Notícias
 
Cesta básica de Porto Alegre sobe 8,95% e atinge R$ 506,30 em 2019, aponta Dieese
A cesta mais cara entre as capitais analisadas foi a do Rio de Janeiro
10/01/2020




 Em 2019, a cesta básica de Porto Alegre registrou aumento de 8,95%, encerrando o ano com o valor de R$ 506,30. O preço subiu em 16 das 17 capitais brasileiras que são pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A única capital analisada em que o custo da cesta básica caiu foi Aracaju, onde o acumulado em 12 meses foi negativo (-1,89%).

Na capital gaúcha, em 12 meses, dos 13 produtos que compõem o conjunto de gêneros alimentícios essenciais, nove ficaram mais caros: a carne (31,65%), a banana (15,38%), a batata (10,13%), a manteiga (8,66%), o óleo de soja (6,07%), o arroz (5,62%), o açúcar (3,00%), o pão (1,00%) e o leite (0,70%). Por outro lado, quatro itens ficaram mais baratos: o tomate (-31,81%), o café (-7,57%), o feijão (-2,30%) e a farinha de trigo (-2,12%).

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente, revelou que as altas mais expressivas entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019 ocorreram em Vitória (23,64%), Goiânia (16,94%), Recife (15,63%) e Natal (12,41%). A menor alta foi em Salvador, onde o preço da cesta subiu 4,85%.

Considerando apenas o mês de dezembro, o preço da cesta básica subiu em todas as cidades. As maiores altas no mês foram identificadas em Goiânia (13,64%), Rio de Janeiro (13,51%) e Belo Horizonte (13,04%).

A cesta mais cara entre as capitais analisadas foi a do Rio de Janeiro, que custava, em média, R$ 516,91. Em seguida, vieram Florianópolis (R$ 511,70) e São Paulo (R$ 506,50). Os menores valores foram encontrados em Aracaju (R$ 351,97) e Salvador (R$ 360,51).

A alta no preço da cesta básica em dezembro foi puxada principalmente pela carne bovina, cujo valor subiu em todas as capitais. As altas da carne em novembro e dezembro variaram entre 13,08%, em Salvador, e 27,83%, no Rio de Janeiro.

Salário mínimo necessário: R$ 4.342,57​

Em dezembro, o valor da cesta básica representou 55,14% do salário mínimo líquido,
contra 49,43% em novembro de 2019 e 52,95% em dezembro de 2018. O trabalhador com rendimento de um salário mínimo necessitou, em dezembro, cumprir uma jornada de 111 horas e 37 minutos para adquirir os bens alimentícios básicos.

Segundo o Dieese, com base na cesta mais cara do país, o valor do salário mínimo em dezembro, necessário para suprir as despesas de um trabalhador e de sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, seria de R$ 4.342,57, ou 4,35 vezes o mínimo em vigor no ano passado (R$ 998).

Fonte: CUT-RS com Dieese e R7

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
 
Omega Tecnologia