Notícias
 
Depois de perder força no PIB, indústria sinaliza recuperação
Peso do setor na economia brasileira aumentou, e analistas consideram que obras são estratégicas para a retomada
10/09/2019




 A indústria brasileira tenta se reerguer em meio à herança indigesta da última recessão. Depois de encolher por seis anos seguidos, a partir de 2011, o peso do setor na economia nacional subiu em 2018 pela segunda vez consecutiva. Apesar disso, segue em nível distante ao de décadas anteriores, à espera de que a demanda por produtos engate retomada mais consistente.

De 2017 para 2018, a participação da indústria na economia nacional passou de 21,3% para 21,6%, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso quer dizer que o setor adicionou maior valor ao total de serviços e bens produzidos, expresso no Produto Interno Bruto (PIB).

O IBGE divulga os dados apenas com recorte anual, para evitar impactos sazonais em períodos mais curtos. A parcela da indústria leva em conta os segmentos extrativo, de transformação e de produção e distribuição de gás, água e esgoto, além da construção civil.

O pico na série histórica, com estatísticas desde 1995, foi registrado em 2004. À época, a fatia das fábricas na economia chegou a 28,6%.


– Estamos perdendo indústrias rapidamente, levando-se em conta nosso padrão de crescimento. O problema é como resolver essa questão. De forma simplificada, é possível dizer que o país enriqueceu pouco e já perdeu muita indústria – descreve a economista Silvia Matos, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre).

Para analistas, a crise acelerou o processo de desindustrialização, mas não é capaz de explicar todo o fenômeno. Silvia ressalta que a economia brasileira ainda é considerada fechada para o cenário internacional, o que prejudica tanto exportações quanto importações.

A pesquisadora também sublinha que a perda de peso industrial não é uma exclusividade brasileira. Em maior ou menor ritmo, outras nações também viram os serviços ganharem participação. No Brasil, esse setor respondeu por 73,3% das atividades em 2018. No começo da década, em 2011, era 67,7%. Segundo o IBGE, a agropecuária – o outro ramo – ficou em 5,1% em 2018.

– A indústria está passando por mudanças tecnológicas. Inclusive, faz com que a demanda por serviços de softwares de informática tenha alta. Países com participação mais elevada da indústria podem crescer mais, com empregos de salários maiores – frisa Silvia.

Contágios
O economista-chefe do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), Rafael Cagnin, avalia que o quadro brasileiro também preocupa porque as fábricas costumam estabelecer elevado nível de relação com os demais setores. Ou seja, eventuais resultados positivos tendem a ser repassados ao restante da cadeia produtiva.

– No fundo, menor participação da indústria gera perda de inovação. O problema no Brasil é que, em parte, estamos trocando a indústria por serviços com empregos de menor qualidade e dinamismo – pontua Cagnin.

Mesmo com dificuldades, as fábricas tiveram sopro de alívio no segundo trimestre deste ano. A atividade da indústria subiu 0,7%, influenciada pelos ramos de transformação e construção civil. Com o desempenho, puxou o avanço de 0,4% do PIB nacional.

Apesar disso, analistas adotam tom de cautela. Um dos fatores que jogam contra o setor é a turbulência no cenário externo, provocada pela guerra comercial entre Estados Unidos e China e a crise na Argentina. O país vizinho é o principal destino das exportações de produtos manufaturados brasileiros, como automóveis e peças.

No Rio Grande do Sul, a indústria patinou no início do segundo semestre, conforme a Federação das Indústrias do Estado (Fiergs). Em julho, o índice da entidade que mede a atividade do setor gaúcho recuou 1% frente a junho. Nos últimos quatro meses, foram dois resultados positivos e dois negativos, com saldo praticamente nulo.

“A atividade do setor continua, em meio à volatilidade, em um lento processo de recuperação. Isso se dá, principalmente, pelo baixo nível de demanda, causado pelo elevado desemprego, pela redução de investimentos e pela desaceleração da economia mundial, sobretudo por causa da crise argentina”, disse, em nota, o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry.

A importância da infraestrutura
Analistas indicam que a indústria pode recuperar fôlego no país, mas frisam que a retomada mais robusta não deve ser rápida. Pesquisadora do FGV Ibre, a economista Silvia Matos observa que, diante das dificuldades internacionais e seus efeitos nas exportações, o Brasil precisa se concentrar em propostas de ajustes internos e melhora do ambiente de negócios.

– As reformas da Previdência e tributária são importantes para criar ambiente interno melhor, com mais otimismo. Sem elas, a indústria é o setor que mais sofrerá. O país tem problemas estruturais. Investe pouco em educação e tem regime tributário que onera a produção. Isso também atinge a indústria – diz a pesquisadora.

Na visão do economista-chefe do Iedi, Rafael Cagnin, a retomada do setor passa por obras de infraestrutura. Para isso, há duas possibilidades, segundo ele. A primeira é o avanço das concessões à iniciativa privada. A outra é encontrar espaço no orçamento federal para a retomada de investimentos públicos. A segunda, reconhece o economista, representa desafio maior:

– É algo complicado, mas precisa acontecer. Uma saída é usar parte dos recursos que serão obtidos com privatizações para concluir obras que não foram terminadas e estão se depreciando a céu aberto.

Para o economista, medidas pontuais também podem ajudar. Entre elas está o novo ciclo de cortes na taxa básica de juro. Ao final de julho, o Banco Central reduziu a Selic para 6% ao ano, o menor patamar já registrado no Brasil.

– O crescimento da indústria vem sendo mais baixo do que era esperado neste ano. A reforma da Previdência deve ser aprovada. A tributária deve ficar para o próximo ano. Isso é o que vai ditar o ritmo – projeta a economista Maria Carolina Gullo, diretora de Economia, Finanças e Estatística da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul.

Fonte: Gaúcha ZH

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia