Notícias
 
Vitória dos trabalhadores: Dilma oficializa programa de proteção ao emprego
Na presença dos metalúrgicos da CUT e das centrais sindicais, presidenta assinou nesta segunda-feira (6) MP que assegura postos de trabalho e salário.
06/07/2015


Reunida com lideranças sindicais da CUT e outras centrais sindicais, a presidenta Dilma Rousseff assinou no final da tarde desta segunda-feira (6), no Palácio do Planalto, em Brasília, a Medida Provisória que cria o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). A reivindicação havia sido apresentada ao governo pelos metalúrgicos da CUT há algum tempo, com o objetivo de assegurar os postos de trabalho e a renda dos assalariados em períodos de crise (confira os detalhes no final).

Junto com a presidenta, no ato de assinatura da MP, estavam os ministros da Casa Civil, Aloízio Mercadante, do Trabalho, Manoel Dias, e da Secretaria Geral da Presidência, Miguel Rossetto. A CUT foi representada pelo secretário geral, Sérgio Nobre, pelo presidente, pela vice-presidenta e pelo secretário de Política Social da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT), Paulo Cayres, Cátia Cheve e Roberto Pereira, e pelo presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques.

Para Paulo Cayres, o PPE representa uma grande vitória do movimento sindical, porque assegura o emprego e renda dos trabalhadores. “Os direitos ficam garantidos e o trabalhador permanece com seu vínculo empregatício, inclusive com FGTS e os benefícios assegurados em convenção coletiva”, afirmou o presidente da CNM/CUT.

Segundo estimativas, o governo gastará cerca de R$ 95 milhões entre 2015 e 2016 para a manutenção do Programa. Os recursos serão oriundos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). “O governo gastará menos com o PPE do que com o Seguro-Desemprego. Esta conta já havia sido feita antes, quando começamos a discutir o tema com os ministros”, explicou Cayres, lembrando que, com emprego assegurado, o trabalhador continuará consumindo e contribuindo com a economia, “o que não aconteceria se ele estivesse desempregado e recebendo o seguro-desemprego”.

Para o presidente da Confederação, a presidenta Dilma demonstrou empatia aos trabalhadores num momento crucial, em que vários segmentos da indústria estão em retração e começam a desempregar. “Queremos continuar assegurando que a pauta da classe trabalhadora continue sendo atendida. Já asseguramos a fórmula 85-95 para a aposentadoria. Agora, garantimos o PPE. Sabemos que conquistaremos mais, porque o projeto que está no governo nos últimos 12 anos não vira as costas para o trabalhador e para a população”, completou Paulo Cayres.

Confira os principais pontos do PPE

- O programa só pode ser acionado em caso de crise econômica cíclica ou sistêmica que deve ser comprovada pela empresa ao sindicato da categoria e ao governo. Esse problema econômico não pode ser derivado de má gestão ou flutuações de mercado;

- Poderá ter vigência de até de seis meses, podendo ser prorrogado por mais seis meses, mediante novo acordo. Para isso, sindicato e empresa deverão firmar acordo prévio;

- Os salários poderão ser reduzidos no máximo em 30%, o mesmo percentual da jornada;

- O valor a ser pago pelo empregador, após a redução salarial não poderá ser inferior ao salário mínimo;

- O governo fará uma complementação de 50% do valor que foi reduzido, limitado ao teto da parcela do seguro desemprego;

- Durante a vigência do programa, o contrato dos trabalhadores não é interrompido, portanto, as contribuições ao FGTS e ao INSS continuam garantidas;

- A empresa não pode demitir sem justa causa o trabalhador durante a vigência e mais o equivalente a 1/3 desse período após seu encerramento;

- Na vigência do PPE, não haverá prestação de horas extras por trabalhadores inseridos no programa;

- Deverá se reduzir, no mesmo percentual da redução dos salários, os pagamentos de honorários, gratificações, pró-labore, distribuição nos lucros, bonificações ou dividendos aos diretores, sócios, titulares, acionistas ou membros de órgãos dirigentes, fiscais ou consultivos;

- O Ministério do Trabalho deverá aprovar os pedidos de adesão ao programa;

- O vínculo de emprego não se perde durante uma crise passageira, e o trabalhador não perde sua qualificação específica do setor e da empresa;

- O acordo pode garantir manutenção de benefícios e vantagens previstos nas convenções coletivas, o que não existe no seguro desemprego.

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da CNM/CUT

 
Veja também
 
 
Canal WhatsApp
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
 
Omega Tecnologia