 00. Para a equipe de Paulo Guedes, o novo auxílio deve funcionar como uma “PEC de guerra”, para todos os momentos de excepcionalidade do país, estados e municípios, informa o blog da jornalista de economia, Maria Flor, no G1.

Embora os R$ 250,00 sejam um alento para quem não tem nada, não resolve o problema da fome no país. Por isso, que a CUT,demais centrais e partidos progressistas defendem um auxílio de R$ 600,00.

Para o economista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Eduardo Costa Pinto, qualquer contrapartida em troca do auxílio emergencial só é conveniente ao sistema financeiro e aos mais ricos.

Segundo ele, grandes bancos têm parte de suas riquezas em títulos do governo e, por isso, querem com o ajuste fiscal, a garantia de que não perderão dinheiro. Juntos os bancos Itaú e Bradesco detêm R$ 1 trilhão em títulos do governo.

“Bolsonaro quer pagar o auxílio em troca da popularidade, o Centrão [grupo político no Congresso, de apoio ao governo] quer em troca de possíveis votos no futuro, e o mercado financeiro só aceita o pagamento se houver um ajuste fiscal que garanta a manutenção de suas riquezas. Por isso, que essa ‘novela’ se arrasta, e povo pobre passa fome”, diz Costa Pinto.

Auxílio evitou tombo maior do Produto Interno Bruto (PIB)

O economista da UFRJ ressalta que foi graças ao auxílio emergencial que o Produto Interno Bruto (PIB) não levou um tombo ainda maior. A expectativa de setores econômicos é de uma queda entre 4% e 4,5% do PIB no ano passado. A divulgação do índice deve ser feita nos próximos dias pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Sem o auxílio emergencial, o tombo do PIB seria o dobro, em torno de 8%. Ele não só segurou o tombo da economia, como permitiu que os mais pobres melhorassem suas condições de vida. Num momento de pandemia, num contexto de desemprego altíssimo, não é hora nem de diminuir o valor do auxílio, muito menos cortá-lo como fez o governo federal”, alerta Costa Pinto.

De acordo com o professor, analistas preveem que a economia no primeiro trimestre deste ano já está perdida. O governo tenta voltar com o auxílio emergencial por que entendeu a necessidade do benefício para evitar uma desaceleração ainda maior da economia, diz.

“O auxílio emergencial deve ser mantido em escala maior, se o governo não quiser um tombo ainda maior na economia, e que milhões de famílias voltem para a extrema pobreza, aumente o desemprego e o desalento”, finaliza Costa Pinto.

 

Fonte: CUT Brasil

 
Veja também
 
 
 
 
 
 
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Saúde
  Catálogo de Convênios e Parcerias
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos da Grande Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
De segunda à sexta, das 8h às 17h.
 
Omega Tecnologia