Notícias
 
Sem surpreender, Copom anuncia sétima alta consecutiva e leva juros a 10,5%
Para a CUT, aumento é injustificável, pois a inflação média dos últimos três anos é a mais baixa desde o Plano Real
15/01/2014


O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou na noite de hoje (15) uma nova elevação da taxa básica de juros, a sétima seguida. A alta foi de meio ponto percentual, para 10,5% ao ano, a maior taxa em dois anos, desde novembro de 2011 (11%). Com isso, a Selic subiu 3,25 pontos percentuais nos últimos nove meses.

A decisão foi unânime e sem viés, "dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros", segundo comunicado divulgado pelo Copom imediatamente após a reunião, a primeira de 2014. A próxima será realizada em 25 e 26 de fevereiro. A maioria das apostas era de alta de 0,25, mas nos últimos dias também se consolidou a possibilidade de um aumento ainda maior.

"Este sétimo aumento consecutivo da Selic é totalmente injustificável. A inflação média anual obtida nos três últimos anos é a mais baixa desde o Plano Real", reagiu o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Carlos Cordeiro. "O Copom perdeu uma boa oportunidade para estancar a alta dos juros que só atende ao apetite insaciável do mercado financeiro e do capital especulativo e prejudica os trabalhadores e a sociedade brasileira", acrescentou.

Segundo ele, "se a inflação está controlada, não há motivos que justifiquem o pessimismo sobre os rumos da economia em 2014, como alardeiam as vozes enlouquecidas do mercado para pressionar o governo e levar vantagens".

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) diz que o aumento era esperado diante do "acelerado ritmo da inflação em 2013" e acrescenta que o Copom não dá sinais sobre o fim do ciclo de altas. Para a entidade, isso depende "de uma política fiscal mais ativa no combate à inflação, com controle mais rigoroso dos gastos correntes".

O ano "começa mal", lamenta o presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiesp) e do Centro das Indústrias do Estado (Ciesp), Paulo Skaf, para quem o Copom voltou a errar. A decisão indica, segundo ele, que "a esperada retomada da indústria ficará para depois". "Precisamos nos libertar da política exclusiva de aumento de juros e ter como novo foco o crescimento econômico. A inflação precisa ser contida, mas é necessário buscar alternativas para combatê-la que não penalizem tanto a atividade econômica e a vida das empresas e das pessoas."

"Mais uma vez o governo se curva aos interesses dos especuladores. As consequências da elevação da taxa são mais do que notórias: redução do consumo, da produção e do emprego", afirmou, em nota, o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. "A medida evidencia a falta de prioridade do governo com relação ao crescimento econômico e, sobretudo, com relação ao desenvolvimento econômico." Para a central, "a política monetária precisa ser subordinada ao projeto de desenvolvimento do país, e não o contrário". Torres avalia que a nova alta dos juros "agrava ainda mais o cenário, já pessimista, para 2014".

O presidente da Força diz considerar o governo "errático", ao reeditar medidas paliativas, sem um projeto de crescimento sustentado. "Combater a inflação é importante, sim. Mas, o governo persiste nos mesmos erros, tratando o crescimento econômico e a geração de empregos unicamente como retórica."

Para o presidente da CTB, Adilson Araújo, o novo aumento "é uma afronta aos interesses do povo brasileiro e de sua classe trabalhadora", em uma decisão que coloca "em xeque" o desenvolvimento do país.

Segundo cálculos da Anefac (associação de executivos de finanças), com a nova taxa básica os juros do cartão de crédito sobem para 9,41% ao mês ou 194,23% ao ano e os do cheque especial, para 8,01% ou 152,1%. O empréstimo pessoal em bancos vai a 3,24% ao mês (46,61% ao ano) e em financeiras, a 7,2% (130,32%). A taxa média praticada pelo mercado chega a 5,64% ao mês ou 93,17% ao ano.

 


Fonte: Sul 21/RBA

 

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia