Notícias
 
Prejuízo de 13% na Previdência privada reforça importância da aposentadoria pública
Previdência privada, que só dá lucro para banqueiro, deu prejuízos para os associados este ano. Para Ricardo Berzoini, é preciso defender a aposentadoria pública contra o modelo que Guedes quer implementar
26/08/2020


Alex Capuano


A Previdência privada tão defendida pelo ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, que insiste no modelo de capitalização da aposentadoria, em que o trabalhador contribui sozinho, sem a contrapartida da empresa, deu prejuízos para seus associados de quase 13%, revela entidade do setor, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

A confusão dos formatos desses planos é tamanha que existem 27 tipos de fundos da Previdência. Desses, oito tiveram variação negativa neste ano. O pior desempenho foi do “Fundo Previdência Ações Indexados”, com queda em sua rentabilidade nos últimos 12 meses, de -12,9%.

Perdidos na sopa de letrinhas e números, o trabalhador que não entende de Ibovespa, CDI, de renda fixa e outros tipos de aplicações, e acha que está protegendo o seu futuro, na verdade, está entrando numa canoa furada.

A desculpa do mercado financeiro para o baixo rendimento é a crise econômica aprofundada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Mas para o ex-ministro da Previdência do governo de Dilma Rousseff (PT), Ricardo Berzoini, só há uma explicação: a previdência privada só dá lucro para banqueiro, o trabalhador que se aventurar neste tipo de investimento terá prejuízos financeiros.

Berzoini conta que quando foi deputado federal, durante audiência especial na Câmara, questionou um banqueiro do Bradesco sobre o funcionamento da previdência privada da instituição e recebeu como resposta que toda vez que o cliente faz uma aplicação é cobrada uma taxa de 3 a 4%. Ou seja, de cada R$ 100,00 aplicados, o banco fica com R$ 3,00 ou R$ 4,00. Também havia taxas de “carregamento”, termo técnico usado pelo mercado financeiro que significa que todo ano é cobrado um percentual sobre o lucro eventual que a previdência privada possa ter dado.

"Conheço bem matemática financeira. Isto é um roubo aplicado sobre quem desconhece o assunto. Quem tem não tem dinheiro para se arriscar é melhor deixar na poupança" (Ricardo Berzoini).

Para o ex-ministro da Previdência, procurar o gerente do banco não vai adiantar, porque por mais bem intencionado que seja ele tem metas a bater e vai sugerir a capitalização, a mesma que matou de fome tantos chilenos que o governo daquele país está revendo o modelo e durante a pandemia foi obrigado a liberar um valor maior. “Os fundos privados especulam no mercado de ações ou de renda fixa e ao longo do tempo eles perdem valor”, afirma.

Berzoini defende que a melhor forma de proteger o trabalhador e a trabalhadora na sua velhice ou numa eventual incapacidade é a Previdência Pública. E é enfático ao defender o sistema de repartição até o teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), hoje em R$ 6.101,06. “O modelo solidário da Previdência pública para o trabalhador é a certeza que ele terá dinheiro para a comida, para pagar a conta de água. Hoje um jovem pode estar saudável e feliz, mas se ele se acidentar ou ficar doente não vai ter condições financeiras de se sustentar e, é para isso que serve a Previdência Pública”, afirma.

Buraco do caixa da Previdência é fictício

Para o ex-ministro, a equipe econômica do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) quer empurrar para o trabalhador a conta de déficits eventuais no caixa da Previdência provocados por oscilações econômicas e o desemprego.

"O buraco no caixa é fictício porque a Previdência não foi feita para dar lucro. Ela é um dos tripés da seguridade social composto também pela assistência e pela saúde. Previdência para trabalhador é política pública. O resto é conversa de banqueiro para enganar trabalhador" (Ricardo Berzoini).

Capitalização empobreceu aposentados dos EUA e Chile

Ricardo Berzoini diz que tanto nos Estados Unidos, meca do capitalismo, e no Chile, há casos de trabalhadores que se suicidaram ao perderem tudo o que pouparam durante a vida inteira em fundos de pensão privados. Outros perderam até 30% dos seus rendimentos.

O ex-ministro conta que a capitalização foi implantada no Chile na época que Paulo Guedes era estagiário de Milton Friedman (economista norte- americano liberal) durante o governo ditatorial do general Augusto Pinochet. Lá eles acabaram com a previdência pública local e a transformaram em capitalização sem contribuição patronal, as chamadas Administradoras de Fundos de Pensão (AFPs).

“Hoje há um movimento no Chile, o ‘No mas AFP’ para denunciar essas administradoras que simplesmente roubaram os trabalhadores de forma legalizada, pois o sistema defendido por Guedes, foi desenhado para enriquecer empresas”.

Já nos Estados Unidos existe a 401K, assim denominada por ser o número do artigo da Lei que regulamenta os planos de aposentadoria. Eles também investem em renda fixa e papéis de duvidosos que dão prejuízos porque dependem da confiança dos investidores. Em casos de crise financeira como a de 2008 e a provocada pela pandemia, o mercado dá sinais de desconfiança e o valor fica negativo.

“Isto provoca perdas para quem não pode perder, como é o caso do aposentado. Uma coisa é especulador que pode perder R$ 1 bilhão e continuar tomando uísque de 18 anos e comprando Porsche. Ele continuará rico. Outra coisa é o trabalhador que tem uma renda média de aposentadoria de R$ 2.300,00 tentar entender o mercado financeiro para saber onde deve investir”, critica.

"A gente precisa decidir pra onde quer ir, senão ficaremos como o Chile e os EUA, onde a conta é apresentada na doença e na velhice. O trabalhador brasileiro que não quiser se tornar um camelô ou mendigo após se aposentar, tem de defender a Previdência pública" (Ricardo Berzoini)

 

Fonte: CUT Brasil

 
Veja também
 
 
 
Canal WhatsApp
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
 
Omega Tecnologia