Notícias
 
Entrevista com o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas
"Golpe é primeiro passo para retirar direitos trabalhistas"
14/12/2015


Durante ato público no último dia 8, no Rio de Janeiro, o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, já alertava ao trabalhador: é fundamental avaliar quem deseja o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff.

O dirigente lembra que os interessados no impeachment são os mesmos que criticam a política de valorização do salário mínimo, defendem a terceirização sem limites e repudiam as políticas de igualdade de gênero e raça.

Em entrevista ao Portal da CUT, Vagner defende que o golpe é apenas o primeiro passo de uma agenda conservadora de retrocessos que, após o impeachment da Dilma, trará para o alvo os trabalhadores e os movimentos sindical e sociais.

Por isso, nas manifestações convocadas para o dia 16 de dezembro em São Paulo e Brasília, é fundamental que a classe trabalhadora vá às ruas defender seus direitos.

A conjuntura que enfrentamos hoje é a maior ameaça real à democracia desde o golpe civil-militar?

Vagner Freitas – Eu acredito que é, definitivamente, um ameaça à democracia orquestrada por aqueles que perderam as últimas eleições e querem ganhar no tapetão. O impeachment é péssimo para a democracia e, principalmente, para o trabalho. Os mesmos que querem dar o golpe são os que propõem a terceirização sem limites, que querem acabar com a política de valorização do salário mínimo, com a carteira assinada, com as férias, com a licença-maternidade. São os mesmos que querem acabar com a Previdência, estabelecer que os homens têm de se aposentar com 75, 80 anos e mulheres com 70, 75 anos. É isso que significa para o trabalhador derrubar o governo Dilma. No dia seguinte, essa agenda dos conservadores será emplacada, sairá vitoriosa. Ou alguém acha que o Temer (Michel Temer, vice-presidente da República) se preocupa conosco?

Basta dar uma lida na plataforma para o Brasil que o PMDB acabou de entregar e que só fala em cortar direitos. O documento que se chama Uma Ponte para o Futuro nós chamamos de uma ponte para o atraso, uma ponte para a retirada de direitos. Temos feito uma luta hercúlea para impedir que esse Congresso reacionário, comandado pelo Cunha (PMDB-RJ, presidente da Câmara dos Deputados), retire nossas conquistas. A terceirização sem limites só não passou porque fizemos uma resistência extraordinária. A democracia está em xeque, há um golpe que pode ser aplicado e fará com que o Brasil entre numa turbulência política muito grande, porque haverá resistência de quem não concorda com o golpismo, como nós não concordávamos com a ditadura e fizemos com que ela acabasse. Portanto, esse golpe não traz nada de bom para o trabalhador, a economia continuará paralisada por conta da crise política e isso significa inflação e desemprego.

Quais aliados a CUT vai procurar para construir as mobilizações contra o golpe?
Vagner –
A grande manifestação que teremos no dia 16 de dezembro em São Paulo e em Brasília contra o golpe, pelo fora Cunha e pelo fim do ajuste fiscal unificará todas as entidades sindicais e sociais como CUT, UNE, MST, MTST, CMP. É a primeira vez que isso acontece desde a época em que fizemos o enfrentamento e o impeachment do ex-presidente Collor, aí sim, corretamente, porque contra o Collor havia denúncias de corrupção comprovadas, algo que não há contra a Dilma. Sequer há um processo aberto contra ela. Vamos disputar a compreensão da sociedade fazendo um grande ato de rua. Vai ter um ato dos golpistas no dia 13 pelo impeachment e um no dia 16 dos que defendem um Brasil com desenvolvimento e dizem não ao retrocesso e ao golpe.

O que os sindicatos têm de fazer para falar com suas bases sobre o golpe?
Vagner –
Os sindicatos têm que colocar a luta contra o golpe como centro de sua atuação política daqui até o desfecho do processo. Colocar nos seus jornais, sites, porque fazer sindicalismo, defender direitos dos trabalhadores é ser contra o golpe. Não adianta discutir só pauta de emprego e salário, porque se não tivermos a presidenta Dilma daqui a 20, 30 dias, a pauta dos sindicatos com Temer e Cunha não vai andar. Tem que ter essa posição política efetiva de defender os trabalhadores para que não haja o golpe. E tem que ir para a porta da fábrica, da escola, do banco, para a roça, para a loja, supermercado, para as ruas explicar ao trabalhador o que é o impeachment. Dizer para quem está preocupado com seu emprego e que foi beneficiado pelo PPE, que vai até julho: se não houver renovação, teremos perda de emprego. O trabalhador tem que ser contra o golpe para defender suas conquistas dos últimos 13 anos. O impeachment é um subterfúgio que a direita organizou para implementar sua prática de tirar direitos dos trabalhadores, diminuir custos e aumentar os lucros.

Uma das coisas positivas desse embate com os golpistas foi desmascarar uma base aliada do governo Dilma que, como a CUT apontava, era frágil e pouco confiável. Você acha que isso permite uma ousadia da presidenta a partir de agora?
Vagner –
Não tenho dúvida nenhuma. A presidenta é uma mulher preparada, inteligente, séria, honesta e sabe que o Brasil tem uma situação econômica muito difícil. Claro que é agravada por uma crise política, além da economia internacional, que a impede de governar e aflige a todos os países do continente. Mas também lida com alguns equívocos de sua própria política econômica. Acredito que não pode haver o recesso no Congresso e que essa situação tem que se desfechar ainda este ano com a manutenção da democracia e do mandato da Dilma. Mas não é para ela fazer até 2018 a mesma política econômica e fiscal que ela está fazendo agora.

Porque se isso acontecer, se não tiver uma transformação, não tenho dúvida de que daqui a três, quatro, seis meses os golpistas não vão falar mais do impeachment, mas da renúncia. Dizer que precisa renunciar porque o Brasil vive processo insolúvel. E se tiver inflação de 12%, 13% e desemprego na mesma faixa, fica muito fragilizada mesmo. Até os trabalhadores, que estarão passando por ainda mais dificuldades, não ficarão à vontade para defendê-la. A presidenta tem a chance de unir o Brasil em torno da democracia e, na sequência, governar com aqueles que vão manter seu mandato. Fazendo alterações no governo, tendo política econômica mais popular e voltada ao desenvolvimento do mercado interno. Que saia da questão do corte e ajuste, simplesmente, e aponte para a sociedade soluções que retomem o processo de crescimento, com propostas como as que própria CUT fez no seu 12º Congresso neste ano. E outros economistas renomados têm construído também, como Marcio Pochmann e Belluzzo (Luiz Gonzaga Belluzzo), diferente dessa do Levy (Joaquim Levy, ministro da Fazenda). Essa não é a única que existe para o Brasil. Ela precisa implementar outras ideias e fazer um governo que consiga entregar um país melhor do que quando assumiu.

A CUT apresentou o Compromisso pelo Desenvolvimento, discutido também com os empresários. Você acredita que eles também têm essa visão de que o golpe é sinônimo de caos social?
Vagner –
Uma parcela sim, mas há outra que aposta no golpe e ajuda a construí-lo. Mas muitos entendem que isso é ruim para o próprio negócio, que seria melhor haver uma solução para o problema político do Brasil para ter possibilidade de solução para a economia.

Por que o trabalhador deve acreditar que é possível vencer o golpismo?
Vagner –
Porque o trabalhador brasileiro é um lutador, um vencedor. Os conservadores do Brasil, setores do empresariado, da mídia e o mercado financeiro querem vender a ideia de que o país é uma porcaria, que aqui não presta, que é melhor ir para Miami. O Brasil tem uma classe trabalhadora organizada, um movimento sindical organizado, um movimento social forte. Há democracia aqui, as instituições funcionam, diferente de uma série de outros países mundo afora. Isso é dito fora do Brasil, que é um país confiável para investimentos, desde que a crise política se resolva, porque tem instituições que funcionam. O trabalhador sabe que vale a pena lutar, sabe como era a vida dele há 13 anos e como é hoje. A juventude de São Paulo está lutando porque, os mesmos conservadores que querem o impeachment, querem fazer reforma educacional em São Paulo fechando escolas. E os alunos e pais derrotaram o golpista do Alckmin, um dos que puxam o coro do impeachment.

A Dilma tem que resgatar a identificação com o povo, que está perdendo através das políticas que pratica. Não é em um governo democrático e popular que tem de fazer reforma da Previdência, discutir pensionista, discutir salário-desemprego. Pelo contrário, temos que aumentar direitos para que se sintam respaldos e respeitados por ela e para que país volte a crescer. Todo país que tem política de ajustes fiscais, de terra arrasada têm exclusão. Investir em direitos dos trabalhadores e direitos sociais é trazer o desenvolvimento.

 

Fonte: Portal CUT

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia