Notícias
 
"Existem dois Brasis: um é mostrado pela mídia, o outro é o país de fato"
A afirmação foi feita pelo secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho
22/05/2014


Ministro afirmou, em conversa com blogueiros e internautas, que governo pretende ampliar diálogo com a sociedade civil. Várias iniciativas estão sendo implementadas a partir desta semana

O secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, afirmou nesta quarta-feira (21) que existem dois Brasis atualmente, o que é mostrado pela imprensa tradicional e o “Brasil de fato”. “Existe um Brasil apresentado pelas colunas políticas e econômicas e o país do dia a dia da população. O Brasil colocado pela imprensa é muito diferente da realidade”, disse. A afirmação foi feita durante conversa realizada por Carvalho com blogueiros de todo o país no Palácio do Planalto, que teve como tema maior participação social nas ações do governo.

O encontro, transmitido ao vivo pela internet, contou com a participação de internautas de vários estados brasileiros e marca um novo trabalho de atuação por parte do Executivo, que tem a proposta de ser mais engajado com entidades da sociedade civil, daqui por diante. De acordo com Carvalho, quando ele fala dos dois Brasis diferentes, o problema não é a crítica feita pela grande mídia ao governo em si, mas o que ele definiu como sonegação da informação que tem levado, por vezes, a uma “alteração profunda da informação”.

O ministro louvou o trabalho dos blogueiros e sites diversos que, a seu ver, têm contribuído para mostrar um contraponto na divulgação das informações, e chamou a atenção para a importância de existir uma democratização da informação. Gilberto Carvalho também afirmou que embora o governo reconheça que o diálogo com a sociedade precise ser intensificado (motivo pelo qual está lançando a partir desta semana várias ações de maior integração com organizações da sociedade civil), muitas das medidas implementadas surgiram a partir do diálogo e da participação com esta mesma sociedade.

Carvalho citou, dentre estas ações, não apenas medidas aplicadas nos últimos anos, como o programa Mais Médicos – criado a partir de pedido feito durante as mobilizações populares em junho passado, quando as pessoas solicitaram mais profissionais na área de Saúde para atendê-las –, ou as cotas raciais para ingresso no serviço público, como também outras políticas públicas importantes de décadas atrás. Caso, por exemplo, da Lei Maria da Penha e da própria instituição do sistema de cotas nas universidades, que se transformaram em realidade a partir de iniciativas populares.

‘Nem 100 nem zero’

“Não é nem 100 nem zero (o nível de diálogo entre governo e sociedade), mas um processo em construção”, destacou, ao ser perguntado sobre como avaliava a transformação das solicitações e conclusões tiradas a partir de conferências e debates sobre vários temas, realizados com participantes da sociedade e o governo ao longo dos anos, em políticas públicas.

“Este é um governo que sabe da importância do processo de diálogo de presença da sociedade. Temos áreas de maior ou menor sensibilidade e nos damos conta que muitas questões que foram apresentadas não foram concretizadas, mas também sabemos que várias outras se transformaram em política social”, acentuou.

O ministro disse que a semana é emblemática para o país, pelo fato de ser realizada, a partir de hoje à noite, às 18h, a chamada Arena Participativa, que terá como ponto culminante a assinatura, pela presidenta Dilma Rousseff, de decreto que permitirá o aperfeiçoamento da prestação de contas das parcerias entre o Estado e as organizações da sociedade civil. Na mesma ocasião, a presidenta entregará o Prêmio ODM Brasil às 30 organizações da sociedade civil e prefeituras destacadas por boas contribuições no caminho do cumprimento das “metas do milênio”, instituídas pela ONU. “O decreto que a presidenta vai assinar complementará o marco regulatório da relação entre sociedade civil e governo”, frisou.

Em relação à Copa do Mundo, Gilberto Carvalho voltou a falar nas críticas de que o dinheiro que está sendo gasto com os preparativos para o evento poderiam ter sido aplicados em saúde e falou no legado a ser deixado para os brasileiros. “Não há como sair dinheiro da saúde por causa da Copa. Os dados já apresentados mostram que houve aumento no orçamento para a área nos últimos anos”, destacou.
Carvalho reiterou também que o governo está feliz com a realização da Copa do Mundo no Brasil e que as várias obras que estão sendo executadas ou que já ficaram prontas vão ajudar a vida dos cidadãos. Sobre os atrasos, argumentou que ocorreram da forma como são observados atrasos em outras obras no país, como a Transposição do São Francisco ou a Ferrovia Transnordestina, uma vez que obras nem sempre conseguem seguir dentro de um cronograma previsto. Segundo ele, também não há como o governo deixar de reconhecer “incompetências gerenciais observadas ao longo do caminho”, mas reiterou que as obras serão concluídas e ficarão para a população.

“A participação das organizações da sociedade civil no diálogo constante com o governo é cada vez mais importante para a estrutura democrática”, assinalou.

Arena da Participação

A Arena da Participação Social segue até sexta-feira (23) e será marcada por várias ações, entre elas o lançamento da Política e Compromisso Nacional pela Participação Social, o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), a implementacão dos Objetivos do Milênio (ODM) e a construcão dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) – todos, a partir do estabelecimento de debates interativos.

O decreto presidencial a ser assinado define, na prática, a “política” e consolida avanços obtidos pelo governo nos últimos dez anos por meio de debate e participação da sociedade nas políticas públicas. A ideia é de que as normas passem a servir como referência para orientação aos órgãos e entidades públicas sobre as melhores formas de utilização de processos, instâncias e mecanismos de participação social existentes.

Já o “Compromisso Nacional pela Participação Social” consiste num acordo a ser firmado entre os governos federal e estaduais e as prefeituras, definindo diretrizes para a promoção da participação social como método de governo. O intuito é fortalecer os mecanismos e instâncias de diálogo entre Estado e sociedade civil, com vistas à consolidação da democracia participativa no país. O texto do acordo foi discutido e aprovado por secretários estaduais e entidades municipalistas e a adesão de prefeitos e governadores será voluntária.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia