Notícias
 
Frente Brasil Popular contra impeachment mobiliza o país
Stedile acrescentou que esta crise do golpe “ajudou a revelar que Padilha, Gilmar Mendes, Cunha e Temer são farinha do mesmo saco”
12/12/2015


Após o lançamento da Frente Brasil Popular, aumenta o apoio ao mandato da presidenta Dilma Rousseff, em todo o país. A mobilização, que se estende já por 48 horas, foi lançada na manhã desta sexta-feira, na capital gaúcha, em uma manifestação que reuniu mais de mil pessoas no auditório da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag).

A Frente reúne integrantes de movimentos populares, organizações sindicais e partidos políticos, que discutiram sobre a atual conjuntura política do Brasil, entre outras questões pontuais, como a agenda de ações para o próximo ano e a constituição da Comissão Operativa da FBP no Estado gaúcho.

O economista João Pedro Stedile, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), falou sobre a tentativa da direita brasileira e do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de instalar o golpe no país contra a democracia e o mandato da presidenta Dilma Rousseff.

Segundo ele, o enfrentamento a este golpismo, protagonizado pelas forças conservadoras, deve estar entre as pautas centrais do povo brasileiro.

— Temos que afinar a viola e enfrentar o impeachment, botar o povo nas ruas — disse.

Um dos líderes da Frente, Stedile acrescentou que esta crise do golpe “ajudou a revelar que Padilha, Gilmar Mendes, Cunha e Temer são farinha do mesmo saco”.

— Todos estão conspirando para derrubar Dilma — ressaltou.

Stedile ainda abordou as quatro crises combatidas pela Frente no país: política, social, ambiental e econômica

Para o dirigente do MST, é preciso ocorrer investimentos na indústria e agricultura brasileira para que se torne possível a retomada do crescimento da economia e do desenvolvimento social; assim como a realização de reformas estruturais, envolvendo moradia, transporte e acesso da juventude à universidade; e profunda reforma política, com o fim do financiamento privado de campanhas eleitorais.
Neste sentido, evidenciou o papel da participação popular:

— Historicamente, não é um partido, um governo ou a imprensa quem tira um país da crise. Isso acontece quando forças sociais organizadas formam um bloco hegemônico e apresentam um projeto de saída à sociedade para este problema — afirmou Stédile.

Já Miguelina Vecchio, presidenta nacional da Ação da Mulher Trabalhista (AMT), criticou as alianças partidárias que compõem o atual governo.

– Temos que fazer uma avaliação de com quem a gente anda. Com esse PMDB nós nem precisamos de adversários da ultradireita, porque o centro-esquerda é contra o governo. Parte da bancada peemedebista vota pelo impeachment porque acredita que se Dilma sair é o partido quem assume a presidência – argumentou.

Representando a União Brasileira de Mulheres (UBM), Abgail Pereira, complementou que o povo brasileiro não irá se agachar diante as dificuldades que assolam o Brasil e ressaltou que a crise do impeachment “é de uma burguesia que não admite outro projeto, se não o neoliberal”.

– Temos críticas pontuais a este governo, mas neste momento não se trata de quem é a favor ou crítico. O que nos une é essa clareza de que o nosso país está dividido com democratas e patriotas de um lado, e os golpistas de outro – acrescentou.

Frente em marcha contra o impeachment

No período da tarde a capital gaúcha presenciou uma manifestação contra o impeachment de Dilma. Com a participaçao da FBP, a 20ª Marcha dos Sem, protesto promovido anualmente pela Central dos Movimentos Sociais do Rio Grande do Sul (CMS), além de ter pautado a defesa de estabilidade institucional, pedia a cassação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o abandono do ajuste fiscal por parte do governo federal.

A marcha contra o impeachment se iniciou da Rótula das Cuias e teve como destino final o Palácio Piratini. Segundo os organizadores, 8 mil pessoas estavam presentes.

 

 

Fonte: Brasil de fato

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia