Notícias
 
15 de março: Sindicato dos Metalúrgicos de Porto Alegre lança frente contra a Reforma da Previdência
.
15/03/2017


Inácio do Canto e Álvaro Lima (Secom/TRT-RS)
Frente em Defesa da Dignidade do Trabalho é composta pelo TRT4 e mais outras 22 instituições


O Sindicato dos Metalúrgicos de Porto Alegre começou esta quarta-feira, 15, com uma assembleia na GKN, zona norte de Porto Alegre, sobre a Reforma da Previdência. Os diretores explicaram os principais pontos negativos da medida que o ilegitimo presidente, Michel Temer, quer implementar, destruindo anos e anos de direitos conquistados com muita luta pelos trabalhadores e trabalhadoras.

Após a assembleia, os diretores do nosso sindicato se dirigiram ao Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) onde ocorreu uma série de palestras para debater as reformas Trabalhista e Previdenciária. O evento marcou o lançamento da Frente em Defesa da Dignidade do Trabalho, grupo que o Sindicato dos Metalúrgicos de Porto Alegre integra. A solenidade, que lotou o auditório Ruy Cirne Lima, no Foro Trabalhista de Porto Alegre, contou com grande número de magistrados e servidores, bem como sindicalistas e membros de outras entidades que integram a Frente.

Lançamento da Frente em Defesa da Dignidade do Trabalho 

A presidente do TRT-RS, desembargadora Beatriz Renck, abriu o evento com uma defesa da Legislação Trabalhista e das instituições que visam a implementá-la, em especial a Justiça do Trabalho. “A Justiça do Trabalho busca defender um trabalho digno, que permita à pessoa humana desenvolver todo o seu potencial”, explicou. “Nossa preocupação vai além da prestação Jurisdicional”, acrescentou a desembargadora.

O médico do trabalho, que atua no nosso sindicato, Rogério Dornelles elogiou a postura das instituições reunidas na Frente, exaltando a importância de reconhecer a realidade social e, diante dela, se posicionar. “O desemprego no Brasil não é causado pela Justiça do Trabalho, muito menos por aqueles que atuam na sua defesa”, declarou.

O presidente da Amatra4, o juiz do Trabalho Rodrigo Trindade, também elogiou a criação do coletivo, em um momento que ele descreve como sendo dos mais dramáticos da história nacional pela desconstrução de direitos conquistados pelos trabalhadores. “O objetivo dessas reformas é passar da apropriação da força de trabalho à apropriação da vida do trabalhador”, exclamou, esclarecendo que em metade do território nacional a expectativa de vida é menor do que a nova idade proposta para a aposentadoria.

O lançamento incluiu a leitura do Manifesto pelo Trabalho Digno e Decente, redigido pelos integrantes da Frente. O documento, apresentado pela juíza do Trabalho Carolina Gralha, denuncia um ataque aos mecanismos de proteção social, conclamando à realização de uma CPI da Previdência Social.

A mesa também cedeu espaço ao Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Rio Grande do Sul (Sintrajufe-RS). A entidade obteve liminar contra a campanha publicitária do governo federal a respeito da proposta de reforma da Previdência. O argumento que embasou a decisão foi de que a publicidade sobre a reforma da Previdência não cumpre as obrigações constitucionais e legais sobre a publicização oficial de dados, que determinam o caráter informativo, educativo e de orientação social que deve estar presente em todas as campanhas governamentais.

Palestras aprofundaram debate

A primeira das três palestras que marcaram o evento foi realizada pelo juiz do Trabalho Guilherme Feliciano, do TRT de São Paulo. Ele denunciou aquilo que considera o “caráter perverso” da Proposta de Emenda Constitucional 287: “Além de elevar a idade para a aposentadoria, a PEC prevê a a revisão periódica dessa idade para acompanhar a elevação da expectativa de vida”, destaca. “Isso quebra o pacto de solidariedade entre gerações que configura a Previdência Social”, conclui.

O economista Denis Maracci explorou a reforma da Previdência a partir de um resgate da lógica previdenciária e da realidade político-econômica brasileira. “O princípio fundacional da estruturação do sistema de previdência na Constituição Federal de 1988 é o princípio da cidadania, com a extensão do benefício para pessoas que não contribuem diretamente”, explica. Ele embasa nessa premissa uma crítica ao discurso político que acusa o sistema previdenciário de ser deficitário, pois essa tese ignora a diversidade de fontes que compõe o sistema. “O orçamento de seguridade social foi permanentemente superavitário em todo o período no qual a Previdência, integrada a ele, foi considerada a grande inimiga fiscal no País”, reforça.

As teses do juiz Feliciano e de Maracci foram corroboradas pela apresentação da também economista Anelise Manganelli, do Dieese, que trouxe dados e números referentes aos sistemas previdenciários de países desenvolvidos. Com base em relatórios da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), ela demonstrou que em todos os sistemas utilizados por esses países, os governos contribuem para o fundo previdenciário com recursos de outras áreas. Além disso, reforçou que a PEC 287 criaria uma “regra rígida e igual para uma sociedade desigual”, afetando de forma violenta categorias como as professoras de ensino médio: “mulheres com 44 anos, ao invés dos 6 anos que faltam atualmente para se aposentar, teriam de trabalhar 21 anos a mais pelas novas regras”.

*Informações: Secom/TRT-RS

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia