Notícias
 
Maioria dos deputados decide barrar segunda denúncia contra Temer
Presidente e dois ministros são acusados de arrecadar R$ 587 milhões em propinas de empresas investigadas na Lava Jato
25/10/2017




 Por 251 votos a 233, o plenário da Câmara Federal decidiu livrar o presidente golpista Michel Temer (PMDB) da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). O mandatário é acusado dos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. Com isso, o peemedebista não poderá ser investigado e o processo será arquivado, assim como ocorreu com a primeira denúncia, votada em agosto deste ano. Nesta votação, Temer recebeu 12 votos a menos que na primeira.

Entre os partidos que orientaram as bancadas a votarem a favor de Temer, estão PMDB, DEM, PR, PTB, PSD, Pros, Solidariedade, PSC e PP. Do outro lado da decisão, PT, PCdoB, Psol, Rede, PDT, PHS, Podemos e PSB indicaram o voto contrário ao presidente, pedindo a apuração dos fatos apontados pela PGR.

Já o PV e o PSDB, que integram a base aliada, não conseguiram fechar questão em torno da pauta e liberaram os deputados para votarem como quiserem.

Durante o processo, que teve voto aberto, dois deputados se abstiveram e 25 estiveram ausentes.

Tensão

Com duração de duas horas e meia, a votação ocorreu sob clima de tensão e acirramento da disputa entre base aliada e opositores. Um dos momentos de destaque se deu quando o deputado Wladimir Costa (Solidaridade-PA) ergueu em plenário uma faixa com a frase "Deixe o homem trabalhar; vão procurar o que fazer", em referência ao voto favorável a Temer.

A atitude provocou reações da oposição, que respondeu com cartazes alusivos às barganhas realizadas pelo Planalto para garantir o apoio da base na votação. Segundo levantamento feito pelo Psol, o montante gasto com emendas parlamentares chegou a R$ 1,8 bilhão entre setembro e outubro. Esse valor somado a outras concessões – como, por exemplo, a anistia de dívidas empresariais através do Refis – atinge a casa dos R$ 250 bilhões.

Duas sessões

A primeira sessão do dia foi aberta pouco depois das 9 horas da manhã, mas se encerrou por volta das 14 horas sem a votação, por falta de quórum. Somente no início da noite, durante uma segunda sessão, o plenário atingiu as 342 presenças necessárias para votar a pauta.

A demora foi uma estratégia da oposição de esvaziar o plenário para tentar impedir a votação e adiar a consulta para as próximas semanas, na tentativa de desgastar ainda mais o governo e ampliar a possibilidade de votos entre os dissidentes da base aliada.

Denúncia

Além de Michel Temer, são alvos da denúncia apresentada pela PGR os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco. Os três são acusados de arrecadar R$ 587 milhões em propinas pagas por empresas investigadas no âmbito da Lava Jato, entre elas a JBS. Todos eles negam as acusações e se dizem vítimas de perseguição política.

Fonte: Brasil de Fato

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia