Notícias
 
Carteira de trabalho verde e amarela é o fim da dignidade dos trabalhadores do Brasil
.
25/10/2018


Informativo foi elaborado pela assessoria jurídica do Sindicato


 O segundo turno das eleições presidenciais ampliaram nossos receios em relação ao futuro da legislação trabalhista e a liberdade de negociação dos direitos da classe trabalhadora. Se antes nos preocupava uma reforma que modificou drasticamente a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), tornando essa muito mais favorável aos empresários do que aos trabalhadores, agora a proposta de implementação de uma nova carteira de trabalho (verde e amarela) assombra o futuro das relações entre patrões e trabalhadores.

Ainda que o termo “escolha” seja mencionado na proposta – trabalhadores poderão escolher entre a tradicional carteira de trabalho azul ou a nova verde e amarela – é preciso considerar o histórico das relações trabalhistas e a hierarquia sempre prevalecente entre patrões e empregados. Na dúvida entre um contrato de trabalho com todas as garantias previstas na CLT e na Constituição Federal (férias, 13º, FGTS, etc.) ou um contrato individual com acordos diretos entre as partes sem qualquer garantia de defesa e/ou representação, qual prevalecerá?

Não são poucos os casos que chegam aos sindicatos de trabalhadores e, consequentemente às assessorias jurídicas dessas entidades, que envolvem a falta de compromisso dos patrões com os direitos previstos em lei. Os dados da Justiça do Trabalho não deixam dúvidas: de janeiro a maio de 2018, o não pagamento do aviso prévio, da multa do Art. 477 da CLT e da multa de 40% do FGTS somaram juntos cerca de 700 mil novos processos na Justiça. Ou seja, se com a garantia de direitos e de defesa trabalhadores e trabalhadoras ainda reivindicam melhorias trabalhistas e precisam recorrer à justiça para o cumprimento básico do que está previsto no contrato de trabalho, como será com o fim deste modelo?

Não se deixe levar por propostas sem benefícios à classe trabalhadora. Carteira de trabalho verde e amarela representa a continuidade do processo de informalidade e precarização do emprego, além do fim da dignidade do trabalho no Brasil. Fique atento!

Nós, como advogados de trabalhadores(as), continuaremos defendendo a integralidade dos direitos para todos, sem admitir a precarização do trabalho, especialmente num momento de crise e desemprego.

NÃO ACEITE COAÇÃO. O VOTO É LIVRE!

Alguns patrões estão coagindo trabalhadores(as) a votar no nome escolhido por eles.
A Justiça do Trabalho já deferiu várias liminares solicitadas pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra essa prática ilegal. Empresários já foram multados em até 500 mil, caso voltem a coagir empregados. Se isso correr, no seu local de trabalho, denuncie ao seu sindicato, às Centrais Sindicais e ao MPT.

Votar livremente é um direito e deve ser respeitado!

Revogar as políticas de arrocho e retirada de direitos
Em relação aos direitos e ao bem estar dos trabalhadores(as), não houve nada mais cruel que a Reforma Trabalhista e a Emenda Constitucional 95. Se de um lado foram atacados os direitos básicos da classe trabalhadora, do outro foram congelados por 20 anos investimentos em áreas essenciais à população, como saúde e educação. Revogar a reforma as e políticas de austeridade é mostrar-se comprometido com a sociedade e com um futuro de desenvolvimento e crescimento para o país.

O VOTO DEVE SER CONSCIENTE E RACIONAL

Na hora do voto, vote em quem defende o trabalhador, não em quem defende e é defendido pelos empresários. Neste momento de ódios e pregação de violência precisamos manter a mente tranquila e decidir com racionalidade. A democracia é um patrimônio dos trabalhadores, nas épocas democráticas é que os direitos são conquistados, que as condições de vida melhoram e que as políticas de distribuição de renda melhoram a vida dos trabalhadores.

Em contrapartida, em regimes de força, de cerceamento dos sindicatos e das liberdades, os direitos são retirados e os trabalhadores são penalizados nas crises. Devemos estar atentos para as propostas que pregam a raiva e a perseguição de mulheres, negros, índios e “gays”, como forma de intolerância social. A PAZ, junto com a democracia, também é uma luta dos trabalhadores.

Por isso, mais do que indicar um voto, nos limitamos a propor uma reflexão neste momento conturbado, com vistas a decidir o melhor para o futuro do país e do estado, tendo sempre em vista o melhor para o conjunto dos trabalhadores assalariados, dos desempregados e dos que estão jogados na informalidade. Queremos uma vida melhor para todos, queremos um brasil em que as diferenças convivam em harmonia, sem violência e perseguições.

Pense nisso e bom boto no segundo turno!!!

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia