Notícias
 
Copom eleva juros pela oitava vez seguida, prejudicando a classe trabalhadora
Taxa básica de juros sobe para 10,75% ao ano, mesmo percentual do final do governo Lula
27/02/2014




O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou na noite de ontem, 26 de fevereiro, a oitava alta seguida da taxa básica de juros, a Selic. Desta vez a elevação de apenas 0,25 ponto percentual deixa a taxa básica de juros em 10,75% ao ano. Os membros do comitê argumentaram que deram prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros, iniciado na reunião de abril de 2013 para conter possíveis elevações inflacionárias.

Repercussão

Para a CUT, a política de elevação das taxas de juros, além de não contribuir para controlar os índices inflacionários, prejudica o desenvolvimento sustentável do País, gerador de emprego e renda, reduz o mercado interno, encarece o crédito e serve apenas aos interesses do capital especulativo. “Só o sistema financeiro ganha com isso. Quanto maior o spread, ou seja, a diferença entre a taxa básica de juros (10,5%) e o índice de inflação (5,9%), maior o lucro dos especuladores. E quem mais ganha são os investidores externos porque, em seus países, o spread é baixo. E quem mais perde são os/as trabalhadores/as, em especial os/as que ganham menos. Isso porque, junto com os juros sobem todos os preços das mercadorias e serviços. Com isso, cai violentamente o poder de compra da classe trabalhadora”, disse Vagner Freitas, presidente Nacional da CUT.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI, órgão patronal) diz considerar positiva a redução no ritmo de alta. Para a entidade, isso pode "sinalizar o encerramento do ciclo de elevação dos juros". Mesmo considerando a inflação "preocupante", a CNI afirma que os efeitos das últimas elevações dos juros sobre os preços ainda estão por vir. E acrescenta que "o ônus do combate à inflação não pode recair totalmente sobre o setor produtivo".

Já a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) informou condenar "com veemência" a decisão do Copom. "O aumento de 0,25% na Selic representa outra capitulação do Copom diante do terrorismo do mercado financeiro, o único ganhador desse jogo de cartas marcadas em que todos os demais setores da sociedade perdem", afirma o presidente da entidade, Carlos Cordeiro. A entidade considera inócuo aumentar os juros para combater a inflação, "que em 2013 foi de 5,91%, apresenta viés de queda e está rigorosamente dentro dos parâmetros definidos pelo Banco Central (4,5% a 6,5%)". E acrescenta: "Do total de R$ 2,36 trilhões do Orçamento Geral da União para 2014, 42,42% (mais de R$ 1 trilhão) estão reservados para o pagamento dos juros e amortizações da dívida pública, 20% da qual é composta por títulos corrigidos pela Selic".

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia