Notícias
 
O Brasil não vai sair da crise tirando direitos dos trabalhadores
A reforma trabalhista poderá ser votada nesta terça, 11, leia a opinião do presidente da CUT-RS
10/07/2017


Daiane Cerezer | Sul21
Claudir Nespolo presidente CUT-RS


 O presidente do Senado pretende votar nesta terça-feira, dia 11, o projeto da chamada reforma trabalhista do presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB). Se for aprovado, prejudicará não somente os trabalhadores, mas também as próprias empresas e o governo, que irá perder receitas gigantescas e arrecadar menos para a Previdência, colocando em risco o futuro das aposentadorias e pensões.

Nenhum país do mundo saiu de uma crise econômica, tirando direitos e precarizando os empregos dos trabalhadores, mas sim através de programas de aquecimento da economia e de estímulo ao desenvolvimento.

As entidades empresariais, que defendem essa proposta perversa, estão dando um verdadeiro tiro no pé. Segundo o economista gaúcho e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Márcio Pochmann, esse projeto que modifica mais de 300 artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) não vai melhorar a vida do trabalhador, nem contribuirá para criar empregos e fazer o Brasil crescer. Vai apenas dar ainda mais poder aos empresários, com risco de estrangular o mercado consumidor interno.

Segundo ele, “a empresa que percebe num primeiro momento a reforma como uma possibilidade de redução de custos depois não terá para quem vender seus produtos. O custo de contratação também é renda em circulação”, alerta. “Com a renda menor, o empresário terá dificuldade de vender o seu produto, de prestar o seu serviço, pois não haverá consumo, nem consumidor e demanda para sustentar o aumento da produção.”

Essa “reforma” não passa de um projeto empresarial que, se for aprovado, irá desestruturar completamente as relações de trabalho, pois irá permitir a terceirização na atividade-fim das empresas, a pejotização desenfreada, a jornada intermitente (o trabalhador só recebe pelas horas trabalhadas), a jornada de até 12 horas diárias, a redução para 30 minutos do intervalo para almoço e a ampliação do contrato de trabalho temporário (de 3 meses para 6 meses), dentre outros retrocessos incompatíveis com a dignidade da classe trabalhadora.

Se a lei vale para todos, com essa “reforma” a CLT não valerá mais para os trabalhadores, pois irá possibilitar o negociado sobre o legislado, isto é, a negociação direta entre patrões e empregados sobre direitos fundamentais em condições rebaixadas. Será um retorno ao passado que acaba com os direitos trabalhadores nos últimos 100 anos.

A CLT nunca foi problema para a geração de empregos. O Brasil chegou inclusive a ter uma situação de pleno emprego, em 2014. Ela foi atualizada ao longo da história. Dos mais de 900 artigos que possui hoje, somente 10% deles se mantêm como estabelecidos em 1943, quando foi assinada pelo ex-presidente Getúlio Vargas.

Como se não bastasse, essa “reforma” irá dificultar a atuação dos sindicatos, que defendem os empregos e os direitos dos trabalhadores, e irá estabelecer limites para inviabilizar a Justiça do Trabalho, onde os empregados recorrem quando os patrões não cumprem os seus direitos. Querem rasgar a CLT e abandonar o trabalhador à própria sorte.

Em vez de atacar os trabalhadores e os seus sindicatos, as entidades empresariais deveriam prestar contas e dar transparência para a sociedade sobre o funcionamento do Sistema S, que arrecadou cerca de R$ 16 bilhões em 2016, segundo dados da Receita Federal, o que corresponde ao montante obtido com o desconto de 1% a 2,5% de todas as folhas de pagamento mensal das empresas.

Apelamos, de modo especial, ao senador Lasier Martins (PSD-RS), que assumiu compromisso com as centrais sindicais de votar contra as “reformas” trabalhista e da Previdência, e à senadora Ana Amélia (PP-RS), que prometeu “cuidar das pessoas” na sua campanha eleitoral, para que ambos votem contra esse projeto nefasto para o Brasil. Que se unam ao senador Paulo Paim (PT-RS), que tem lutado incansavelmente com coragem e determinação em favor dos direitos dos trabalhadores e aposentados e contra essas reformas neoliberais, defendendo efetivamente as pessoas e não os interesses do capital.

Claudir Nespolo, presidente da CUT-RS

Fonte: CUT-RS

 
Veja também
 
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia