Notícias
 
Centrais se unem por Haddad e contra nome ‘de Temer, do capital, do agronegócio’
.Segundo documento assinado por sete centrais e entregue a Haddad (confira no final) durante reunião em São Paulo, o outro candidato, Jair Bolsonaro (PSL), “privilegia o mercado financeiro sobre qualquer outro setor da sociedade”
11/10/2018




 As principais centrais sindicais brasileiras formalizaram nesta quarta-feira (10) apoio ao candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, juntando no mesmo campo dirigentes que apoiaram pelo menos três outros nomes no primeiro turno das eleições 2018. Do petista, eles esperam compromisso com a manutenção de direitos, incluindo a revogação da “reforma” trabalhista e da Emenda Constitucional 95 (de congelamento de gastos públicos), e um programa que contemple desenvolvimento com distribuição de renda.

 

Segundo documento assinado por sete centrais e entregue a Haddad (confira no final) durante reunião em São Paulo, o outro candidato, Jair Bolsonaro (PSL), “privilegia o mercado financeiro sobre qualquer outro setor da sociedade” e tem “flagrante” intenção de suprimir direitos.

 

“É o candidato dos patrões, da Fiesp, de Temer, porque ele votou em todas as propostas de retirada de direitos. É contra a existência de sindicatos e de movimento sindical representativo e é defendido por toda a classe patronal do Brasil. É o candidato do capital financeiro, do agronegócio”, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas.

 

O dirigente afirmou que, com Haddad, haverá garantia de interlocução com o movimento sindical, além de manutenção de políticas como a da valorização do salário mínimo. “A agenda do segundo turno é dos direitos sociais, civis. É a eleição de nossas vidas.”

 

Haddad afirmou que o país vive retrocessos trabalhistas e sociais há dois anos, desde o impeachment, com a posse de Michel Temer. “É uma contradição nosso adversário dizer que vai manter todas as medidas do governo Temer e vai oferecer mais. Não é cortando direitos históricos da classe trabalhadora que vamos contribuir para o crescimento”, acrescentando, repetindo frase que tem se tornando bordão da campanha: “Nossa solução não é uma arma numa mão e uma arma na outra. É uma carteira de trabalho numa mão e um livro na outra”.

 

Segundo ele, não são apenas esses direitos que estão sendo ameaçados, mas também os civis. O petista citou casos recentes de violência. “É uma escalada que nós temos de interromper. Estamos falando de fundamentos de uma sociedade civilizada”, afirmou. Após o encontro com os sindicalistas, Haddad revelou a jornalistas ter sido procurado hoje por tucanos, também preocupados com o momento político.

 

“O compromisso central é que só há desenvolvimento com valorização do trabalho”, reforçou. Ela acrescentou que as mulheres são as principais prejudicadas com a lei de “reforma” trabalhista, citando o trabalho intermitente e a possibilidade de atividades em ambientes insalubres.

 

Progresso e democracia
O presidente interino da Força Sindical, Miguel Torres, afirmou que os dirigentes da central estão do “lado do progresso, da democracia, do desenvolvimento, do futuro do país”. O presidente licenciado da central, deputado reeleito Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, também líder do SD, apoiou Geraldo Alckmin (PSDB) no primeiro turno. “Estamos de corpo e alma na campanha Haddad/Manuela”, disse Miguel. A candidata a vice na chapa, Manuela D´Ávila (PCdoB), também participou da reunião.

 

Os presidentes da UGT e da CSB não puderam comparecer, mas endossaram o documento. Estiveram ainda no encontro a presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), e os presidentes dos sindicatos dos Bancários de São Paulo, Ivone Silva, e dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, o Wagnão.

 

Miguel afirmou ainda que o movimento sindical já tem sofrido ataques “de uma política reacionária do atual governo”, acrescentando que isso tende a piorar com uma vitória de Bolsonaro, citando ideias como a da criação de uma carteira profissional verde e amarela para trabalhadores com menos direitos e extinção do 13º salário. E lembrou que mesmo antes da definição das candidaturas, as centrais, independentemente de nomes, já haviam aprovado uma “agenda prioritária” dos trabalhadores, com 22 itens. “Construímos a unidade em torno de objetivos estratégicos.”

 

Agora, segundo ele, é preciso que o próximo governo apresente um programa nacional de desenvolvimento, que contemple emprego, tecnologia e aumento da massa salarial. “Temos a obrigação de abrir o olho do trabalhador.” O documento menciona que muitos trabalhadores, “desempregados e desalentados”, podem estar sendo iludidos por um “canto da sereia”, por meio de divulgação “notícias falsas e disseminação do ódio”.

 

O secretário-geral da Intersindical, Edson Carneiro, o Índio, lembrou que no primeiro turno a central se engajou na campanha de Guilherme Boulos (Psol). Agora, as entidades estão unidas “contra o retrocesso, contra o ódio, a violência e o fim dos nossos direitos, pelo futuro do povo brasileiro, da nossa frágil democracia”, comparou. “A disputa aqui é entre a civilização e a barbárie.”

 

Presidente da Nova Central em São Paulo, Luiz Gonçalves, o Luizinho, acredita em “dias muitos nebulosos” em caso de vitória de Bolsonaro, com um ministério “só de generais”. “Ele já disse que não vai aceitar nenhum tipo de ativismo”, afirmou o dirigente, prevendo intensificação de medidas de repressão contra os movimentos sociais. “A criminalização da política é para tirar a gente do jogo”, emendou o presidente da CTB, Adilson Araújo.

 

Em nome das mulheres, a deputada estadual eleita Maria Izabel de Azevedo Noronha, a Bebel, presidenta licenciada da Apeoesp (sindicato dos professores da rede pública paulista), disse que a “onda conservadora jogou pesado contra qualquer avanço que pudéssemos ter”, o que prejudica, principalmente, as trabalhadoras. Segundo ela, o projeto da chapa liderada por Haddad “é o único que vai resgatar os direitos que havíamos conquistado”. Bebel também defendeu a revogação da EC 95 e da “reforma” do ensino médio.

 

Candidato do PT ao governo de São Paulo, o ex-prefeito e ex-ministro Luiz Marinho ressaltou as diferenças de propostas. “Não representamos apenas um projeto, mas enfrentamento ao atraso”, afirmou. “Nós sabemos o significado do desmonte de direitos”, acrescentando que a candidatura adversária faz sinaliza com um “projeto ditatorial”.

 

Confira o documento das centrais entregue a Haddad:

 

MOVIMENTO SINDICAL EM DEFESA DOS DIREITOS TRABALHISTAS E DA DEMOCRACIA

 

POR QUE A CLASSE TRABALHADORA DEVE ELEGER HADDAD

 

Em 28 de outubro teremos uma eleição decisiva para o futuro da classe trabalhadora brasileira. De um lado, Fernando Haddad, um candidato comprometido com a democracia, os direitos sociais e a soberania nacional. Do outro, um candidato que encarna o autoritarismo, a desnacionalização da economia e a extinção dos direitos sociais e trabalhistas, com consequências diretas na vida dos trabalhadores e das trabalhadoras, como desemprego, a precarização do trabalho, redução dos direitos e da qualidade de vida.

 

Jair Bolsonaro defende os interesses de grandes corporações nacionais e estrangeiras, seu projeto privilegia o mercado financeiro sobre qualquer outro setor da sociedade. Sua intenção de supressão dos direitos dos trabalhadores é tão flagrante que o candidato afirmou que, se eleito, vai criar uma “nova” carteira de trabalho em contraposição à atual. Com esta fantasiosa carteira, o empregado não terá nenhum dos direitos previstos na CLT como férias, 13º salário e licença maternidade.

 

O programa de governo de Haddad está em sintonia com os interesses da Nação e do nosso povo. Propõe a revogação da reforma trabalhista e da Emenda Constitucional 95, que congelou os investimentos públicos por 20 anos. Propõe a retomada do desenvolvimento e crescimento econômico, com distribuição de renda, inclusão e justiça social e redução do desemprego. Defende o fortalecimento e a valorização da agricultura familiar e do salário mínimo, o combate da precarização do mercado de trabalho, a democratização dos meios de comunicação e uma política externa soberana.

 

Haddad está comprometido com a valorização das estatais, das empresas e bancos públicos, redução dos juros, isenção do imposto de renda para trabalhadores e trabalhadoras que ganham até cinco salários mínimos e de impostos para os mais pobres, manutenção da Previdência Social como política pública e a valorização das aposentadorias. O fim das privatizações e a valorização de todo setor energético, com a consequente redução das tarifas de combustíveis, luz e gás, também são compromissos já firmados.

 

Há uma massa de trabalhadores, desempregados e desalentados, sendo iludida pelo canto de sereia, desorientada pela profusão de notícias falsas e disseminação do ódio. Por isso, conclamamos uma reflexão pela democracia e por um futuro melhor para todos e todas.

 

Fernando Haddad personifica a democracia e a possibilidade de lutarmos por mudanças que o povo reclama e anseia: educação e saúde públicas de qualidade para toda a população, moradia, segurança, democracia, soberania e bem-estar social. Haddad colocará o povo brasileiro em primeiro lugar.

 

Por todas essas razões, as centrais sindicais brasileiras estão unidas neste segundo turno com Fernando Haddad. E, com a certeza de que Haddad é o melhor candidato, conclama a classe trabalhadora e o povo brasileiro a participar da campanha e votar para eleger Haddad o próximo presidente do Brasil.

 

Somente juntos conseguiremos defender a democracia, a soberania nacional e a valorização do trabalho e da classe trabalhadora.

 

São Paulo, 10 de outubro de 2018.

 

Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores – CUT

 

Miguel Torres, presidente da Força Sindical

 

Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores – UGT

 

Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB

 

José Avelino Pereira (Chinelo), presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros – CSB

 

José Calixto Ramos, presidente Nova Central Sindical dos Trabalhadores – NCST

 

Edson Índio, secretário-geral da Intersindical

 

Fonte: Vitor Nuzzi – Rede Brasil Atual

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia