Notícias
 
É hora do enfrentar a direita, avaliam sindicalistas em evento da CNM/CUT
Na abertura da reunião ampliada da direção da entidade, nesta terça (24), eles reafirmaram necessidade de restituir democracia no país. E Luis Nassif defendeu volta de modelo do governo Lula
24/01/2017


Crédito: Roberto Parizotti


 Não há outro caminho para a conjuntura atual senão o enfrentamento com a direita e com aqueles que querem impor retrocessos à classe trabalhadora e à grande maioria da população no país. A avaliação foi feita na manhã desta terça-feira (24) pelo presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), Paulo Cayres, na abertura da reunião ampliada da direção da entidade, que reúne mais de 100 dirigentes sindicais metalúrgicos de todo o país, representantes de outras categorias e especialistas como o ex-ministro da Previdência, Carlos Gabas, e o jornalista Luis Nassif.

O encontro, que prossegue até esta quarta (25), na sede da Confederação, em São Bernardo do Campo (SP), tem o objetivo de preparar a agenda de mobilização unitária dos metalúrgicos da CUT para, como pauta imediata, lutar contra as reformas trabalhista e da Previdência.

Ao lado de Cayres, na abertura do evento, estavam o presidente da CUT, Vagner Freitas, o coordenador da Federação Única dos Petroleiros, José Maria Rangel, e representando o Macrossetor da Indústria da CUT, a presidenta da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Têxtil, Cida Trajano, o secretário geral da Confederação Nacional dos Químicos, Itamar Sanches, e o secretário de Política Sindical da Confederação dos Trabalhadores na Alimentação, Rafael Morelli.

Paulo Cayres destacou que o encontro é o primeiro passo para discutir a ação unitária na categoria de resistência ao golpe e que a responsabilidade dos sindicalistas é imensa para organizar os trabalhadores e pressionar os parlamentares em cada região para que não aprovem as medidas de retrocesso do governo golpista de Michel Temer. “É preciso ter consciência do nosso papel para fazer o enfrentamento para reverter o caminho do caos. Não estamos num enfrentamento qualquer. A burguesia foi para a rua com a sua pauta. É enfrentamento total à direita”, alertou.

Restituir a democracia
Já Vagner Freitas lembrou que não haverá direitos assegurados enquanto o presidente usurpador estiver no poder. "Rasgou-se a Constituição para rasgar a CLT", assinalou, para reafirmar que o golpe que pôs Michel Temer no poder foi feito contra os trabalhadores. "Nossa pauta é derrubar o Temer, é restituir a democracia no Brasil. Não é a hora de discutirmos quem é o protagonista da luta contra a direita", disse.

"Não temos espaço para conciliação com esse governo. Vocês acham mesmo que vai ter negociação de pauta com o Temer?", questionou Freitas. "A pauta que nos unifica é "fora Temer", diretas já, nenhum direito a menos e pela volta da democracia. Não podemos ser dúbios na hora de falar com os trabalhadores. Temos de deixar claro que o grande problema hoje é o estupro à democracia. A crise política que eles criaram aprofunda a crise econômica".

Solidariedade de classe e debate diário
Em suas intervenções, os representantes do Macrossetor da Indústria da CUT destacaram a importância da unidade e da solidariedade na luta da classe trabalhadora e dos movimentos sociais contra o ataque aos direitos e à democracia no Brasil. “Precisamos ir além da nossa organização enquanto CUT e dialogar com os partidos e organizações de esquerda para barrar a malvadeza de quem estão no poder hoje”, ressaltou Cida Trajano, que também é coordenadora do Macrossetor.

"Nosso grande desafio deste ano, junto com o movimento social e outros movimentos, é trazer o povo e mostrar a realidade do que está acontecendo após o golpe. A gente já sabia, mas o pacote de maldades é muito grande. Esse é um debate que temos que fazer no dia a dia, permanentemente", disse Itamar Sanches, da CNQ. “A solidariedade continuará sendo nossa principal arma”, completou Morelli, da Contac.

“É preciso encontrar um jeito de mobilizar a sociedade contra os ataques. É preciso mostrar que a responsabilidade pelos quase 25 milhões de desempregados no país não é de quem eles arrancaram do poder e nem do projeto que estava em curso no Brasil. É desses caras que estão destruindo o nosso país. Ou a gente acorda e vai para a luta, ou...”, enfatizou o petroleiro Rangel.

Nassif: modelo atual não dará certo
Logo depois da sessão de abertura, o jornalista Luis Nassif, especializado na cobertura da área econômica e diretor da Agência Dinheiro Vivo e do Jornal GGN, lembrou que o Brasil vive hoje um embate que não é novo, referindo-se a uma disputa entre visões neoliberais e desenvolvimentistas, envolvendo financeirização, globalização e Estados nacionais. "O capital é importante, mas vinculado a um projeto de país", comentou. Para ele, o "discurso mercadista" que sustenta o atual governo tende a enfraquecer.

"Não tem nenhuma chance de esse plano de estabilização dar certo", afirmou Nassif. “Eles não têm projeto de país, não têm projeto de desenvolvimento, não têm projeto eleitoral. O que eles propõem é inviável na democracia”, assegurou, referindo-se ao governo ilegítimo e seus apoiadores.

O jornalista defendeu ainda o retorno a um modelo semelhante ao existente no governo Lula, que contemple políticas sociais, desenvolvimentismo e mercado. Defendeu também o fortalecimento da comunicação das entidades sindicais.

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia