Notícias
 
Mulheres têm pouco a comemorar nos 12 anos da Lei Maria da Penha
Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo. Só em 2016 foram assassinadas 4.645 no país – aumento de 15,3% em 10 anos
08/08/2018




 São Paulo – Isadora Mariá Pereira Lima, Nelly Venite, Daniela Marques, Gabrielly Marcossi, Evellyn Silvestre e tantas outras mulheres anônimas, mortas dentro ou fora de casa pelo próprio companheiro ou por estranhos, não passam de mais um dígito nas estatísticas sobre violência ou feminicídio. Para lembrá-las e cobrar providências das autoridades, familiares, parentes e amigos se reuniram hoje (7), em todo o país, dia em que a Lei Maria da Penha completa 12 anos.

“Tenho 40 anos e não vi a violência contra a mulher diminuir nesses anos todos. Só vejo crescer. É muita violência, a todo momento, em todo lugar, de várias formas. É uma violência cometida não só por homens. Mas também pelas próprias mulheres contra mulheres”, diz Eliolora Matoso, a Lora, que participou de ato no centro de São Paulo pelos 12 anos da entrada em vigor da Lei Maria da Penha.

Com discursos e palavras de ordem, dezenas de mulheres se reuniram diante da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), enquanto uma comissão foi recebida pelo chefe de gabinete, José Castro, já que o secretário Filipe Sabará estava fora. Único homem presente, o vereador Eduardo Suplicy (PT) acompanhou a comissão, que entregou um manifesto contra o desmonte dos serviços públicos iniciado por João Doria e seguido por Bruno Covas – ambos do PSDB – que afeta em cheio as políticas para as mulheres na cidade de São Paulo.

Manifesto
Na sequência, o grupo caminhou até a sede da prefeitura, no viaduto do Chá, onde protocolou a entrega do mesmo manifesto, que foi entregue também no Ministério Público Estadual. Organizado pela União de Mulheres de São Paulo, as Promotoras Legais Populares e as Maria, Marias e outros coletivos e organizações feministas parceiras, o 9º Abraço Solidário às Mulheres em Situação de Violência foi marcado pela reivindicação, sem nada a comemorar.

De acordo com o a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo. O Atlas da Violência de 2018 indica que em 2016 foram assassinadas 4.645 mulheres no país. Em 10 anos, houve aumento de 15,3% no número de homicídios de mulheres no Brasil.

De 2006 a 2016, a taxa de homicídios cresceu mais entre as negras (15,4%), enquanto entre as brancas houve queda de 8%. Apesar da queda de 40,4% de homicídios de mulheres no estado de São Paulo, há registro de 2,2 feminicídios a cada 100 mil habitantes, e 2,4 quando consideradas apenas as mulheres negras, conforme o Atlas. São dados, conforme a organização do 9º Abraço, demonstrando que a violência contra a mulher tem cor: mulheres negras estão morrendo mais que as brancas.

O manifesto lembra ainda a vereadora pelo Psol no Rio de Janeiro Marielle Franco. Mulher, negra, LGBT, mãe, favelada, foi assassinada em 14 de março. Até agora o crime não foi esclarecido.

"Sua morte representa a tentativa de silenciamento de vozes e lutas que incomodam, que movem as estruturas, e explicita a situação de vulnerabilidade à qual nós mulheres, em especial as mulheres negras, estão submetidas em nossa sociedade", afirma o manifesto assinado pela União de Mulheres de São Paulo, Promotoras Legais Populares e Projeto Maria, Marias.

Patriarcado
Ainda segundo o documento, a violência doméstica e familiar contra as mulheres é "a expressão mais gritante do machismo na nossa sociedade, ela tem raízes profundas no patriarcado, no racismo, sexismo e na divisão desigual do trabalho entre homens e mulheres. A mudança dessa realidade só será possível com a luta dos movimentos de mulheres e a efetivação das políticas públicas prometidas em lei".

As entidades reivindicam serviços públicos estruturados e equipados, conforme previsto na Lei Maria da Penha, em todo o estado. E a criação de centros de referência da mulher, casas abrigo, casas de passagem, juizados e interdisciplinares.

A lei determina que “o poder público desenvolverá políticas que visem garantir os direitos humanos das mulheres no âmbito das relações domésticas e familiares no sentido de resguardá-las de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.”

No entanto, segundo as entidades, a cidade de São Paulo assiste ao desmonte e desmantelamento dos serviços e políticas públicas de atendimento às mulheres. "Há dificuldade de articulação, profissionais trabalhando de maneira precária, sucateamento dos serviços, equipamentos sem estrutura e redução dos recursos", disse a psicóloga Rachel Moreno, militante da causa das mulheres.

Logo que tomou posse, o então prefeito e candidato ao governo paulista João Doria extinguiu a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, transferindo esse atendimento para a pasta dos Direitos Humanos, o que demonstra descaso com a proteção das mulheres.

Para piorar a situação, os Centros de Cidadania da Mulher (CCMs) funcionam precariamente e só não fecharam as portas graças ao trabalho voluntário. Não existe ali nem o atendimento da Defensoria Pública. O quadro é o mesmo nos Centros de Referência de Mulheres em Situação de Violência (CRMs).

As manifestantes reforçaram a reivindicação da criação de Juizados de Violência Doméstica, com formação jurídico-política dos profissionais da área para compreensão da violência doméstica no contexto das desigualdades de gênero e garantia de assistência jurídica integral às mulheres.

Rede Brasil Atual

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia