Notícias
 
OPINIÃO: A importância das negociações coletivas para as conquistas da classe trabalhadora
Cristina Pereira Vieceli é economista, doutoranda em Economia pela UFRGS e Técnica do DIEESE
25/10/2018




 A relação entre capital e trabalho é inerentemente conflituosa e desigual. Esse status é reconhecido internacionalmente, e, a fim de assegurar que os trabalhadores se organizem e negociem de forma protegida foram definidos direitos por organismos internacionais, que garantem a liberdade sindical e negocial. A Organização Internacional do Trabalho, que surgiu a partir do final da Primeira Guerra Mundial, no ano de 1919, possui diversas convenções que tratam sobre o direito de sindicalização e de negociação coletiva, entre as quais, ganha destaque a Convenção 98 de 1949, ratificada pelo Brasil em 1952, que trata sobre a proteção à liberdade sindical, a proteção do trabalhador contra atos de discriminação a liberdade sindical, e direito à negociação coletiva[1]. Outro marco importante no reconhecimento da liberdade e organização sindical foi a Declaração dos Direitos Humanos, aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948, que estabelece o direito à sindicalização em seu artigo 23.

Os instrumentos firmados por meio da atuação do movimento sindical, através de lutas e greves trouxeram grandes conquistas para as categorias no Brasil. A solidariedade e organização de classe levam a acordos que tratam sobre diferentes temas, além dos reajustes nos salários e pisos, adicionais, auxílios, controle da jornada de trabalho, férias, licenças, proteção à saúde do trabalhador, equidade salarial, entre outras.

As negociações coletivas foram de grande importância não somente para assegurar conquistas de categorias específicas, mas também estender os direitos negociados para toda a classe. Dentre os marcos destaca-se a conquista do 13o salário, redução da jornada de trabalho de 48 horas para 44 horas semanais, elevação do percentual de remuneração da hora extra para 50%, ampliação da licença maternidade para 120 dias, criação da licença paternidade de cinco dias, e do adicional de 1/3 sobre a remuneração das férias. Também foi estendido aos servidores públicos o direito de sindicalização e de greve[2]. Cabe destacar também que a atuação do movimento sindical foi imprescindível para a conquista da política de valorização do salário mínimo em 2007, fundamental para a diminuição da desigualdade social e retirada de milhões de pessoas da pobreza, além de ter estimulado a economia por meio do consumo interno.

O instrumento de negociação coletiva, no entanto, se fragilizou a partir da Lei 13.467, de 13 de julho de 2017, a chamada Reforma Trabalhista, que modificou todo o sistema de relações de trabalho no Brasil. Dentre os fatores para tal, estão o aumento da insegurança jurídica, que pode paralisar ou dificultar as negociações, a pressão para flexibilizar os direitos trabalhistas por parte das entidades patronais, como também a modificação da hierarquia entre a Lei, a convenção coletiva, os acordos por empresa e as negociações individuais. A exemplo disso, segundo levantamento do Dieese, a partir dos dados do Sistema Mediador do Ministério do trabalho, nos primeiros sete meses de 2018 foram registrados 29% a menos de instrumentos coletivos do que no mesmo período do ano anterior. Desse total, as convenções diminuíram em 37% e os acordos em 28%.

A queda dos registros de instrumentos de negociação nos primeiros oito meses do ano, foi acompanhada pela incorporação de cláusulas que tratam sobre a reforma trabalhista – impondo dificuldades nas mesas de negociação pela imposição das bancadas patronais de sistema de trocas com propostas de retirada de direitos e pautas de reivindicações de empregadores, além de buscar restringir o papel dos sindicatos.

Do total de registros pesquisados 12,8% tratam sobre a reforma. Os temas mais frequentes são intervalo intrajornada, custeio sindical, banco de horas e horas in itinere. Em relação ao intervalo intrajornada, todas as cláusulas tratam sobre a sua redução. Por outro lado, em relação ao local da homologação das rescisões, a maior parte das cláusulas assegura que seja feita no sindicato, o que é uma conquista importante já que protege o trabalhador de fraudes no cálculo das verbas. Sobre essa questão, é importante registrar que, entre os 10 principais motivos de ações na justiça do trabalho, predominam questões relacionadas às verbas rescisórias.

Nessa conjuntura de ameaça aos direitos, é importante a resistência da classe trabalhadora e a valorização dos instrumentos de negociação e das instituições representativas. Mesmo em um cenário de crise e aumento do desemprego, em 2017, as convenções coletivas asseguraram que 63,3% das categorias no Brasil fechassem acordo com reajustes acima da inflação, 28,6% repuseram pelo menos as perdas inflacionárias e 8,1% fecharam acordos abaixo da inflação. Esse resultado foi mais favorável que no biênio anterior, no entanto, bastante inferior aos anos pré-crise. Entre 2006 a 2014, todos os anos foram garantidos aumentos reais para, pelo menos, 75% da categoria[3]. Esse período coincidiu tanto com crescimento econômico e baixo desemprego, mas também com a garantia da segurança para os trabalhadores reivindicarem seus direitos, haja vista o aumento do número greves e paralisações, ambiente que está ameaçado pela fragilização do movimento sindical e aumento do autoritarismo.

Sabendo da importância das negociações coletivas para as conquistas da classe trabalhadora, resta chamar atenção para os impactos das propostas dos dois candidatos à presidência no que refere-se a organização sindical. Bolsonaro, propõe criação de carteira de trabalho verde e amarela com contrato individual prevalecendo sobre a CLT substituindo, portanto, o acordo e a convenção coletiva de trabalho, Além disso, o candidato, em entrevista à RV TV, declarou que entende que: “é uma desgraça os sindicatos no Brasil, que vive da profissão de atazanar o proprietário” (palavras do candidato). Já o candidato Haddad propõe, em seu programa, a revogação da reforma trabalhista e a valorização dos sindicatos.

Cristina Pereira Vieceli é economista, doutoranda em Economia pela UFRGS e Técnica do DIEESE

Fonte: FTM-RS

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia