Notícias
 
Novo Fundeb viabiliza piso nacional dos professores, afirma Dieese
Além de virar permanente, fundo terá aumento dos repasses da União e vinculação de 70% para o pagamento de profissionais da educação
23/07/2020


Elza Fiúza/Agência Brasil


O novo Fundeb amplia, gradativamente, de 10% para 23% os repasses da União. Além disso, estabelece uma subvinculação de, no mínimo, 70% do fundo para pagamento dos salários dos profissionais da educação. Como resultado, vai permitir que estados e municípios cumpram com a lei que regulamenta o piso salarial dos professores.

“É o reconhecimento que educação se faz com professores”, afirmou o diretor técnico do Dieese, Fausto Augusto Junior. Em entrevista ao Jornal Brasil Atual nesta quinta-feira (23), ele lembrou que os professores recebem os menores salários entre as profissões com ensino superior.

Pela Lei 11.738/2008, que estabelece o piso do magistério, em 2020, nenhum professor do país pode receber remuneração inferior R$ 2.886,24, para jornada de quarenta horas semanais. No entanto, alguns estados e a maioria dos municípios não respeitam a legislação. Além da falta de recursos, a inexistência de punição também inibe o seu cumprimento.

O novo Fundeb foi aprovado na Câmara dos Deputados na última terça-feira (21), e ontem chegou ao Senado. Por outro lado, foi uma derrota para o governo Bolsonaro, que queria que os novos percentuais repassados pela União passassem a valer apenas a partir de 2022. A equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, também queria destinar parte dos recursos para a criação de um vale-creche que seria utilizado na rede particular.

CAQ

Outro fator que deve contribuir para a melhoria na qualidade da educação nos próximos anos, segundo Fausto, vai ser a inclusão na Constituição Federal do instrumento conhecido como Custo Aluno Qualidade (CAQ). Ou seja, graças a esse instrumento, previsto no Plano Nacional de Educação (PNE), o valor mínimo investido por aluno deve subir, ano a ano, até 2026, dos atuais R$ 3.700 para R$ 5.700.

O diretor do Dieese ressaltou, ainda, a aprovação do novo Fundeb como uma política de Estado, que transpassa governos. Ele se originou a partir do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef) criado em 1997, durante o governo Fernando Henrique. Posteriormente, em 2007, no governo Lula, foi ampliado para incluir os anos iniciais do ensino básico. Agora, deve se tornar permanente.

Além disso, Fausto também destacou o Fundeb como uma importante ferramenta para combater as desigualdades sociais e regionais do país. Segundo ele, o repasse da União “consegue colocar recursos nos municípios que mais precisam, nas escolas mais carentes”.

Assista ao vídeo 

 

Fonte: CUT Brasil

 
Veja também
 
 
 
Canal WhatsApp
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
 
Omega Tecnologia