Notícias
 
Metalúrgicos lutam para impedir retirada de direitos das mulheres
Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT de São Paulo (FEM-CUT) alerta que retrocessos atingem principalmente as trabalhadoras
07/08/2018




 Com a "reforma trabalhista", os retrocessos atingem principalmente as trabalhadoras, que estão com seus direitos ameaçados, alerta a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT de São Paulo (FEM-CUT), após negociações com a bancada patronal para manter as cláusulas que beneficiam a mulher na convenção coletiva.

Entre as principais pautas estão os direitos das gestantes e mães recentes. A atual convenção da categoria estabelece que, quando a mãe volta de licença maternidade, ela tem direito a entrar meia hora antes ou sair meia hora depois do seu expediente até a criança completar seis meses.

Mas a federação denuncia que a licença amamentação remunerada, garantida na convenção coletiva de trabalho da categoria, está ameaçada nas negociações da campanha salarial deste ano. As empresas querem retirar esse e outros direitos. "Eles querem uma convenção coletiva "enxuta" de direito, jogando todas as nossas negociações na lata do lixo. Não podemos achar que isso é normal", alerta Andréa Ferreira, secretária da Mulher da FEM-CUT, em entrevista à repórter Michele Gomes, da TVT.

Andrea Chagas Santos, ajudante geral numa metalúrgica em Diadema, é uma das trabalhadoras beneficiadas pela convenção. Além dos quatro meses de licença que a lei prevê, ela teve direito à licença remunerada de 15 dias para poder amamentar a filha recém nascida, por conta do acordo do sindicato com os patrões. "Minha filha, graças a Deus, ela é bem de saúde. A primeira amamentação da criança é muito importante porque vai evitar infecções e doenças, porque a criança não tem a imunidade necessária", conta.

De acordo com a sindicalista, o maior desafio da representação dos trabalhadores é conseguir manter as garantias em dois grupos: o 3, dos trabalhadores de autopeças, forjarias e parafusos, e o 2, dos funcionários em empresas de máquinas e eletrônicos.

O setor patronal do Grupo 2 quer alterações em 55 das 64 cláusulas já firmadas na convenção coletiva. Já o do Grupo 3 propõe mudar 38 itens. Andréa explica que os sindicatos patronais se utilizam das mudanças na "reforma" Trabalhista para tentar impor a retirada de direitos. "Eles estão com aquela vontade mesmo de aplicar a "reforma" trabalhista", lamenta.

(Fonte: Rede Brasil Atual)

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia