Notícias
 
Ao completar 66 anos nesta quinta, trabalhadores vão às ruas em defesa da Petrobras
220 mil trabalhadores da Petrobrás perderam seus empregos neste período
30/09/2019




 Em defesa da Petrobrás e das empresas públicas brasileiras, em diversos estados brasileiros, trabalhadores e trabalhadoras irão às ruas nesta quinta-feira, dia 3 de outubro, data em que se comemora 66 anos da estatal.

Organizada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), a mobilização em defesa da soberania, inicialmente seria só em Curitiba, onde o ex-presidente Lula é mantido preso político na sede da Superintendência da Polícia Federal. O ato na capital paranaense seria simbólico porque os petroleiros e as petroleiras reconhecem a importância de Lula para o fortalecimento da empresa. O ex-presidente foi o principal responsável pelos investimentos na Petrobras, que possibilitaram inclusive a descoberta do pré-sal.

A proposta inicial foi ampliada, depois que trabalhadores de outras estatais e representantes de movimentos sociais que formam as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e partidos de oposição que compõem Comitê pela Soberania decidiram realizar atos em várias cidades do Brasil, principalmente no Rio de Janeiro, onde está a sede da Petrobrás. Além do Rio e Curitiba, também serão realizados atos em São Paulo, Salvador e Belo Horizonte.

“Com este ato queremos chamar a atenção da sociedade para dizer o quanto é importante ter empresas públicas fortes para os brasileiros e para um país em desenvolvimento como o Brasil”, afirmou o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel.

A mobilização, segundo o dirigente, também servirá para alertar a população sobre os impactos em suas vidas que o programa de privatização do governo de Jair Bolsonaro (PSL), representa para cada brasileiro e brasileira. “Não estamos falando só de desemprego nas estatais e, sim, em toda a cadeira produtiva, além de riscos de acidentes e piora na prestação dos serviços, pois as empresas privadas só visam o lucro, e a alta nos preços”.

“Hoje, o brasileiro já paga caro pelos combustíveis, nossa gasolina é a segunda mais cara do mundo porque a política de preços é gerenciada pelo mercado internacional”, diz.

O que Bolsonaro quer vender e está atraindo o interesse das empresas do Brasil e do mundo é o filé mignon do patrimônio nacional, diz Rangel, que exemplifica: “As universidades públicas no país são disputadas porque têm qualidade. Nos Estados Unidos, os Correios são públicos porque eles entendem que este sistema tem que estar na mão do Estado. Fora tudo isso, qual o banco que financia sua casa? A Caixa. Qual o banco que financia a agricultura? O Banco do Brasil. Qual é o banco que financia a infraestrutura? O BNDES. Você percebe o quanto as empresas públicas são importantes para o Brasil e para os brasileiros?”, questiona Rangel.

O secretário nacional de Comunicação da CUT, Roni Barbosa, que também é petroleiro no Paraná, alerta para outro aspecto do ataque as estatais, pouco mencionado na mídia tradicional que relaciona à necessidade de privatização à questão do combate a corrupção.

“É preciso deixar claro que nós somos e sempre seremos contra a corrupção. Quem roubou a Petrobrás ou qualquer outra estatal deve ser punido, mas isso não significa que, em nome da bandeira contra corrupção o país paralise uma companhia do porte e importância da Petrobrás”, afirma Roni..

O dirigente sindical ressalta que em lugar nenhum do mundo o combate à corrupção fragilizou tanto as empresas, provocando desemprego em massa e a paralisação de milhares de obras e projetos, como ocorreu no Brasil nesses cinco anos da Operação Lava Jato.

Segundo Roni, 220 mil trabalhadores da Petrobrás perderam seus empregos neste período, a Odebrecht, que hoje tem 49 mil trabalhadores, já teve 250 mil antes da Lava Jato e está pedindo concordata, sem falar em outros milhares de emprego perdidos com o fechamento de pequenas construtoras.

“Em todo o país, a Lava Jato, além de ser responsável pelos 20% da taxa de desemprego, também ajudou no golpe de 2016, levou Bolsonaro ao poder para vender a Petrobrás, entregar o Pré-Sal brasileiro, deixar de controlar sua maior riqueza e ainda vai colocar a soberania do país em risco”, denuncia o secretário de Comunicação da CUT.

Quem ataca a estatal alega que a corrupção quebrou a Petrobrás, diz Roni, que rebate: “Isso é uma mentira! Só em 2018, o faturamento da estatal foi de R$ 358 bilhões”.

“O discurso de falência é para atacar a empresa e ter motivo para vendê-la para o mercado internacional e esta é a luta do dia 3. A população que é contra as privatizações, como apontou a pesquisa CUT/Vox, precisa se engajar nesta luta e reagir!”, concluiu Roni.

Ato no Rio de Janeiro

O ato na próxima quinta-feira (3) no Rio de Janeiro está sendo chamado de “Dia do Luto pelo Brasil, Contra as Privatizações, em Defesa da Amazônia, por Empregos, pela Saúde, contra os Cortes da Educação e o Future-se.

A CUT Rio, seus sindicatos e categorias como petroleiros, radialistas, trabalhadores da Casa da Moeda, bancários do BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, eletricitários, urbanitários e outros trabalhadores de estatais vão se concentrar na Candelária, que fica em frente à Eletrobrás, às 16 horas. Depois, vão caminhar pela Avenida Rio Branco até a sede da Petrobrás, que fica perto dos três bancos públicos [BNDES, BB e Caixa] também alvos de privatização.

“A gente precisa colocar no centro do debate a importância das empresas públicas e explicar para a população o quanto estas riquezas também são importantes para garantir políticas públicas de saúde e educação”, afirmou a secretária de Comunicação da CUT Rio de Janeiro, Duda Quiroga, que está participando da construção da mobilização.

De acordo com a dirigente, durante a construção do ato outras pautas foram inseridas e que os estudantes e trabalhadores da educação estão “dando muito fôlego neste ato”.

“Os estudantes, as professoras, professores e os técnicos das universidades públicas estarão mobilizados nos dias 2 e 3 e no aniversário da Petrobrás vão se somar à luta em defesa das empresas públicas. Além disso, a juventude, o movimento negro e grupos das comunidades no Rio também vão para rua no dia 3 com a bandeira ‘deixe de nos matar’, devido à morte da menina Agatha”, contou Duda, que é professora municipal.

Além disso, parlamentares de partidos da oposição ao governo, lideranças sindicais de outras categorias e autoridades estarão presentes. O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o coordenador nacional do MST, João Pedro Stédile, também estarão presentes.

Onde serão os outros atos

Em Curitiba, os petroleiros farão ato na refinaria de Araucária de manhã, a tarde vão para a Vigília Lula Livre e a partir das 18 horas realizam um ato político na Praça Santos Andrade.

Na Bahia, vão acontecer atos nas duas unidades da Petrobrás. Pela manhã em São Francisco do Conde (RLAM) e à tarde em Salvador, em frente à Torre Pituba, onde fica a administração da estatal na capital baiana.

Em São Paulo, o ato será a partir das 16h, no vão livre do Museu de Arte, na Avenida Paulista.

Em Belo Horizonte, será na Portaria da REGAP: Av. Refinaria Gabriel Passos, 690 – Betim.

 

Fonte: Érica Aragão – CUT Brasil

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia