Notícias
 
Crescem manifestações contra projeto tucano que privatiza Petrobras
Petroleiros e metalúrgicos fizeram protestos em vários aeroportos do país nesta terça (7) contra o Projeto de Lei do tucano José Serra, que propõe mudanças no regime de partilha do pré-sal
07/07/2015


Petroleiros e metalúrgicos da CUT fizeram manifestações em vários aeroportos do país na manhã desta terça-feira (7). Os protestos são contra o Projeto de Lei do Senado (PLS 131), de autoria de José Serra (PSDB/SP), que retira da Petrobras o direito de ser a única empresa exploradora de pré-sal e de ter participação mínima de 30% nos consórcios exploradores da camada. O PLS pode ser colocado em votação ainda nesta terça.

Dirigentes da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT) participaram da manifestação no aeroporto de Brasília: o presidente, Paulo Cayres, a vice-presidenta Catia Braga Cheve, e o secretário de Políticas Sociais, Roberto Pereira de Souza. Para Cayres, a perda de exclusividade da Petrobras vai retirar recursos do pré-sal destinados à saúde e à educação. "O Estado, quando administra um bem desta magnitude, uma empresa desse porte tem condições de destinar, como já foi aprovado, uma parte dessa riqueza para saúde e para educação. São 25% desses royalties do pré-sal para saúde e 75% para educação", lembrou.

A proposta do tucano retira a obrigatoriedade da Petrobras entrar com aos menos 30% dos investimentos na perfuração dos blocos e ser a única operadora única da camada do pré-sal, conforme determina a Lei de Partilha nº 12.351/2010. O projeto ainda abre espaço para exploração da iniciativa privada sem participação da estatal.

De acordo com o governo federal, caso a lei seja aprovada, além dos prejuízos para a estatal, os brasileiros correm o risco de perder R$ 112 bilhões para a educação pública na próxima década. O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, disse em vídeo veiculado no Facebook, no último dia 30 de junho, que o Ministério da Educação (MEC) está preocupado com possível alteração do regime de partilha. “O problema é que o projeto faz com que 75% dos royalties que iriam para educação deixem de ir para esse tão nobre fim”, afirmou Janine.

O ministro disse também que nos últimos anos o governo praticamente universalizou o acesso ao ensino fundamental, mas afirmou que ainda falta dar acesso universal às creches e pré-escolas. “Para essas finalidades é importante termos os recursos e é importante que venham do petróleo, porque assim não vão forçar aumento da tributação, de modo que vamos continuar tendo um sistema que quando estiver funcionando beneficie a todos”, afirmou Janine. “Por isso, a preocupação do MEC em garantir que os royalties do pré-sal continuem sendo destinados em 75% para a educação”, reforçou.

Prejuízos da mudança

A CUT e os petroleiros defendem o monopólio da estatal para garantir a política de conteúdo local, a preservação do modelo de exploração do pré-sal que só o Brasil domina e o financiamento do Fundo Social mantido com lucros da exploração.

Pela lei de partilha, as empresas gerenciam e operam as instalações dos campos, mas o Estado detém a propriedade do petróleo. Ganha a concorrência, a empresa que oferecer maior lucro ao Estado.
No caso dos campos de Libra, 60% do lucro ficam com o Estado e metade disso vai para o Fundo Social, que destina metade do seu montante para a educação e a saúde. Por isso a necessidade de a Petrobras ser a única operadora como forma de evitar qualquer drible à arrecadação que prejudicaria esse fundo.

Além disso, pela legislação atual, em média, 60% de todas as compras que a Petrobras realiza obedece a um critério de conteúdo local, as aquisições devem ser feitas de empresas brasileiras. Se a exploração for para as mãos de empresas estrangeiras, essa articulação com outros segmentos como metalurgia e setor naval pode ser desarticulada.

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa CNM/CUT, com informação da FUP e CUT

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia