Notícias
 
Renda mensal dos gaúchos cresce em ritmo inferior à média brasileira
IBGE aponta que, entre 2012 e 2018, o rendimento médio no Brasil evoluiu 4,5%, enquanto no Rio Grande do Sul subiu 2%
17/10/2019




 A renda mensal dos gaúchos está crescendo abaixo da média nacional. Essa é uma das constatações da nova edição da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (16).

Entre 2012, quando começou a série histórica, e 2018, o rendimento médio real (considerando a inflação e todas as fontes de ingressos) no Brasil, passou de R$ 2.072 a R$ 2.166, alta de 4,5%. No mesmo período, o salário mediano no Rio Grande do Sul evoluiu de R$ 2.393 para R$ 2.441 — incremento de 2%.

Economista e professor da Escola de Negócios da Pucrs, Ely José de Mattos destaca que a evolução tanto no Brasil como no Rio Grande do Sul é modesta no período analisado pelo IBGE. Mattos lembra que a recessão enfrentada pelo país nos últimos anos acabou pesando para que os ingressos médios subissem pouco. No caso gaúcho, a redução do nível de emprego industrial no Estado, que costuma gerar rendimentos superiores aos do comércio e dos serviços, é um fator que pode ter influenciado para o desempenho ser inferior ao nacional.

- Estamos todos abraçados em um cenário ruim, tanto Brasil como o Rio Grande do Sul. A renda média mensal no país cresceu mais que o dobro do Estado, mas 4,5% é um ganho muito pequeno para seis anos – pondera.

Na comparação de 2018 com o ano anterior, o desempenho do Estado piora. Ao mesmo tempo em que o brasileiro adicionou, em média, R$ 59 na renda frente a 2017, o gaúcho perdeu R$ 5. Ou seja, no Brasil o rendimento médio da população cresceu 2,8%, enquanto no Rio Grande do Sul registrou retração de 0,2%. Apesar da queda, o Estado segue dono da quarta maior média de renda do país, ficando atrás de Distrito Federal (R$ 3.908), São Paulo (R$ 2.841) e Rio de Janeiro (2.627).

— No ano passado, as duas posições de ocupação que tiveram maior queda de rendimento foram o emprego público com carteira assinada e os empregadores com CNPJ. Isso pode ter contribuído para a queda na renda em 2018 — sinaliza Walter de Souza, coordenador da Pnad Contínua no Estado.

O Rio Grande do Sul tem leve melhora no resultado ao se analisar apenas a renda obtida com trabalho — indicador que descarta aposentadorias, pensões, aluguéis e outros tipos de ganhos. Ainda assim, fica atrás dos números gerais do Brasil.

Neste sentido, os gaúchos tiveram ganho real de 2,6% entre 2012 e 2018, com o salário mensal médio indo de R$ 2.381 para R$ 2.444. No país, em igual período, a variação foi de R$ 2.133 a R$ 2.234, crescimento de 4,7%.

Fonte: Gaúcha ZH

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia