Artigos
 
Bye bye Brasil
Por Lírio Segala
25/01/2021


Na Amazônia, existe uma cidade erguida em 1928, a mando de Henry Ford. Após um período de expansão, o polo de produção de látex naufragou. Em 1945, o governo indenizou a empresa e Fordlândia, outrora próspera, caiu em desgraça. Essa história é um presságio do que pode acontecer com a nossa indústria.

No início do mês, a Ford se despediu do Brasil e jogou 7 mil fordianos no desemprego. O Dieese calcula que serão mais de 119 mil postos de trabalho perdidos, caso se contabilize todo o impacto.

Mês passado, a MercedesBenz lacrou sua unidade de automóveis leves. O fechamento de empresas se alastra para outros segmentos. A Sony já deu bye bye a Manaus. A Yoki, em Nova Prata, fechará em maio. O Brasil está virando um cemitério de empresas. Nos anos 80, a participação da indústria no PIB era acima de 20%. Despencamos para a metade: 10,9%.

O modelo de desenvolvimento industrial dependente, baseado em grandes transnacionais, regado a constantes subsídios e mercado protegido, apesar de atrativo de imediato, causa um grande estrago quando ocorre o ciclo recessivo.

O desgoverno federal explica que está tudo ok. Seu ministro da Economia afirma que a desindustrialização será resolvida pelo livre mercado e compensada pelo desempenho do agronegócio, desde que se façam mais reformas. Regredir aos primórdios da economia agrária exportadora é a solução, urram os Chicago Boys. Sabemos que é impossível sustentar um país com mais de 200 milhões de habitantes apenas com exportações primárias. Fazendão não tem futuro.

Cabe aos trabalhadores, aos poucos empresários patriotas e aos governantes democráticos reerguer um projeto nacional de industrialização. Para isso, é fundamental investir em consórcios locais de desenvolvimento, na educação e na pesquisa. Apostar no envolvimento de universidades e de centros tecnológicos. Os empresários precisam cessar de demonizar o Estado enquanto usufruem de incentivos fiscais. Os trabalhadores devem ser sujeitos e a participação política é o único caminho.

Lírio Segala é presidente da Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do RS e coordenador do Macrossetor da Indústria da CUT-RS 

Artigo publicado no Jornal Zero Hora, em 25/01/2021

Por: FTM-RS
 
 
 
 
 
 
 
Redes Sociais
 
 
Folha Metalúrgica
 
Assista
 
Escute
Escolha o áudio abaixo...

 
Boletim Eletrônico
Receba em seu e-mail o boletim eletrônico e informes do Sindicato

Não quero mais participar
 
Veja Também
 
 
Serviços
  Benefícios para Associado
  Tesouraria
  Jurídico
  Homologação
  Saúde
  Catálogo de Convênios e Parcerias
O Sindicato
  Institucional
  História
  Diretoria
  Base do Sindicato
  Subsedes
  Aposentados
  Colônia de Férias
  Lazer
Convenções
  Metalurgia
  Reparação de Veículos
  Máquinas Agrícolas
Galerias
  Fotos
  Escute
  Notícias
  Opinião do Sindicato
  Folha Metalúrgica
  Publicações
CNM  FTM RS  CUT
 
STIMEPA - Sindicato dos Metalurgicos da Grande Porto Alegre
Av. do Forte, 77 - Cristo Redentor - CEP 91.360-000;
Telefone: (51) 3371.9000 - Porto Alegre - RS.
De segunda à sexta, das 8h às 17h.
 
Omega Tecnologia