Notícias
 
Copom confirma expectativas e leva Selic a 10%, maior taxa em quase dois anos
Alta, a sexta seguida, foi de meio ponto percentual. Desde abril, crescimento já é de 2,75 pontos
28/11/2013


O Comitê de Política Monetária (Copom) confirmou as expectativas do chamado mercado e elevou em meio ponto percentual a taxa básica de juros, a Selic, para 10% ao ano, na sexta alta seguida. É o maior índice em quase dois anos, desde janeiro de 2012, quando a taxa foi a 10,5%. Depois disso, a Selic sempre se manteve em um dígito, atingindo há um ano 7,25%, seu menor nível histórico. Desde o novo ciclo de altas, iniciado em abril, o juro básico aumentou em 2,75 pontos percentuais.

A decisão foi unânime e o aumento, sem viés. Em nota, o Copom fala em "prosseguimento de ajuste da taxa básica de juros, iniciado na reunião de abril de 2013".

Durante um ano, de março de 2012 até março último, o BC manteve um processo de redução de juros, em dez reuniões seguidas. Simultaneamente, o governo ensaiou uma pressão sobre o sistema financeiro, para redução de juros e elevação do crédito. Com a alta da inflação, o Copom mudou de rumo e voltou a ser questionado pelo setor produtivo.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) afirma em nota que "esse novo patamar inibirá a expansão dos investimentos privados". A entidade acredita, inclusive, em novas altas – a exemplo do que aposta boa parte dos analistas. Alguns esperam elevação, mais moderada, nas duas primeiras reuniões do Copom em 2014, a primeira em 14 e 15 de janeiro e a segunda, em 25 e 26 de fevereiro.

"A CNI assinala que os reflexos da elevação dos juros sobre o comportamento da inflação são defasados, ocorrendo somente no início de 2014. Reconhece, contudo, que o Copom deve continuar monitorando o processo inflacionário. A desaceleração nos preços dos alimentos tem fatores sazonais. Eventuais choques de oferta podem reverter essa trajetória. Além disso, o fim do efeito das desonerações realizadas em 2013 sobre os índices tende a pressionar os preços administrados", diz a entidade, propondo combate à inflação, "sobretudo, com a utilização da política fiscal, a partir da contenção dos gastos públicos correntes".

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Centro das Indústrias (Ciesp), Paulo Skaf, considera o aumento "equivocado", já que enquanto os países emergentes devem crescer 4,5%, em média, o Brasil terá crescimento em torno de 2,5% este ano. "Isso é muito menos do que precisamos", afirmou Skaf. "Essa política econômica já não funciona mais", acrescentou, pregando "maior controle dos gastos, mais investimento público, mais concessões e menores taxas de juros".

Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Carlos Cordeiro, não há justificativa "plausível" para a alta. "O Copom mostra que é surdo, pois não ouviu o clamor das centrais sindicais que ontem mobilizaram 3 mil trabalhadores em frente ao Banco Central e cobraram menos juros e mais emprego", reagiu. "Mais uma vez cedeu às pressões do mercado financeiro e dos especuladores", criticou o sindicalista.

"A inflação está controlada e o câmbio, estável. Também não há motivos consistentes para avaliações pessimistas sobre os rumos da economia em 2014, como alguns setores econômicos têm feito para pressionar o governo e levar vantagens", disse Cordeiro.

 

 

Por: Rede Brasil Atual

 
Veja também
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia