Notícias
 
Ato em Porto Alegre lança Fórum Institucional de Defesa da Justiça do Trabalho
O Fidejust terá atuação no âmbito estadual, com o objetivo de coordenar e desenvolver a comunicação digital de todas as ações de valorização, fortalecimento e defesa da Justiça do Trabalho como ramo especializado do Poder Judiciário
07/02/2019


 Um ato marcou no final da tarde quinta-feira (7) o lançamento do Fórum Institucional de Defesa da Justiça do Trabalho (Fidejust) no plenário do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS), em Porto Alegre. Um minuto de silêncio em memória dos mortos e desaparecidos em Brumadinho (MG), vítimas do maior acidente de trabalho coletivo já ocorrido nas últimas décadas, antecedeu as manifestações das instituições e das entidades presentes..

O Fidejust terá atuação no âmbito estadual, com o objetivo de coordenar e desenvolver a comunicação digital de todas as ações de valorização, fortalecimento e defesa da Justiça do Trabalho como ramo especializado do Poder Judiciário.

O evento contou a participação da ministra Maria Helena Mallmann, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e dirigentes de 24 entidades, que representam juízes, advogados, procuradores, peritos, centrais e entidades sindicais.

A CUT-RS foi representada pelos diretores Marcelo Carlini e Ademir Wiederkehr. Também estiveram presentes vários advogados que integram o Coletivo Jurídico da CUT-RS, formado por assessores jurídicos de federações e sindicatos filiados.

Barrar a extinção da Justiça do Trabalho

Carlini, que é servidor do Judiciário Federal, disse que “sabemos o papel que a Justiça do Trabalho desempenhou em alguns momentos agudos da luta dos trabalhadores. Interditos proibitórios, multas pesadas a sindicatos para sufocar greves… mas sabemos também que Bolsonaro quer tirar da frente qualquer obstáculo que represente a defesa de algum direito”.

“Por isso, Mourão não hesitou de atacar direitos como o 13º salário já antes das eleições. O que eles querem com o fim da Justiça do Trabalho é impedir que os trabalhadores tenham a possibilidade de cobrar judicialmente seus direitos. A participação da CUT nesta campanha é fundamental” salienta Carlini.

Ademir, que é secretário de Comunicação da CUT-RS, salientou que “é importante ampliar a luta em defesa da Justiça do Trabalho, incluindo mais entidades sindicais e movimentos sociais, pois trata-se de um instrumento valioso, que tem servido de última trincheira para o resgate de direitos trabalhistas não cumpridos na relação de emprego e a proteção da dignidade humana”.

“Nestes tempos sombrios de aplicação da reforma trabalhista do golpista Temer e das ameaças de carteira verde amarela sem direitos e da reforma da Previdência de Bolsonaro, dentre outros retrocessos, não podemos permitir, mas de jeito nenhum, a extinção da Justiça do Trabalho”, ressaltou Ademir.

Celeridade e equilíbrio para solucionar conflitos

A presidente do TRT-RS, desembargadora Vania Cunha Mattos, afirmou que, historicamente, a Justiça do Trabalho vem desempenhando seu papel com equilíbrio e celeridade para solucionar conflitos entre empregados e empregadores.

A magistrada acrescentou que a instituição desempenha também uma importante função arrecadatória. “Em 2018, conforme o site do TST, a Justiça do Trabalho brasileira arrecadou para os cofres públicos da União R$ 9 bilhões, derivados de custas, emolumentos incidentes sobre os processos e multas aplicadas pela fiscalização do trabalho”.

Ela também defendeu a necessidade de alargamento da competência constitucional da Justiça do Trabalho, de modo a torná-la ainda mais eficiente. Entre as propostas, a magistrada mencionou que a Justiça do Trabalho deveria ter a competência para o reconhecimento do tempo de serviço perante a Previdência Social quando houver a constatação de um vínculo de emprego, sem que o trabalhador precise ajuizar uma nova ação na Justiça Federal.

Garantir indenizações para empregados e terceirizados de Brumadinho

Além de pedir o minuto de silêncio, Vania destacou a recente tragédia ocorrida em Brumadinho, que vitimou centenas de pessoas e se converteu no maior acidente de trabalho coletivo do Brasil nos últimos 20 anos. Ela manifestou o seu pesar pelas vítimas e aproveitou para elogiar as providências tomadas pela Justiça do Trabalho, como o bloqueio de valores da Vale para garantir as indenizações de empregados e terceirizados.

“Neste episódio fatídico, no qual restou evidenciada a falta de fiscalização mínima, a ganância e a pouca ou nenhuma consideração pela vida humana, a Justiça do Trabalho será a responsável por, ao menos economicamente, diminuir o prejuízo das famílias de 296 empregados e terceirizados”, afirmou.

Justiça comprometida com a realidade social

Mallmann afirmou que, desde a década de 30, quando ocorreu a tramitação do projeto de criação da Justiça do Trabalho, houve um debate que opôs visões antagônicas sobre o modelo que deveria ser adotada pelo Brasil. Conforme a ministra, restou triunfante a ideia de que era necessário criar uma Justiça especializada e comprometida com a realidade social.

A magistrada ressaltou que o Judiciário Trabalhista sempre cumpriu seu papel, mas sofreu diversos ataques ao longo de sua história, sobretudo a partir da década de 90, e que esse cenário volta a surgir atualmente. “Não podemos deixar que sejam fragilizadas as Instituições que asseguram a fiscalização da lei e sua efetividade.”

“Na verdade, talvez tenhamos que pensar em criminalização das ações contra a legislação do Trabalho, em penas mais severas, e quem sabe em um pacote para impedir que novas infrações sejam cometidas. Depois da tragédia acontecida recentemente em Brumadinho, não podemos abrir mão de qualquer Instituição que atue na fiscalização e assegure o cumprimento da normas trabalhistas”, refletiu a ministra do TST.

Reforçar diálogo para a defesa da Justiça do Trabalho

O presidente da Associação dos Peritos na Justiça do Trabalho do Estado do Rio Grande do Sul (Apejust), Evandro Krebs Gonçalves, apresentou ao público o site do Fidejust, que propõe um canal de diálogo permanente entre as entidades relacionadas com a Justiça do Trabalho e a sociedade.

O representante da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Luiz Antonio Colussi, elogiou o esforço coletivo das entidades para a criação do Fidejust: “Este é um modelo que precisamos exportar para todo o Brasil, temos que mostrar a nossos colegas, à sociedade brasileira, que é possível nos organizarmos em prol de uma ideia comum”, destacou o magistrado.

Combater as mazelas do mundo do trabalho

A presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da IV Região (AmatraIV), juíza Carolina Hostyn Gralha, defendeu a importância do Judiciário Trabalhista para o país. “A Justiça do Trabalho vive por ser humana, por ouvir, acolher e distribuir justiça para quem está do lado da lei. Entregamos um trabalho célere, eficaz, transparente e especializado”, declarou.

O procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no RS (MPT-RS), procurador regional do Trabalho Victor Hugo Laitano, afirmou que a Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho são um fim em si mesmo, porque integram um sistema de defesa e promoção de direitos sociais que são alvo de ameaças permanentes.

“A Justiça do Trabalho tem um papel relevante para combater o trabalho infantil, o assédio moral, o trabalho escravo, e mortes e doenças decorrentes da relação de trabalho, mazelas que movem a atuação do MPT. Em 2018, tivemos 103 mil novas denúncias de irregularidades trabalhistas no Brasil, sendo 7,8 mil no Rio Grande do Sul”, informou Laitano.

Ninguém solta a mão da democracia

O vice-presidente da Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhistas (Agetra), Álvaro Klein, manifestou seu repúdio aos discursos que pregam a extinção do Judiciário Trabalhista. “A extinção da Justiça do Trabalho só ocorreria em consequência de uma política que busca a proteção exclusiva de valores econômicos e a desproteção de valores humanitários”, criticou. “Ninguém solta a mão da democracia”, concluiu Klein.

O representante da Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas (ABRAT), Denis Rodrigues Einloft, se mostrou preocupado com o que vai acontecer com os direitos e defendeu uma legislação protetiva. “Não podemos o mar de lama no mundo do trabalho“, observou. “Ninguém solta a mão de ninguém e todos de mãos dadas pelos direitos sociais”, frisou.

O vice-presidente da Associação de Advogados Trabalhistas de Empresas no Rio Grande do Sul (Satergs), Camilo Gomes de Macedo, reafirmou a postura da associação na defesa do Judiciário Trabalhista. “A Justiça do Trabalho é muito grande e forte, temos muito espaço para o diálogo e não podemos deixar de lutar”, declarou.

O vice-presidente da seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS), Jorge Luiz Dias Fara, destacou a importância do debate promovido pelo Fidejust, que envolve representantes de toda a sociedade civil organizada. “A Justiça do Trabalho não pode ser extinta, ela está a serviço da cidadania”, sublinhou.

Quem participa do Fidejust


Além do TRT-RS, são participantes do Fidejust a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da IV Região (AmatraIV), a Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas (ABRAT), a Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhistas (Agetra), a Associação dos Advogados Trabalhistas de Empresas no Rio Grande do Sul (Satergs), o Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS), o Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União no Rio Grande do Sul (Sintrajufe-RS), a seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RS), a Procuradoria Geral do Estado do RS (PGE-RS), a Associação de Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), a Associação dos Peritos na Justiça do Trabalho (Apejust), a Associação Juízes para a Democracia (AJD), a Associação Latino-Americana dos Juízes do Trabalho (ALJT), a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), a Fundação Escola da Magistratura do Trabalho do Rio Grande do Sul (Femargs/RS), a Associação de Oficiais de Justiça Avaliadores Federais do Rio Grande do Sul (Assojaf-RS), o Conselho de Diretores de Secretaria da Justiça do Trabalho da 4ª Região (Coditra), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), a Central Sindical e Popular Conlutas (CSP-Conlutas), o Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora (Intersindical), a Federação Nacional das Associações de Oficiais de Justiça Avaliadores Federais (Fenassojaf), o Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Tributária do Estado do RS (Sindifisco-RS) e o Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados do RS (SindPPD-RS).

Fonte: CUT-RS com informações do TRT-RS

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia