Notícias
 
Em nova alta, Copom leva juros ao nível mais alto em três anos e meio
Taxa básica foi a 12,25% ao ano. Decisão foi unânime. Desde abril de 2013, aumento acumulado chega a cinco pontos percentuais. Trabalhadores e empresários criticam: "Rendição ao mercado"
21/01/2015


O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central mais uma vez não surpreendeu e no encerramento da primeira reunião do ano, hoje (21), decidiu por mais uma alta na taxa básica de juros. A elevação foi de meio ponto percentual, levando a Selic a 12,25% ao ano, no maior nível desde julho de 2011 (12,5%).

A decisão foi unânime e sem viés, diz em nota o Banco Central, e foi tomada "avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação".

Apenas nas três últimas reuniões, o Copom aumentou os juros em 1,25 ponto. Desde que retomou o ciclo de altas, em abril de 2013, a elevação acumulada é de cinco pontos, de 7,25% (o menor nível histórico) para 12,25%.

Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Carlos Cardeiro, o novo aumento dos juros e as recentes medidas de ajuste fiscal anunciadas pelo governo fazem acelerar a marcha para uma recessão, "com trágicas consequências para os direitos, a renda e o emprego dos trabalhadores". Ele afirmou que se trata de uma rendição ao mercado financeiro e que as medidas "aumentarão a concentração da riqueza no país, contradizendo as políticas econômicas dos últimos governos e os compromissos de campanha da presidenta Dilma Rousseff".
"A medida é contraria a qualquer projeto de desenvolvimento para o país", critica, também em nota, o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. "Esta medida nefasta, além de manter a taxa Selic em patamares proibitivos e colocar à mostra a insensibilidade do governo ante as demandas da classe trabalhadora, impede o crescimento da produção, do consumo e a geração de empregos."

Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a decisão "dificultará ainda mais a recuperação da economia". "Os efeitos diretos dessa medida são a elevação dos custos dos financiamentos, a dificuldade de acesso ao crédito e a consequente redução do consumo das famílias e dos investimentos das empresas", afirma a entidade.

A Federação do Comércio (Fecomércio) do Rio de Janeiro também criticou. "O aumento dos juros pelo Copom é mais um dos muitos preços pagos por empresários e consumidores brasileiros pela condução equivocada da política econômica nos últimos anos. Ao contrário de previsibilidade, rigor fiscal e inspiração de confiança, a economia passou a conviver com improvisos, metas de última hora e ações localizadas", afirma a entidade. "A conta chegou. E nessa hora, as medidas têm seguido o caminho mais fácil: aumentar os já elevados custos na produção e no consumo – impostos e juros."

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia