Notícias
 
Contra ajuste fiscal, CUT reúne com Dilma pra cobrar mudanças
Vagner Freitas fez sugestões, mas a presidente Dilma ressaltou que o momento é de ajuste fiscal
11/02/2015




Insatisfeitos com as mudanças que o governo pretende fazer em algumas regras trabalhistas, as centrais sindicais conseguiram apelar diretamente à presidente Dilma Rousseff nesta terça-feira (10). O presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, se reuniu com a petista por mais de duas no Palácio do Planalto.

A abertura de espaço na agenda da presidente demonstra uma disposição de Dilma em ampliar a negociação em torno das novas regras, que são criticadas até mesmo por parlamentares de partidos da base aliada e do próprio PT. Deputados e senadores da base aliada começaram a se mobilizar para barrar ou atenuar o impacto das medidas do pacote, que reduz benefícios trabalhistas e previdenciários em busca uma economia de R$ 18 bilhões neste ano. Os congressistas apresentaram até a tarde desta segunda (9) 620 sugestões de mudanças nas duas medidas provisórias que compõem o pacote. Parlamentares governistas apresentaram 412 emendas, dois terços do total. As mudanças atingem pontos centrais das medidas, que mudam regras para concessão do seguro-desemprego, do abono salarial, da pensão por morte e do seguro-defeso para pescadores artesanais.

Segundo o ministro Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência), responsável por articular as negociações com as centrais sindicais desde o início do ano, Freitas fez sugestões mas a presidente ressaltou que o momento é de ajuste fiscal.

"A presidente apresentou as medidas provisórias e repassou um conjunto importante de informações em relação à situação fiscal do Brasil. [...] Houve uma série de opiniões, sugestões e alternativas repassadas pela CUT. A ideia de abrirmos mais a agenda para além das medidas provisórias. Evidente que a presidente de uma forma muito clara e objetiva informou dos limites fiscais que o Brasil tem neste momento", afirmou Rossetto ao fim da reunião.

Apesar das intensas negociações, o ministro não detalhou as sugestões feitas pela CUT e afirmou que a reunião foi de "cortesia". "Não foi uma reunião de negociação. Negociação se dá no espaço adequado. Foi uma visita da central e teve um espaço para troca de opiniões. [...] É óbvio que durante a reunião todos esses temas foram tratados com muito respeito e muito compromisso", disse.

O ministro afirmou ainda que governo não irá recuar nas propostas. "O governo já manifestou, temos muita confiança na qualidade e na necessidade dessas medidas. Estamos ampliando esse diálogo sobre a qualidade das medidas", disse.

As mudanças precisam ser analisadas e aprovadas pelo Congresso. Nesta terça, o líder do PT na Câmara, Sibá Machado (AC), admitiu que o ajuste fiscal sofrerá modificações no Legislativo.

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia