Notícias
 
Marcha em Porto Alegre defende Petrobrás, mudança na política econômica e exige fora Cunha
A mobilização antecipou na capital gaúcha a nova jornada nacional de lutas da Frente Brasil Popular
12/11/2015


“Fora já, fora já daqui, o Eduardo Cunha e leva junto o Levy”. Com essa palavra de ordem, mais de 500 pessoas demonstraram toda a indignação dos trabalhadores e da socidade com o presidente da Câmara dos Deputados e com ministro da Fazenda, durante a caminhada em defesa da democracia e da Petrobrás, por mudança na política econômica e fora Cunha.

A marcha começou em frente à igreja da Pompéia e percorreu diversas ruas por volta do meio-dia desta quinta-feira, 12, no centro de Porto Alegre. Participaram vários dirigentes da CUT-RS e de entidades filiadas, bem como militantes de movimentos sociais.

A mobilização antecipou na capital gaúcha a nova jornada nacional de lutas da Frente Brasil Popular, que promove um dia de manifestações nesta sexta-feira em todo o país. De acordo com o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, a antecipação foi definida na reunião da Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS), aproveitando a realização nesta quinta do seminário estadual de formadores da plataforma operária e camponesa para a energia, que reúne centenas de participantes do campo e da cidade.

Além da mudança na política econômica, os manifestantes saíram em defesa da Petrobrás e da soberania do país. “Nem que a coisa engrossa, a Petrobras é nossa”, foi outro grito que ecoou com força em favor da preservação do maior patrimônio do povo brasileiro.

“O Eduardo Cunha representa o atraso da velha política e o retrocesso com os ataques aos direitos trabalhistas. Também exigimos a saída do ministro Levy, pois não concordamos com a política econômica implantada por ele, que penaliza os trabalhadores”, afirmou Claudir.

Plataforma operária e camponesa para a energia

Antes da caminhada, os manifestantes participaram do “Seminário Estadual: Energia, Educação e Indústria no Brasil”, realizado no salão da igreja da Pompéia, promovido pela Federação dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul (FTM-RS) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Trata-se de atividade de formação de formadores da campanha da plataforma operária e camponesa para a energia.

O diretor da FTM-RS, Milton Viário, fez uma longa análise de conjuntura, pontuando a mudança na correlação de forças da luta política, alertando para a ofensiva da direita e dos neoliberais, enfatizando as negociações para superar a crise política e econômica, destacando o legado dos 12 anos de governo de centro-esquerda, apontando o esgotamento do modelo com a crise no financiamento público e a crise moral, e defendendo a construção da Frente Brasil Popular, uma tarefa de médio e longo prazo.

Também participaram do painel o representante do MAB, Marco Antonio Trierveiler, o presidente do Sindipetro-RS, Fernando Maia da Costa, e a diretora da Confederação Nacional de Trabalhadores em Educação (CNTE), Selene Michielin Rodrigues.

Os setores da energia, educação e indústria foram os temas centrais por serem alvo de uma forte ofensiva de grandes empresas capitalistas que visam se apoderar dos recursos do país. Um exemplo desse ataque é o PLS 131/2015, do senador José Serra (PSDB), que pretende acabar com o regime de partilha da camada do Pré-Sal, conforme garante a Lei 12.351.

O projeto tucano impõe menos arrecadação ao Fundo Social da União, impactando diretamente os recursos para a educação e saúde. Com isso, a educação pode perder até R$ 360 bilhões nos próximos 15 anos ou R$ 24 bilhões por ano, caso esse aprovado essa iniciativa de Serra.

Após a caminhada, foi debatido o plano de lutas para os próximos meses. A implementação dessa campanha foi debatida em grupos que, entre outros temas, discutiram a importância da Petrobras, do pré-sal e como os seus recursos podem financiar a educação, a saúde e o desenvolvimento industrial do país.

Agora, de dezembro de 2015 a fevereiro de 2016, o seminário estadual de formação será reproduzido nas diferentes regiões do Estado, procurando articular setores estratégicos da sociedade, formadores de opinião e militantes sociais. De março a junho do próximo ano, a ideia é desenvolver um trabalho de base para conversar sobre esses temas com a população.


Fonte: CUT-RS, com Sul 21

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia