Notícias
 
Greve geral paralisa Argentina contra política neoliberal de Macri
Política liberal em xeque
30/05/2019




Centrais sindicais, movimentos sociais e partidos de esquerda da Argentina realizam nesta quarta-feira (29) a quinta greve geral desde que Mauricio Macri assumiu o governo, em 2015. A paralisação acontece em protesto contra a política econômica do presidente, que resultou em uma alta generalizada da inflação e no pedido de um empréstimo ao FMI (Fundo Monetário Internacional).

A greve se faz sentir, especialmente, na capital Buenos Aires. Ônibus e metrô não abriram hoje, e voos comerciais partindo do Aeroparque, aeroporto próximo do centro da cidade, foram cancelados. Segundo o jornal Página/12, escolas, bancos e comércio em geral devem permanecer fechados. Hospitais atendem casos de urgência.

Acessos à capital também estão interrompidos por manifestantes. Há relatos de violência policial contra manifestantes em um dos bloqueios na cidade.

“[A greve] É para dizer ao governo que ele deve tomar providências, porque o debacle e a queda são sistemáticas. Alguns ganharam bastante e, se não se pega o touro pelos chifres, a crise será cada vez pior”, afirmou Héctor Daer, co-secretário-geral da CGT (Confederação Geral do Trabalho da Argentina) ao jornal.

A ministra de Segurança do governo Macri, Patricia Bullrich, ameaçou com o uso da força contra os grevistas. “Estamos fartos das paralisações, de que vira e mexe façam uma. É a quinta paralisação. Quando há um governo que não é do partido dos sindicalistas, acontece isso”, afirmou.

Crise econômica

A alta da inflação e a crise econômica que atravessa a Argentina têm tido efeitos práticos no cotidiano da população. Dados da Direção Geral de Estatísticas e Censos (DGEeC) mostram que a cesta básica total (CBT) em Buenos Aires aumentou 3,4% no mês de abril de 2019 em comparação com o mês de março do mesmo ano, e 57,6% em 12 meses.

No mês de abril, uma família composta por duas pessoas adultas de 35 anos e duas crianças entre 6 e 9 anos precisaria ter um rendimento mensal de 29.304,13 pesos (cerca de R$ 2.600) por mês para escapar da linha de pobreza. O valor no mês de março era de $ 28.330,36 (aproximadamente R$ 2.500) e, em abril do ano passado, $ 18.597,17 (pouco mais de R$ 1.600).

O Instituto Nacional de Estatísticas e Censos da Argentina (Indec) usa dois tipos de cesta básica para determinar a pobreza da população: a Cesta Básica Alimentar (CBA), que compreende itens básicos de alimentação, e a CBT, que contém todos os itens da primeira mais bens e serviços não alimentares como transporte, roupas, educação etc. Famílias que não possuem rendimento suficiente para adquirir a CBT são classificadas como pobres; as que não conseguem pagar a CBA, estão na situação de pobreza extrema.

Pobreza e inflação

Segundo os últimos dados do Indec, referentes ao segundo semestre de 2018, a pobreza na Argentina atinge 14,3 milhões de pessoas, 3 milhões a mais do que o mesmo período em 2017. Cerca de 32% da população do país é pobre.

Ainda de acordo com os números, 2,9 milhões de pessoas passaram para a situação de pobreza nas zonas urbanas do país. Comparado ao primeiro semestre de 2018, antes do governo pedir o empréstimo de 56,3 bilhões de dólares ao FMI, a pobreza aumentou 4,7%.

A inflação de abril deste ano ficou em 3,4% e, no acumulado de 12 meses, chega a 55,8%. Nos primeiros quatro meses de 2019, a alta é de 15,6%.

No final de abril, o presidente Mauricio Macri anunciou o congelamento dos preços de 64 produtos considerados essenciais para tentar conter a inflação. Quinze dias depois do início da medida, um levantamento realizado pela Defensoria Pública da província de Buenos Aires indicou que 49% dos produtos incluídos no congelamento estavam em falta nos supermercados da região.


Fonte: Opera Mundi

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia