Notícias
 
ONU: Desempenho fraco de economias emergentes, como o Brasil, causa desaceleração do crescimento mundial
Cenário de recessão do Brasil vai perdurar até o próximo ano, em que a economia deve se contrair em 0,8%
11/12/2015


O relatório Situação Econômica Mundial e Perspectivas 2016, lançado na quinta-feira (10/12), destacou que o fraco desempenho da economia de países em desenvolvimento, como o Brasil, tem desacelerado o crescimento mundial. A publicação avalia o contexto atual e prevê tendências socioeconômicas para 2016. Segundo a ONU, estima-se que, em 2015, o Brasil terá uma retração de 2,8% das suas atividades econômicas. O cenário de recessão vai perdurar até o próximo ano, em que a economia deve se contrair em 0,8%.

O documento, produzido pelo Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (UN/DESA), em parceria com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), as cinco comissões regionais da ONU e a Organização Mundial do Turismo (OMT), descreve como “persistentemente fracas” as performances econômicas de países emergentes como o Brasil e a Rússia. O Brasil, por exemplo, só voltará a crescer em 2017, com taxas estimadas em 2,7%.

Entre as economias em desenvolvimento e de transição, o relatório identificou, em 2015, o menor ritmo de crescimento desde a crise financeira global de 2008/2009. A desaceleração é devido à queda do valor das commodities, à instabilidade dos mercados financeiros e à evasão de capitais. Desde julho de 2014, o preço das commodities teve uma queda de 20,6%, de acordo com o relatório.

No mundo, o crescimento econômico apresentará elevações modestas nos próximos dois anos. A expansão das atividades socioeconômicas está estimada em 2,4%, para 2015, 2,9%, para 2016, e 3,2%, para 2017. As previsões positivas levam em conta a normalização antecipada da política monetária dos Estados Unidos, o que deve estabilizar os mercados.

O UN/DESA ressaltou, porém, que diferentes tendências não estão a favor da economia mundial. Entre elas, incertezas macroeconômicas duradouras, a volatilidade das taxas de câmbio e dos fluxos de investimento, a estagnação da produtividade, a redução do comércio e o descompasso entre a especulação financeira e as atividades de setores reais.

O atual ciclo de crescimento modesto tem impactado os mercados de trabalho, segundo o UN/DESA, provocando o aumento do desemprego na América do Sul e também a precarização das condições de produção. Por conta da baixa elevação dos salários e da redução do preço de algumas mercadorias, a inflação global atingiu o menor patamar desde 2009.

 

 

Fonte: Portal Democracia e Mundo do Trabalho

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia