Notícias
 
Comissão tira acidente a caminho do trabalho e aprova MP antifraude
Governo cede, trabalhador vence
10/05/2019




 O governo federal conseguiu, nesta quinta-feira (9), fazer a MP (medida provisória) do pente-fino nos benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) avançar no Congresso.

O texto foi aprovado na comissão formada por deputados e senadores.

O Palácio do Planalto recuou e decidiu retirar a proposta de que acidente a caminho do trabalho não fosse assumido pela empresa.

A equipe econômica usou o relatório da MP, apresentado pelo deputado Paulo Martins (PSC-PR), na terça-feira (7), para incluir um artigo que isentaria as empresas em caso de acidente no percurso para o trabalho.

A legislação atual foi mantida. "É ponderado. [Isso] não tira a alma da medida provisória", disse a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP).

A equipe de Bolsonaro também cedeu na proposta de dificultar o acesso a benefícios previdenciários como auxílio-doença, salário-maternidade e aposentadoria por invalidez.

Em janeiro, quando editou a MP, o presidente endureceu regras para quem, depois de uma pausa de até 36 meses, voltar a contribuir. Isso teria efeito para aquelas pessoas que perderam emprego, foram para informalidade e, depois, conseguiriam voltar a contribuir para o INSS.

Pelo texto de Bolsonaro, esses trabalhadores precisam cumprir novamente toda a carência (exigência mínima de contribuições) para que possam receber o benefício pago a quem está temporariamente incapaz de trabalhar, quem se afasta por causa do nascimento de um filho ou doença.

Fica mantida a regra antiga: ao voltar ao INSS, o trabalhador precisaria cumprir metade da carência.

O governo teve dificuldade para aprovar a MP na comissão. Metade dos deputados e senadores do colegiado é do Norte e Nordeste, onde há grande concentração de trabalhadores rurais.

Parlamentares ligados a essa atividade e a sindicatos resistiram à mudança proposta no processo de pedido de aposentadoria rural. O governo, porém, venceu.

Por 15 votos a 7, ficou mantida essa parte do texto do governo Bolsonaro para que os sindicatos não sejam mais responsáveis pela comprovação da atividade rural.

A comprovação do exercício da atividade rural, após uma transição, passa a ser feita exclusivamente por inscrição nos órgãos do sistema do Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS), mantido pelo Ministério da Economia.

"Temos um ataque direto à região Nordeste quando você prejudica a aposentadoria rural. O ataque tem de ser na fraude, e não nos aposentados", disse a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA).

Martins manteve os principais pontos do programa de análise de benefícios do INSS com indícios de irregularidade e o endurecimento nos critérios para recebimento do auxílio-reclusão, benefício pago a parentes do trabalhador que for preso.

O deputado, no entanto, excluiu o trecho -apresentado por Bolsonaro- que obriga idosos carentes e deficientes a abrirem mão do sigilo bancário ao pedirem o BPC (benefício assistencial de R$ 998).

Martins derrubou ainda a proposta de criar um prazo de seis meses após parto ou adoção para que seja pedido o salário-maternidade. Volta a regra antiga: até cinco anos após o nascimento do bebê ou da adoção.

O relatou, porém, voltou atrás e decidiu manter a possibilidade de penhora de bens para pagar dívidas em caso de fraude ao INSS.

A MP precisa ser aprovada até o dia 3 de junho nas duas Casas. O governo espera uma economia de cerca de R$ 10 bilhões em 12 meses.

(Fonte: Jornal do Brasil)

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia