Notícias
 
Conquista no setor naval: garantida construção de duas plataformas em Rio Grande
Acordo foi assinado ontem (2) na sede da Petrobras. Presidente da CNM/CUT lembra que empregos no setor precisam ser defendidos, assim como a estatal e a soberania energética brasileira
03/07/2015


A Petrobras vai retomar a construção das plataformas P-75 e P-77 em Rio Grande (RS). A decisão foi anunciada pelo diretor de Engenharia, Tecnologia e Materiais, Roberto Moro, nesta quinta-feira (2) em reunião na sede da estatal, no Rio de Janeiro (RJ), com o prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer, e representantes do Sindicato dos Metalúrgicos da cidade e do Sindicato Nacional da Indústria Naval.

Do lado de fora do prédio da Petrobras, cerca de 200 metalúrgicos da cidade gaúcha faziam uma vigília à espera do resultado do encontro. A retomada das obras das plataformas foi assegurada com a assinatura de uma ata oficializando o acordo e comemorada pelos trabalhadores. Embora o novo cronograma não tenha sido divulgado, a expectativa é a de que isso ocorra em 30 ou 40 dias, segundo o prefeito, podendo gerar 4,5 mil empregos diretos.

O acordo entre a Petrobras e o consórcio QGI garante o retorno ao Estado de um contrato cujo valor inicial chegava a US$ 1,6 bilhão, solucionando um impasse que vinha desde fevereiro, quando as obras foram paralisadas. Previsto inicialmente para o fim de abril, o acordo entre as partes esbarrava também na possibilidade de nova licitação ou do envio das obras para o exterior.

Defesa do emprego e da Petrobras

O presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), Paulo Cayres, destacou a importância da iniciativa e lembrou que a entidade tem lutado, junto com os sindicatos dos metalúrgicos da CUT de Rio Grande, Niterói (RJ), Pernambuco e Espírito Santo, com os petroleiros e os trabalhadores do ramo industrial, em defesa dos empregos e da soberania energética do Brasil.

“Os metalúrgicos da CUT foram protagonistas no projeto implementado pelo governo que recuperou a indústria naval brasileira. E estão, junto com as demais categorias do Macrossetor da Indústria da CUT [químicos, têxteis, construção e alimentação], os petroleiros, movimentos sociais e setores progressistas lutando permanentemente em defesa da Petrobras, da indústria naval e da soberania energética do nosso país. Não podemos admitir que os trabalhadores sejam os maiores prejudicados por essa campanha sórdida contra a nossa maior estatal, que está por traz da Operação Lava Jato”, assinalou Cayres, que, inclusive, em Guararema (SP), participando da Plenária Nacional da Federação Única dos Petroleiros.

O presidente da CNM/CUT referiu-se à onda de demissões no setor naval, desencadeadas depois que a Operação começou. “Ontem mesmo [2], em Niterói, o estaleiro Mauá (EISA) fechou as portas”, informou. Mas, para ele, para além das dificuldades geradas pela interrupção das encomendas às empresas do segmento, está em jogo também o respeito aos direitos dos trabalhadores. "As empresas lucraram muito ao longo desse tempo e não podem, simplesmente, depois do expediente, avisar que está fechando as portas, como fez o EISA. Isso é um ataque aos metalúrgicos e temos de nos mobilizar em defesa dos companheiros de Niterói", disse.

O dirigente lembrou que a CNM/CUT e os sindicatos que representam os trabalhadores do segmento naval têm atuado para cobrar das autoridades públicas medidas que assegurem empregos e produção. Os sindicalistas já se reuniram com representantes do governo e no último dia 24 também asseguraram que o tema fosse ao debate na Câmara dos Deputados.

Paulo Cayres alertou, porém, que, por traz da Lava Jato, há a campanha sórdida pela privatização da Petrobras e a entrega do setor naval às multinacionais. “Mais do que ninguém, condenamos a corrupção histórica em nosso país, que retira investimentos no desenvolvimento social. Mas, neste momento, sabemos que a direita e os capitalistas querem desmoralizar a Petrobras, para entregá-la às multinacionais. Se isso acontecer, a educação e a saúde pública serão as primeiras prejudicadas, com o fim da destinação dos royalties do petróleo para as duas áreas”, afirmou, ressaltando que estes ataques estão representados no Senado pelo projeto de lei do tucano José Serra [PLS 131], mudando o sistema de partilha e exploração petrolífera.

 

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da CNM/CUT

 
Veja também
 
 
 
Canal WhatsApp
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
 
Omega Tecnologia