Notícias
 
Briga comercial entre EUA e China pode beneficiar o RS
Com imposição de barreiras tarifárias entre os países de Donald Trump e Xi Jinping, as maiores economias do mundo devem apostar nas compras de outros parceiros, como o Brasil
28/05/2019




O Rio Grande do Sul tende a sentir efeitos opostos da guerra comercial travada por Estados Unidos e China. Com a imposição de barreiras tarifárias entre os países de Donald Trump e Xi Jinping, as maiores economias do mundo devem apostar nas compras de outros parceiros, como o Brasil. Isso pode aumentar as vendas no curto prazo de setores da indústria e da agropecuária para as duas nações. Por outro lado, os atritos entre as potências abalam o humor do mercado financeiro e causam incertezas sobre o comportamento da taxa de câmbio. No momento de fechar acordos, a imprevisibilidade não agrada a empresários.

Em 2018, a China seguiu como o principal destino das exportações do Rio Grande do Sul. Os embarques tiveram alta de 14,2% frente a 2017, indica o Ministério da Economia. No mesmo período, Estados Unidos ocuparam a quinta posição do ranking, com avanço de 1,6%.

 

— A guerra comercial pode fazer com que o Brasil e o Rio Grande do Sul vendam mais produtos para EUA e China. Isso é positivo, mas transitório. Não se sabe quanto tempo a guerra comercial vai durar – pondera o coordenador do Conselho de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs), Cezar Müller.

— Quando a China vende menos para os EUA, pode oferecer seus produtos a outros mercados nos quais o Brasil está presente, competindo com nossas mercadorias — acrescenta.

Conflito tem reflexo no nível do PIB global
Na indústria, um dos setores que acompanham com mais atenção os desdobramentos da guerra comercial é o calçadista. O principal destino das exportações do segmento são os EUA. Com a imposição de tarifas por Trump contra a China, a expectativa é de que os embarques ao mercado americano sigam em alta no segmento. Entre janeiro e abril, as vendas gaúchas aos americanos alcançaram US$ 26,7 milhões, salto de 37% em relação a igual intervalo de 2018, aponta a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados).

— Apesar da alta, os EUA substituíram muitas importações da China pelas de outros asiáticos, como Vietnã e Camboja — explica a economista Priscila Link, coordenadora de inteligência de mercado da Abicalçados.

Na agropecuária, a batalha comercial tende a estimular as vendas de soja e carnes para a China, diz o consultor Carlos Cogo. Os asiáticos são os principais compradores dessas mercadorias no Brasil.

— Os setores de soja e carnes estão mais estruturados para atender a uma demanda maior. Devem ser beneficiados no curto prazo — argumenta Cogo.

Economista do Sistema da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), Antônio da Luz tem opinião divergente:

— É uma situação péssima.

A guerra comercial pode parecer boa, por aumentar as vendas de soja para a China. Mas uma coisa é o Uruguai entrar em conflito com a Argentina. Outra é a primeira economia do planeta abrir guerra contra a segunda. Isso faz o PIB mundial crescer menos. Com isso, a demanda global por produtos brasileiros será menor.

Instabilidade de cotação cambial preocupa
A guerra comercial entre EUA e China foi acirrada neste mês. Primeiro, o presidente americano, Donald Trump, anunciou elevação de tarifas de importação sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses. A resposta veio em seguida, com os asiáticos subindo alíquotas sobre mercadorias americanas, no total de US$ 60 bilhões.

— A guerra comercial pode ser uma oportunidade passageira para o Estado. Por isso, devemos priorizar a condução de reformas em todo o país, a redução do custo Brasil. Perdemos muito espaço no mercado internacional — defende o coordenador do Conselho de Comércio Exterior da Fiergs, Cezar Müller.

Em tese, o dólar em nível avançado, próximo dos R$ 4, beneficia segmentos exportadores. Por outro lado, prejudica setores que precisam pagar mais para importar insumos. O que desaponta os dois grupos é a instabilidade cambial.

De janeiro a abril, as exportações brasileiras para a China subiram para US$ 19,4 bilhões, alta de 10,3%. As vendas de soja responderam por 37% do total. Em igual intervalo, os embarques brasileiros aos Estados Unidos alcançaram US$ 9,5 bilhões, crescimento de 9,3%. As principais mercadorias foram produtos de aço e ferro (13% do total).

Ainda não é possível avaliar com exatidão o quanto subiram ou desceram as exportações totais do Rio Grande do Sul e dos demais Estados. A dificuldade ocorre em razão de uma alteração no sistema do Ministério da Economia.

FONTE: Gaúcha ZH

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia