Artigos
 
Os avanços do FGTS
Eficiência e transparência na gestão permitem ampliação dos investimentos e medidas de interesse da classe trabalhadora, como redução das taxas de juros e de acompanhamento - de 3% para 1,5%
05/10/2012

O Conselho Curador do FGTS aprovou nesta quinta-feira, dia 4, as novas regras de atuação do fundo e redução das taxas de juros e de acompanhamento dos empréstimos para pessoas físicas. Foram definidos novos limites de renda familiar e valor dos imóveis para os financiamentos, este último corrigindo pelo Índice Nacional de Custo da Construção – INCC; redução das taxas de juro e de acompanhamento dos empréstimos, de 3% para 1,5%; novas regras orçamentárias e de prudência financeira, aumentando a reserva de liquidez e reforçando o comando que obriga o respeito a uma margem operacional mínima para operações do fundo, sempre buscando reduzir os custos dos tomadores, sem prejudicar o funcionamento do programa.

Todas as medidas estão rigorosamente de acordo com as mudanças administrativas que a CUT sempre defendeu e que foram implementadas pelos conselheiros, entre elas, o aperfeiçoamento da gestão, o aumento da transparência e a ampliação das conquistas dos/as trabalhadores/as - mesmo os que não têm registro na carteira de trabalho -, e a manutenção do papel social do fundo no financiamento do sistema habitacional e de infraestrutura, com crédito e recursos subsidiados.

É importante salientar, ainda, que a CUT sempre alertou para a necessidade de a União arcar cada vez mais com os subsídios diretos de forma a não colocar em risco a integridade financeira do fundo e, sobretudo, para que permita uma mudança na forma de remuneração dos saldos do FGTS, que passaria a ter a mesma fórmula da poupança, estancando as perdas dos cotistas sem prejudicar o papel social do fundo.

Ao longo dos últimos anos, por pressão da CUT, o FGTS passou a exigir contrapartidas sociais dos tomadores de empréstimo, entre elas, o cumprimento das obrigações trabalhistas, de qualidade dos materiais e regularização da obra, recentemente ampliadas com a aprovação da Resolução 688 de 2012. Além disso, nossa Central apoiou a Secretaria da Fiscalização do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) a modernizar a fiscalização das condições de trabalho, especialmente nas obras que recebem recursos do fundo.

São avanços significativos e extremamente importantes para a classe trabalhadora. Afinal, estamos falando de um fundo que superou os R$ 300 bilhões – cerca de 7% do PIB - em ativos e dispõe atualmente de mais de R$ 110 bilhões para investimentos. Apenas este ano, o FGTS tem um orçamento de mais de R$ 65 bilhões para investir. Estes números colocam o Fundo entre as principais fontes de poupança e de financiamento do investimento no país, junto com a Caderneta de Poupança e fundos de grandes empresas e bancos públicos, como Vale, Previ e BNDES.

A principal diferença entre eles é que o FGTS é um fundo privado, garantido integralmente pelo Estado e gerido por um conselho tripartite onde estão representados o governo, os trabalhadores, por meio das Centrais Sindicais, e os patrões, por meio de suas Confederações.

Vale lembrar que a consolidação financeira do FGTS está intimamente ligada ao crescimento econômico registrado nos últimos anos, com aumento do emprego, da formalização da mão de obra e do salário real. Isso porque, o
FGTS é formado pela poupança compulsória de 8% do salário mensal do trabalhador contratado via CLT, o que corresponde a um salário por ano de trabalho. Hoje, o fundo tem mais de R$ 230 bilhões em depósitos, dispersos em mais de 100 milhões de contas vinculadas com saldo – a grande maioria com saldos inferiores a R$ 160 reais (65%), o que se explica em grande parte pela alta rotatividade do mercado de trabalho.

Este último dado merece uma atenção especial. A dispensa sem justa causa, que responde por mais de 60% dos saques, obriga o/a trabalhador/a a resgatar prematuramente o dinheiro que tem no fundo, não para compra da casa própria ou em função de aposentadoria (motivos que respondem por cerca de 30% dos saques), mas para auxiliar nas despesas até a sua realocação no mercado de trabalho. Isso significa que a alta rotatividade, além de desestruturar as famílias brasileiras, prejudica também o cumprimento do papel social do FGTS. Por isso, o combate às demissões imotivadas é uma das bandeiras da CUT, que tem levado diversas alternativas ao governo como a regulamentação do artigo 192 da Constituição e a criação de um fundo que permita a empresa licenciar, ao invés de demitir, o trabalhador em momentos de grave crise econômica.

É preciso que continuemos avançando, resolvendo problemas como o da rotatividade, dinamizando os setores envolvidos nas áreas de atuação do fundo, beneficiando milhares de trabalhadores. Muito ainda precisa ser feito. A criação de regras para realização de orçamentos plurianuais que permitiriam a melhor fiscalização do fundo e o cuidado para que seja garantida sua perenidade deve ser discutido nas próximas reuniões, assim como a definição de um código de responsabilidade sócio ambiental para o fundo.

Estas são oportunidades importantes para avançar numa outra bandeira importante da CUT que é a das contrapartidas sociais nos empréstimos com recursos do FGTS. Para isso, a Central vem atuando nestas arenas, diretamente como integrante do conselho de administração e indiretamente via mobilização junto aos parlamentares, sempre ao lado dos movimentos populares, que são parceiros importantes em outros fóruns como o Conselho das Cidades, que tem papel importante na definição da política habitacional do país.

Por: Vagner Freitas, presidente nacional da CUT
 
 
Ramais - SEDE STIMEPA
  • Telefone Principal: (51) 3371-9000
  • Saúde/Clínico Geral - Ramal 9024
  • Saúde do Trabalhador - Ramal 9025
  • Cobrança - Ramal 9023 e 9028
  • Jurídico - Ramal 9029
  • Homologação - Ramal 9046
  • Secretaria Geral - Ramal 9026
  • Administrativo/Financeiro - Ramal 9018
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Lazer
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Médico
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Vídeos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
Stimepa - Sindicato dos Metalurgicos de Porto Alegre
Av. Francisco Trein, 116 - Cristo Redentor - CEP 91350-200
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS
 
Omega Tecnologia