Notícias
 
Sabe quem vai pagar o pato do golpe?
Você trabalhador/a brasileiro/a!
19/04/2016




No domingo, 17 de abril, a Câmara Federal aprovou o prosseguimento do processo de impeachment contra a presidenta Dilma. Militantes de movimentos sociais como a CUT e sindicatos filiados saíram às ruas para protestar e pressionar para que isso não acontecesse.

Apesar da pressão, o golpe na democracia foi decretado por 367 dos 513 deputados federais que disseram “sim” à proposta e desrespeitaram os votos de 54 milhões de brasileiros. Assim, a presidenta Dilma poderá ser impedida de permanecer no cargo por um suposto “crime de responsabilidade”, que nada tem a ver com os casos de corrupção atualmente investigados no país, caso um menor número de parlamentares do Senado também digam “sim” ao impeachment.

O objetivo da militância não era defender a presidenta, mas, sim, defender a democracia. Afinal, contra Dilma não há concretamente nenhum crime de corrupção, apenas o tal arranjado "crime de responsabilidade". O objetivo das mobilizações também visava evitar o retrocesso que se avizinha. O afastamento da presidenta colocaria na linha sucessória três acusados de corrupção, políticos que receberam polpudas contribuições empresariais, enfraqueceria a esquerda brasileira, que é quem de fato defende os direitos da classe trabalhadora no Congresso Nacional, e deixaria o caminho livre para a aprovação sem vetos presidenciais os 55 projetos patronais já denunciados no jornal Folha Metalúrgica, retirando ou flexibilizando inúmeros direitos trabalhistas e sociais. Também para impor os projetos constantes no documento chamado “Uma Ponte para o Futuro”, onde os patrões reivindicam o fim da obrigatoriedade dos gastos fixos em educação e saúde públicas e reformas nas leis trabalhistas e previdenciárias, prevendo, por exemplo, o fim da política de valorização do salário mínimo, a imposição da idade mínima para as aposentadorias e a prevalência do negociado sobre o legislado, que colocaria em risco inúmeros direitos consagrados, como as férias, o 13º salário, o aviso prévio, o FGTS, entre outros.

Infelizmente, com a aprovação e a continuidade do golpe, tudo indica que a classe trabalhadora brasileira vai mais uma vez pagar caro o pato da crise que não foi criada por ela.

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia