Notícias
 
Centrais e frente de servidores prometem parar o Estado no dia 22 contra o aumento de ICMS
Os atos devem ocorrer em todo o Estado em protesto contra o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e de Serviços (ICMS)
17/09/2015




Representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da coordenação da frente dos servidores públicos estaduais e de movimentos sociais deram detalhes, na tarde desta quinta-feira (17), da mobilização que acontecerá no dia 22 de setembro, chamada de Dia estadual de Greves, Paralisações, Protestos e Manifestações. Os atos devem ocorrer em todo o Estado em protesto contra o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e de Serviços (ICMS), proposto pelo governo José Ivo Sartori (PMDB) e que deverá ser votado pela Assembleia Legislativa na mesma data. Na oportunidade, as lideranças distribuíram um manifesto conclamado a população a aderir à mobilização do dia 22.

O encontro também se transformou em uma homenagem ao vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Rio Grande do Sul (Sindsepe), Rogério da Silva Ramos, assassinado na noite de quarta-feira (16) na zona norte da Capital. Todas as lideranças sindicais usavam fitas pretas nas roupas como símbolo de luto, e responsabilizaram a política adotada pelo governo do Estado como causa do aumento da violência, que atingiu Ramos.

“Vamos parar o Estado contra o tarifaço”, afirmou o vice-presidente do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia (Ugeirm), Fábio Castro. Ele ressaltou, ainda, que o Dia Estadual de Greves é também contra o parcelamento de salários dos servidores e a precariedade dos serviços públicos, como a segurança. Conforme ele, só no primeiro semestre deste ano, a Região Metropolitana registrou mais de mil homicídios. O representante da Ugeirm acrescentou que “o episódio da morte” do vice-presidente do Sindsepe é resultado da criminalidade que aumenta no Estado. No dia 22, segundo Castro, os policiais civis irão cruzar os braços e vão se concentrar na Capital, onde ocorrerá o principal ato do dia de mobilizações. “Só atenderemos os casos mais graves que exigem intervenção imediata”, adiantou ele.

“Nós responsabilizamos a política do governo Sartori. O Rogério é mais uma vítima do desmonte do Rio Grande do Sul”, acusou o presidente do Sindsepe, Claudio Augustin, visivelmente abatido, sobre a morte do companheiro de sindicato, conclamando o funcionalismo a aderir à paralisação em homenagem à luta do sindicalista, que era motorista da Secretaria Estadual de Saúde e estava licenciado.

Amplitude das manifestações

Presidente da CUT, Claudir Nespolo frisou que a amplitude das paralisações dependerá de cada categoria, mas que a intenção é “parar o Estado”. “Vai ter rodovia trancada, o pessoal está muito brabo pelo aumento dos combustíveis”, comentou ele, sobre o impacto do aumento do ICMS, caso seja aprovado. De acordo com o líder sindical, as centrais sindicais estão conversando com diferentes categorias, como bancários e rodoviários, para definir o tipo de mobilização desses setores. “Ainda estamos conversando, nos reunindo para definir, mas vai ter garagem parada”, destacou Nespolo, admitindo que algumas agências bancárias devem fechar e rodoviários devem paralisar por algumas horas.

A ideia é começar as paralisações já na madrugada do dia 22. O principal ato ocorrerá, a partir do meio-dia, na Praça da Matriz, local onde os líderes sindicais esperam reunir milhares de manifestantes. Ao contrário da última quarta, quando a presidência da Assembleia não permitiu a entrada dos servidores para acompanhar as votações depois do bloqueio na Casa o dia anterior, desta vez o funcionalismo poderá entrar, porém o número será limitado pela distribuição de senhas. “Foi o dia mais triste da Assembleia em funcionamento”, afirmou o presidente da CUT a votação com galerias vazias.

Nespolo adiantou que a entidade sindical estuda a possibilidade de recorrer à Justiça para contestar asvotações da sessão de quarta, que resultou na aprovação, entre outros projetos, do que instituiu o regime de previdência complementar para os futuros servidores. “O Regimento Interno determina que as votações têm de ser com portões abertos”, argumentou o presidente da CUT. Por fim, ele criticou a “incompetência do governo, mesmo com o pêndulo favorável”, para aprovar seus projetos, referindo-se às propostas das extinções das Fundações de Pesquisa e Produção em Pesquisa (Fepps) e de Esporte e Lazer (Fundergs). O governo foi obrigado a retirar o quórum para evitar a derrubada dos dois projetos, inclusive com a colaboração dos deputados da sua base.

Depois do bloqueio da Assembleia Legislativa e da votação com as galerias vazias, a tensão entre os servidores e governo aumentou. Por isso, os dirigentes sindicais querem colocar milhares de servidores em frente à Assembleia e ao Piratini no dia 22 como uma resposta ao governo. “O governo nos impôs dupla derrotada: pela votação e pelas grades colocadas”, afirmou Érico Correa, representante do Sindicato dos Servidores da Caixa Estadual do Rio Grande do Sul (Sindicaixa), sobre os projetos aprovados e os gradis que separavam os servidores do Legislativo, na quarta-feira.
Projeto do governo de aumento do ICMS

Produtos/serviços........................................Alíquota atual....Alíquota proposta
Gasolina...............................................................25%............... 30%
Óleo diesel...........................................................12%................12%
Gás de cozinha....................................................12%................12%
Álcool hidratado....................................................25%................30%
Telefonia fixa e móvel...........................................25%...............30%
Cerveja, chope.....................................................25%................27%
Refrigerante..........................................................18%................20%
Energia elétrica - Residencial até 50kw)..............12%...............12%
                            Residencial acima de 50kw.......25%...............30%
                            Comercial...................................25%..............30%
                            Industrial.....................................17%..............18%
                            Rural...........................................12%..............12%

 

 

Fonte: Sul 21

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia