Notícias
 
Trabalhadores programam atos em defesa dos empregos na indústria naval
Manifestações acontecem no próximo dia 2 em Niterói (RJ) e Rio Grande (RS) e reunirão metalúrgicos, petroleiros e trabalhadores ligados à CUT
24/09/2015




Metalúrgicos, petroleiros e trabalhadores de diversas categorias representadas pela CUT realizam, no próximo dia 2, manifestações em defesa da indústria naval brasileira, em dois polos do setor: Niterói, no Rio de Janeiro (a partir das 10 horas), e Rio Grande, no Rio Grande do Sul (às 17h30). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi convidado para o ato em Niterói, para o qual também foram chamadas lideranças do movimento social.

As manifestações estão sendo organizadas pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), pelas CUTs Estaduais (RJ e RS) e Federação Única dos Petroleiros (FUP). No caso da cidade gaúcha, a Federação Estadual dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul também se soma às entidades organizadoras.

Segundo Edson Rocha, coordenador do setor naval na CNM/CUT e presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói, os atos pretendem sensibilizar o governo e a Petrobras sobre a necessidade de retomar os investimentos na indústria naval brasileira e mostrar para a sociedade os efeitos causados pela Operação Lava Jato sobre os empregos do setor e os impactos sobre as economias das cidades que sediam os estaleiros.

“Em Niterói, neste momento, mais 3.500 famílias estão vivendo o drama do fechamento do Estaleiro Eisa (Mauá), que não pagou salários nem verbas rescisórias. Mas, como impacto direto da Lava Jato, obras e investimentos da Petrobras foram interrompidos e mais de 17 mil metalúrgicos perderam seus empregos no país desde 2014”, afirmou o sindicalista.

As entidades promotoras informam que as manifestações também defenderão a Petrobras e o atual modelo de exploração do petróleo do pré-sal, ameaçado por projetos que tramitam no Congresso Nacional propondo a privatização da companhia, para atender interesses das multinacionais do setor. “Queremos o fim da corrupção em nosso país, mas, no caso da Petrobras, a Lava Jato não pode justificar a paralisação das operações, a interrupção de obras já contratadas, a mudança da política de conteúdo local para a indústria naval e muito menos a privatização da estatal”, assinalou Rocha.

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da CNM/CUT

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia