Notícias
 
Sartori aumenta impostos alegando que RS está na UTI
Mais uma vez, quem vai pagar o pato é o povo gaúcho
21/08/2015


O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), apresentou nesta quinta-feira (20) a quarta fase do ajuste fiscal que pretende aplicar no Estado. Dentre as medidas, a que tem mais impacto — e já esperada –, é a proposta de aumento de impostos, incluindo as alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) a partir de 2016. Embora dois pacotes anteriores ainda não tenham sido apreciados pela Assembleia Legislativa, este já foi enviado à Casa, em regime de urgência.

Sartori dividiu a entrevista coletiva com o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, que detalhou as propostas, em apresentação para a imprensa por cerca de uma hora e meia, no Palácio Piratini. "Usamos todos os remédios possíveis até aqui. O remédio é amargo, porque o Estado está na UTI", resumiu o governador. Ele destacou que outros estados, como Bahia, Paraná, Distrito Federal, Maranhão e Sergipe também precisaram "mudar alíquotas" para equilibrar finanças. "Estamos realizando sacrifícios desde o primeiro dia, e eu espero que a população gaúcha compreenda", pediu.

Assim como quando propôs a terceira fase, Sartori disse conhecer "o preço político" do pacote, mas garantiu estar "aberto ao diálogo" e acrescentou que o governo "não paralisou diante da crise". "Eu gostaria de conclamar a união de todos os gaúchos nesse momento difícil", disse.

Antes de iniciar a apresentação dos pontos, Feltes justificou porque o governo não cobra sonegações, o que considerou "um discurso raso", e porque não retira incentivos fiscais. "Quem iria querer retirar incentivos das indústrias de frango e de gado? Pouco ou nada o Rio Grande pode fazer", afirmou. Dentre as propostas, a primeira antecipa o fator gerador do IPVA, para 1° de janeiro, assim como muda a data-limite para 30 de abril. O Estado também criará o fundo Ampara RS, a partir de um adicional de 2% de alguns produtos: bebidas alcoólicas, cigarros e semelhantes, perfumaria e cosméticos e prestação de serviço de televisão por assinatura.

Já o projeto de lei que altera as alíquotas do ICMS aumenta de 17% para 18%. “Nenhum governo gostaria, ninguém fica feliz ao apresentar isso”, afirmou Feltes. Segundo ele, nenhum Estado com economia semelhante ao Rio Grande do Sul está em 17%, além de Santa Catarina. Este aumento irá impactar em média 1,2% no preço final dos produtos, afirmou o secretário.

No caso das alíquotas nominais, serão afetados combustíveis (gasolina e álcool hidratado, de 25% para 30%), comunicação (telefonia fixa e móvel, de 25% para 30%), bebidas (cerveja e chope, de 25% para 27%; refrigerante, de 18% para 20%), energia elétrica (residencial, acima de 50 kW, de 25% para 30%; comercial, de 25% para 30%). Caso as mudanças sejam aprovadas na Assembleia, os cidadãos gaúchos terão um gasto a mais de R$ 0,53 por dia em 2016 em relação a este ano. Segundo o secretário, a repercussão financeira do aumento será de R$ 1,869 bilhão por ano para o Estado e R$ 764 milhões por ano para os municípios.

A proposta não tem consenso entre os deputados, além de contradizer uma das promessas que o governador havia feito durante a campanha. Questionado sobre o não-cumprimento, Sartori desconversou, dizendo que o debate será feito na Assembleia, que é “representativa da sociedade”. “A população está compreendendo. Resistência vai ter até lá em casa, vai ter em tudo quanto é lugar”, disse, pedindo que o legislativo entenda a situação e aprove o pacote por unanimidade.

As propostas:

1) Modificações no IPVA;
2) Criação do Programa Especial de Quitação e Parcelamento (Refaz), que permitirá a regularização fiscal de empresas e o parcelamento com desconto de 40% nos juros e desconto de até 50% na multa;
3) Criação do Fundo de Proteção e Amparo Social;
4) Aumento da alíquota de ICMS e dos impostos de alguns produtos.

 

 

Por Débora Fogliatto, Sul 21

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia